Recém-chegadas e estranhas: as crianças e o mundo comum na obra de Hannah Arendt

Autores

  • Vanessa Sievers de ALMEIDA vanessa.sievers.a@gmail.com
    Universidade Federal da Bahia - UFBA

DOI:

10.29286/rep.v22i49/1.912

Palavras-chave:

Filosofia da Educação. Hannah Arendt. Mundo Público. Criança.

Resumo

O presente artigo aborda a concepção de educação da filósofa Hannah Arendt, discutindo dois elementos-chave de sua compreensão: a relevância do mundo público e a criança enquanto recém-chegada nele. Analisa-se o lugar que as crianças ocupam no mundo, enfocando três aspectos: elas são ainda estrangeiras nesse espaço cujas linguagens não falam; em segundo lugar, são inocentes, isto é, ainda incapazes de deliberar sobre os rumos do mundo público; e, finalmente, são novas no mundo e, ao mesmo tempo, uma novidade para ele. Por fim, indaga-se sobre possíveis contribuições da educação para que as crianças possam fazer desse lugar, seu mundo.

Palavras-chave: Filosofia da educação. Hannah Arendt. Mundo público. Criança.

Abstract

This article approaches the concept of education of the philosopher Hannah Arendt, discussing two key elements of her understanding: the relevance of the public world and the child as a newcomer in it. The place that children occupy in the world is analyzed, focusing three aspects: they are still strangers in a world whose languages they do not speak; secondly, they are innocent, that is, still unable to decide on the course of the public world; and, finally, they are new in the world and, at the same time, new to this place. Lastly we ask about possible contributions of education so that children can make that place, their world.

Keywords: Philosophy of education. Hannah Arendt. Public world. Child.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Sievers de ALMEIDA, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutora em Educação pela USP, pesquisadora do grupo de pesquisa EPIS: Educação, Política, Indivíduo
e Sociedade: leituras a partir da Pedagogia, da Psicologia e da Filosofia/UFBA e do Grupo de Estudos
e Pesquisas em Filosofia e Educação/USP, professora da Faculdade de Educação da UFBA. Av. Reitor
Miguel Calmon s/n. Campus Canela, Salvador - Bahia; CEP: 40110-100. Tel.: (71) 3283-7219.

Referências

ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Revisão e apresentação Adriano Correia. 11. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

______. A vida do espírito. Tradução de Antonio Abranches e Helena Martins. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Ed. UFRJ, 1993.

______. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1990.

______. Vita activa oder Vom tätigen Leben. München: Piper, 1960.

CANOVAN, M. Politics as culture: Hannah Arendt and the public realm. In: HINCHMAN L. P.; HINCHMAN, S. (Ed.). Hannah Arendt: critical essays. New York: State University of New York, 1994. p. 179-205.

KANT, I. Sobre a pedagogia. 3. ed. Piracicaba: Editora Unimep, 2002.

PETERS, R. S. Educação como iniciação. In: ARCHAMBAULT, R. D. (Org.). Educação e análise filosófica. Tradução de Carlos Eduardo Guimarães e Maria da Conceição Guimarães. São Paulo: Saraiva, 1979. p. 101-130.

PONS. Globalwörterbuch Lateinisch-Deutsch. 2. Aufl. Stuttgart: Klett, 1986.

ROUSSEFF, D. Discurso de posse no Congresso em 01 de janeiro de 2011. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2011/01/01/leia-integrado-

discurso-de-posse-de-dilma-rousseff-no-congresso>. Acesso em: 27. out. 2012.

Downloads

Publicado

2013-07-03

Como Citar

ALMEIDA, V. S. de. Recém-chegadas e estranhas: as crianças e o mundo comum na obra de Hannah Arendt. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 22, n. 49/1, p. 229–247, 2013. DOI: 10.29286/rep.v22i49/1.912. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/912. Acesso em: 22 jun. 2024.