Usos e significados da recreação na produção acadêmica

Autores

  • Giuliano Gomes de Assis PIMENTEL Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Hani Zehdi Amine AWAD Docente do curso de Educação Física do Centro Universitário FAG

DOI:

10.29286/rep.v29ijan/dez.10062

Palavras-chave:

Recreação, Lúdico, Educação Corporal, Epistemologia

Resumo

Frente à lacuna sobre o significado da recreação no presente, nosso objetivo foi caracterizar a produção acadêmica sobre recreação no Brasil. Para tanto, realizamos revisão sistemática em torno dos usos da recreação. Os estudos enfocam o valor instrumental e positivado da recreação em relação à educação e à promoção da saúde. Em conclusão, a recreação vem sendo empregada como ferramenta para agenciar o lúdico em algum aspecto da vida: metodologia lúdica para alcançar determinado enfoque educativo ou terapêutico; rol de brincadeiras e jogos visando ao entretenimento; dispositivo de poder, para distração das massas.

Biografia do Autor

Giuliano Gomes de Assis PIMENTEL, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Docente da graduação e pós-graduação stricto sensu do curso de Educação Física da Universidade Estadual de Maringá, doutor e mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas, graduado em Educação Física e líder do Grupo de Estudos do Lazer (GEL/UEM). 

Hani Zehdi Amine AWAD, Docente do curso de Educação Física do Centro Universitário FAG

Docente do curso de Educação Física do Centro Universitário FAG, doutorando na Universidade Estadual de Maringá, mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia e membro do Grupo de Estudos do Lazer (GEL/UEM).

Referências

ALVES, F. D.; SOMMERHALDER, A. Lúdico, infância e educação escolar: (des)encontros. Rev. Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 4, n. 2, p. 144-164, 2010.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

BROUGÈRE, G. Jogo e educação. São Paulo: Artmed, 2003.

CAMARGO, L. O. L. Pokemon Go: a ludicidade humana em mudança. Revista Hospitalidade, São Paulo, v. 13, número especial, p. 1-11, 2016.

CAZEIRO, A. P. M.; LOMÔNACO, J. F. B. Formação de conceitos por crianças com paralisia cerebral: um estudo exploratório sobre a influência de atividades lúdicas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 24, n. 1, p. 40-50, 2011.

COSCRATO, G.; PINA, J. C.; MELLO, D. F. de. Utilização de atividades lúdicas na educação em saúde: uma revisão integrativa da literatura. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 23, n. 2, p. 257-263, 2010.

FARIAS, M. J. A.; WIGGERS, I. D.; ALMEIDA, D. M. F. Brincadeiras de luta e cultura infantil: análise de publicações em periódicos da Educação Física (2004-2013). Rev. Bras. Ci. e Mov., v. 23, n. 3, p. 181-195, 2015.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GOMES, C. F. Descolonização da criança escolar e o gênero literário: uma reflexão sobre a autonomia de suas implicações lúdicas. R. Educ. Públ., Cuiabá, v. 23, n. 53/1, p. 369-390, 2014.

GOMES, R. C. V.; VASCONCELLOS, Z. M. C. Intervenção fonoaudiológica junto aos docentes do ensino fundamental: relato de experiência. Rev. CEFAC, v. 16, n. 6, p. 2060-2070, 2014.

HAN, Byung-Chul. Sociedade da transparência. Petrópolis: Vozes, 2017.

JOSIOWICZ, A. Por uma política da estética em Mário de Andrade: expressionismo e infância. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 799-823, 2015.

LOVISOLO, H. R. “Levantando o sarrafo ou dando tiro no pé”: critérios de avaliação e Qualis das pós-graduações em educação física. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Campinas, v. 29, n. 1, p. 23-33, set. 2007.

LOVISOLO, H. R. Gestão de revistas: algumas considerações e sugestões para o debate. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, v. 36, n. 4, p. 708-714, out. 2014.

MONTE, W. S.; BARRETO, M. M.; ROCHA, A. B. Gamification e a web 2.0: planejando processo ensino-aprendizagem. HOLOS, ano 32, n. 3, p. 90-97, 2017.

MORAIS, G. S. N.; COSTA, S. F. G.; FRANÇA, J. R. S. et al. Produção científica sobre o brincar e a criança com câncer: um estudo bibliométrico. Rev. Enfermagem UFPE on line, Recife, v. 10, n. 2, p. 419-427, 2016.

MOTTA, A. B.; ENUMO, S. R. F. Intervenção Psicológica Lúdica para o Enfrentamento da Hospitalização em Crianças com Câncer. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 26, n. 3, p. 445-454, jul./set. 2010.

NOGUEIRA, G. M. Cultura de pares e cultura lúdica: brincadeiras na escola. Poiésis, Tubarão, v. 9, n. 15, p. 117-131, jan./jun. 2015.

PIMENTEL, G. G. A. Grupo de Estudos do Lazer (GEL). In: UVINHA, Ricardo R. (Org.). Lazer no Brasil: grupos de pesquisa e associações temáticas. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018. v. 1, p. 224-239.

PINTO, L. M. M.; PIMENTEL, G. G. A. O lugar da recreação nos GTTs do CONBRACE: relações e tensões. In: LARA, L. M. (Org.). Ciências do esporte, educação física e produção do conhecimento em 40 anos de CBCE. Ijuí: Edunijuí, 2020.

POETA, L. S.; DUARTE, M. F. S.; CARAMELLI, B. et al. Efeitos do exercício físico e da orientação nutricional no perfil de risco cardiovascular de crianças obesas. Rev. assoc. med. bras., v. 59, n. 1, p. 56-63, 2013.

SIMÕES JUNIOR, J. S.; COSTA, R. M. A. A construção do brinquedo terapêutico: subsídios para o cuidar em enfermagem pediátrica. R. pesq.: cuid. fundam. online, v. 2, (Ed. Supl.), p. 728-731, out./dez. 2010.

SMOUTER, L.; OLIVEIRA, A. A. Propósitos pedagógicos da educação física nos anos iniciais do ensino fundamental: aula de educação física é recreação, mas não só. Educação Física em Revista, v. 9, n. 3, p. 44-55, 2015.

TSCHOKE, A. Da recreação e lazer para o lazer e sociedade: as maneiras de fazer acadêmico no campo do lazer ligadas a área da Educação Física. 2016. 198 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

VECTORE, C. O brincar e a intervenção mediacional na formação continuada de professores de educação infantil. Psicologia USP, v. 14, n. 3, p. 105-131, 2003.

VIEIRA, L. J. E. S. et al. O lúdico na prevenção de acidentes em crianças de 4 a 6 anos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, v. 18, n. 2, p. 78-84, 2005.

VOSGERAU, D. S. R.; ORLANDO, E. de A.; MEYER, P. Produtivismo acadêmico e suas repercussões no desenvolvimento profissional de professores universitários. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 138, p. 231-247, 2017.

Downloads

Publicado

2020-05-20

Como Citar

PIMENTEL, G. G. de A., & AWAD, H. Z. A. (2020). Usos e significados da recreação na produção acadêmica. Revista De Educação Pública, 29(jan/dez). https://doi.org/10.29286/rep.v29ijan/dez.10062