A formação de professores de Biologia no contexto das pesquisas acadêmicas brasileiras

Autores

DOI:

10.29286/rep.v29ijan/dez.7985

Palavras-chave:

Ciências, teses, dissertações, ensino.

Resumo

O texto visa compreender as tendências e as lacunas presentes nas dissertações e teses (D&T) sobre a formação de professores de Biologia no Brasil. Pautada numa perspectiva crítica e de caráter exploratório, fez-se análise dos resumos de D&T disponíveis na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), com as seguintes palavras-chave: formação de professores e ensino de Biologia. A análise se efetuou sobre 99 trabalhos, que compuseram o corpus pesquisado, quanto: à distribuição geográfica e institucional da produção científica e a aspectos metodológicos das pesquisas; às recorrências e aos silenciamentos das pesquisas sobre a formação de professores de Biologia no Brasil.

Biografia do Autor

Adda Daniela Lima Figueiredo ECHALAR, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), na linha de pesquisa de Teorias da Educação e Processos Pedagógicos. Mestre em Biologia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Cursou especialização em Formação de Professores, com foco em Educação Ambiental, pela PUC Goiás. Graduou-se em Ciências Biológicas, licenciatura e bacharelado, pela PUC Goiás. Professora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM) e do Departamento de Educação em Ciências (DEC) no Instituto de Ciências Biológicas (ICB) - UFG. É integrante dos grupos de pesquisa KADJÓT (Grupo interinstitucional de estudos e pesquisas sobre as relações entre as Tecnologias e a Educação) e COLLIGAT - [(Re)pensando a formação de professores de Ciências da Natureza]. Vice-coordenadora do Fórum de Licenciatura, regional Goiânia, da UFG (2016-2018). Tem experiência na área de educação, com ênfase em educação e tecnologias, teorias da educação, processos pedagógicos, formação de professores e educação em Ciências.

Rones de Deus PARANHOS, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Educação pela Universidade de Brasília - Faculdade de Educação (2017). É Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás (2009) e Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Goiás - Campus Jataí (2004). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM - UFG). Professor da Universidade Federal de Goiás (Departamento de Educação em Ciências - Instituto de Ciências Biológicas). É Vice-Diretor do Instituto de Ciências Biológicas (ICB-UFG) e Vice-Coordenador do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas (ICB-UFG). É membro fundador do Grupo de Estudos e Pesquisas Colligat - repesando a formação de professores ciências e biologia; membro do grupo de Estudos e Pesquisas TRABEDUC (Trabalho Docente e Educação Escolar); Coordenador da Rede de Pesquisa em Ensino de Ciências na Educação de Jovens e Adultos (REPEC-EJA); Membro da Coordenação Colegiada do Fórum Goiano de Educação de Jovens e Adultos. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino e aprendizagem do conhecimento científico (biológico), formação de professores de ciências/biologia e educação de jovens e adultos.

Simone Sendin Moreira GUIMARÃES, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação (licenciatura) em Biologia pela Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP (1998), especialização em Educação Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade de São Paulo - USP (2001), mestrado em Educação - Ensino de Ciências pela UNIMEP (2003) e doutorado em Educação Escolar - Formação de Professores pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP (2009). Atualmente é professora Adjunto IV do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Goiás (UFG). É coordenadora do PIBID Biologia (2014 -2018) e professora do Programa de Pós-Graduação (Stricto Sensu) em Educação em Ciências e Matemática da UFG. Coordena o Grupos de Pesquisa Colligat - (re)pensando a formação de professores de ciências e biologia. Tem experiência na área de Educação, com ênfase na Formação de Professores de Ciências e Biologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de Professores, Ensino de Ciências e Biologia; Epistemologia Ambiental; História e Filosofia da Ciência

Referências

ARAÚJO, Cláudia Helena dos Santos. Elementos constitutivos do trabalho pedagógico na docência online. 2014. 168 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2014.

BARRETO, Raquel Goulart. Objetos como sujeitos: o deslocamento radical. In: FERREIRA, Giselle Martins dos Santos; ROSADO, Luiz Alexandre da Silva; CARVALHO, Jaciara de Sá. (org.). Educação e tecnologia: abordagens críticas. Rio de Janeiro: SESES, 2017. p. 124-41.

BIZZO, Nélio. Novas bases da Biologia. São Paulo: Ática, 2011.

