O deslocamento epistêmico trazido pelas DCNERER e a formação inicial de professores

Autores

DOI:

10.29286/rep.v29ijan/dez.8952

Palavras-chave:

Currículo, Diretrizes, Formação de professores, Decolonialidade

Resumo

O estudo apresenta as alterações trazidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações étnico-raciais (DCNERER), no currículo dos cursos de Pedagogia do Estado de Mato Grosso do Sul, com a inserção da História e Cultura Africana e Afro-brasileira. Busca-se garantir o conhecimento pedagógico necessário aos futuros docentes para ministrarem aulas numa perspectiva crítica e identificarem o deslocamento epistêmico trazido ao currículo. Dialoga com os Estudos Pós- coloniais que tensionam os saberes legitimados pelo colonizador. Concluiu-se que existem avanços significativos para a formação dos futuros professores educarem na perspectiva da educação intercultural crítica e decolonial.

Biografia do Autor

Jakellinny Gonçalves de Souza RIZZO, Universidade Federal da Grande Dourados

Mestre em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD (2018); Graduação em Letras-Libras pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD; Pós-graduação em Educação Inclusiva com Ênfase em Deficiência Auditiva pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB (2016). Foi bolsista Demanda Social/CAPES, membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Relações Étnico-Raciais e Formação de Professores (GEPRAFE/UFGD), vinculada a pesquisa "Educação para as relações étnico-raciais e a descolonização curricular: o ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Indígena no Estado de Mato Grosso do Sul de 2012 a 2016". Atualmente é docente na Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS). Tem experiência em pesquisa na área de Educação, com ênfase na história e ensino de Libras, formação de professores e políticas educativas.

Eugênia Portela de Siqueira MARQUES, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.  Pós Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2015). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Relações Étnico-Raciais e Formação de professores. Coordenadora do GT 21 de Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Referências

BACKES José Licínio. A construção de pedagogias decoloniais nos currículos das escolas indígenas. EccoS - Revista Científica, São Paulo, n. 45, p. 41-58, jan./abr., 2018.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio-agosto 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC; Conselho Nacional de Educação, 2005.

BRASIL. Lei n. 10.639/2003, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

CANEN, Ana. Universos culturais e representações docentes: subsídios para a formação de professores para a diversidade cultural. Educação & Sociedade, ano, 22, n. 77, p. 207-227, dez., 2001.

DIALLO, Cintia Santos. História da África e cultura afro-brasileira no ensino superior público: análise sobre currículos e disciplinas dos cursos de licenciatura em História em Mato Grosso do Sul (2003-2016). Orientadora: Eugenia Portela de Siqueira Marques. 2017. 171 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2017.

DUSSEL, Henrique. Europa, Modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 55-70.

FERREIRA, Cléa Maria da Silva. Formação de professores à luz da história e cultura afro-brasileira e africana: nova tendência, novos desafios para uma prática reflexiva. Revista ACOALFAplp - Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa, São Paulo, ano 3, n. 5, p. 224-238, 2008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/reaa/article/download/11516/13284/0. Acesso em: 20 abr. 2019.

FLEURI, Reinaldo Matias (org.). Intercultura e movimentos sociais. Florianópolis: Mover, NUP, 1998.

FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio/jun./jul./ago., 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática educativa. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GOMES, Nilma Lino. Descolonizar os currículos: um desafio para as pesquisas que articulem a diversidade étnico-racial e a formação de professores. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (ENDIPE), 14., 2008, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: PUC, 2008. p. 17-41.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial: por um projeto educativo emancipatório. In: FONSECA, Marcus Vinícius; SILVA, Carolina Mostaro Neves de; FERNANDES, Alexsandra Borges. Relações étnico-raciais e educação no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011. p. 39-60.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. 48 p.

GOMES, Nilma Lino. Relações Étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, jan./abr., 2012.

MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

OLIVEIRA, Iolanda de. A formação de profissionais docentes para a educação das relações taciais nos planos nacionais da educação. In: AGUIAR, Marcia Angela da S. (org.) Educação e diversidade: estudos e pesquisas. Recife: Gráfica J. Luiz Vasconcelos, v. 2, 2009. p. 203-212.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. 2005. Disponível em: https://pt.scribd.com/doc/36091067/Anibal-Quijano-Colonialidade-e-Modernidade Racionalidade. Acesso em: 15 jan. 2019.

SACRISTÁN, José Gimeno. Políticas de la diversidad para una educación democrática igualadora. In: SIPÁN COMPAÑE, A. (coord.). Educar para la Diversidad en el siglo XXI. Zaragoza (Espanha): Mira, 2001.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis: Vozes, 1995.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A construção do currículo na sala de aula: o professor como pesquisador. São Paulo: EPU, 1990.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 131-152, 2008.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera Maria (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.

Downloads

Publicado

2020-03-02

Como Citar

RIZZO, J. G. de S., & MARQUES, E. P. de S. (2020). O deslocamento epistêmico trazido pelas DCNERER e a formação inicial de professores. Revista De Educação Pública, 29(jan/dez). https://doi.org/10.29286/rep.v29ijan/dez.8952