BRASIL. Lei n.º 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1961.

BRZEZINSKI, Iria; GARRIDO, Elsa. Trabalho docente – mapeando a pesquisa em teses e dissertações brasileiras. Educação & linguagem, São Paulo, v. 10, n. 15, p. 60-81, jan./jun., 2007.

CACHAPUZ, Antonio Carrelhas; GIL-PEREZ, Daniel; CARVALHO, Anna Maria Pessoa de; PRAIA, João; VILCHES, Amparo (org.). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CARVALHO, Bruna; MARTINS, Lígia Márcia. Formação de professores: superando o dilema teoria versus prática. Germinal – Marxismo e Educação em debate, Salvador, v. 9, n. 1, p. 172-181, ago. 2017.

ECHALAR, Adda Daniela Lima Figueiredo; PEIXOTO, Joana. Programa Um Computador por Aluno: o acesso às tecnologias digitais como estratégia para a redução das desigualdades sociais. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 25, n. 95, p. 393-413, abr. 2017.

GAMBOA, Silvio Sánchez. Tendências epistemológicas: dos tecnicismos e outros “ismos” aos paradigmas científicos. In: SANTOS FILHO, José Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sánchez (org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2013. p. 59-82.

GAMBOA, Silvio Sánchez. Pesquisa em Educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Argos, 2007.

KNÖPKER, Mônica. A formação de professores no Banco de Teses da Capes: um estudo inspirado nas pesquisas do tipo “estado da arte”. In: ANPEd SUL, 11, 2016, Curitiba. Anais […]. Curitiba: UFPR, 2016. Disponível em: http://www.anpedsul2016.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2015/11/EIXO6_M%C3%94NICA-KN%C3%96PKER.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

KRASILCHIK, Miriam. Prática de ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2008. 197 p.

LIBÂNEO, José Carlos. As Teorias Pedagógicas Modernas Revisitadas pelo Debate Contemporâneo na Educação. In: LIBÂNEO, José Carlos; SANTOS, Akiko (org.). Educação na era do conhecimento em rede e transdisciplinaridade. São Paulo: Alínea, 2005. p. 15-58.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática e trabalho docente: a mediação didática do professor nas aulas. In: LIBÂNEO, José Carlos; SUANNO, Marilza Vanessa Rosa; LIMONTA, Sandra Valéria (org.). Concepções e práticas de ensino num mundo em mudança – diferentes olhares para a didática. Goiânia: PUC, 2011. p. 85-100.

LIMA JÚNIOR, Paulo; DECONTO, Diomar Caríssimo Selli; ANDRELLA NETO, Ricieri; CAVALCANTI, Cláudio José de Holanda; OSTERMANN, Fernanda. Marx como referencial para análise de relações entre Ciência, Tecnologia e Sociedade. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 1, p. 175-194, mar. 2014.

LORENZ, Karl. Ciência, educação e livros didáticos do século XIX – os compêndios das Ciências Naturais do Colégio Pedro II. Uberlândia: EDUFU, 2010. 366 p.

MALANCHEN, Júlia. Políticas de formação de professores a distância no Brasil: uma análise crítica. Campinas: Autores Associados, 2015.

MARANDINO, Martha; SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Márcia Serra. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009. 215 p.

MARTINS, Lígia Márcia. A formação social da personalidade do professor: um enfoque vigotskiano. 2. ed. Campinas, SP: Autores associados, 2015.

MAYR, Ernest. Isto é Biologia: a Ciência do mundo vivo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MORAES, Christianne de Lima Borges. Os documentos orientadores nacionais e estadual (Goiás) no contexto da Biologia para o ensino médio: teorias de currículo e ensino de evolução biológica. 2016. 160 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

NASCIMENTO, Fabrício do; FERNANDES, Hylio Laganá; MENDONÇA, Viviane Melo de. O ensino de Ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR on-line, Campinas, n. 39, p. 225-249, set. 2010.

NASCIMENTO JÚNIOR, Antônio Fernandes. Construção de estatutos de ciência para a Biologia numa perspectiva histórico-filosófica: uma abordagem estruturante para seu ensino. 2010. 437 f. Tese (Doutorado em Educação Para Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2010.

NASCIMENTO JÚNIOR, Antônio Fernandes; SOUZA, Daniele Cristina; CARNEIRO, Marcelo Carbone Carneiro. O conhecimento biológico nos documentos curriculares nacionais do ensino médio: uma análise histórico-filosófica a partir dos estatutos da Biologia. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 2, p. 223-243, 2011.

PARANHOS, Rones de Deus; GUIMARÃES, Simone Sendin Moreira. A identidade docente nas pesquisas sobre formação de professores de biologia apresentadas no IX Encontro Nacional Pesquisa em Educação em Ciências. In: ENCONTRO INTER-REGIONAL NORTE, NORDESTE E CENTRO-OESTE SOBRE FORMAÇÃO DOCENTE PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA E SUPERIOR, 4, 2015, Brasília. Anais […]. Brasília: UnB, 2015. p. 1-12.

PARANHOS, Rones de Deus. Ensino de Biologia na educação de jovens e adultos: o pensamento político-pedagógico da produção científica brasileira. 2017. 229 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília. 2017. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/32153/1/2017_RonesdeDeusParanhos. Acesso em: 10 jun. 2018.

ROCHA, Décio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de conteúdo e análise do discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. ALEA, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 305-322, jul./dez., 2005.

SANTOS, Maria Cristina Ferreira dos; SELLES, Sandra Lúcia Escovedo. A disciplina escolar História Natural, os livros didáticos e os professores autores na década de 1930: Waldemiro Potsch e os compêndios de história natural. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 6, 2011, Vitória. Anais […]. Vitória: UFES, 2011. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe6/anais_vi_cbhe/conteudo/file/543.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

SANTOS, Maria Cristina Ferreira dos. A higiene, a História Natural e a Biologia na educação escolar: considerações sobre os conhecimentos nos programas de ensino da Escola Normal do Distrito Federal (1904-1946).

In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH, 16, 2014, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro: Anpuh-Rio, 2014. Disponível em: http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/28/1400553480_ARQUIVO_HigieneHistoriaNaturalBiologiaMCFSantos.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

SANTOS, Wildson Luiz Pereira; MORTIMER, Eduardo Fleury. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 110-132, jul./dez., 2002.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2011.

SLONGO, Iône Inês Pinsson; DELIZOICOV, Demétrio. Teses e dissertações em ensino de Biologia: uma análise histórico-epistemológica. Investigações em Ensino de Ciências, v. 15, n. 2, p. 275-296, 2010. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID237/v15_n2_a2010.pdf. Acesso em: 07 jan. 2017.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini. Investigando a pesquisa educacional: um estudo enfocando dissertações e teses sobre o ensino de Biologia no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências, v. 11, n. 2, p. 261-282, 2006.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini. Pesquisa em Ensino de Biologia no Brasil (1972–2004): um estudo baseado em dissertações e teses. 417 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, 2008.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini; SOUSA, Grasielle Pereira; SANTANA, Tainan Amorim. Dissertações e Teses sobre Ensino de Biologia no Brasil: uma análise sobre os estudos centrados na formação de professores. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8, 2011. Atas do VIII ENPEC. Campinas: Unicamp, 2011. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0047-2.pdf. Acesso em: 15 jan. 2017.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini; MEGID NETO, Jorge. A produção acadêmica em Ensino de Biologia no Brasil – 40 anos (1972–2011): base institucional e tendências temáticas e metodológicas. Revista brasileira de pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 521-549, ago. 2017.

TEODORO, Natállia Carrion; CAMPOS, Luciana Maria Lunardi. O professor de Biologia e dificuldades com os conteúdos de ensino. Revista da SBEnBio, Campinas, v. 9, n. 1, p. 5.390-5.401, 2016.

THÈODORIDES, Jean. História da Biologia. Lisboa: Edições 70, 1965.

TOSCHI, Mirza Seabra. Docência nos ambientes virtuais de aprendizagem. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25, 2011, São Paulo; CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2, 2011, São Paulo. Anais […]. São Paulo: ANPAE, 2011.

Downloads

Publicado

2020-03-02

Como Citar

ECHALAR, A. D. L. F., PARANHOS, R. de D., & GUIMARÃES, S. S. M. (2020). A formação de professores de Biologia no contexto das pesquisas acadêmicas brasileiras. Revista De Educação Pública, 29(jan/dez). https://doi.org/10.29286/rep.v29ijan/dez.7985