A PRÁTICA DO KENDŌ COMO UMA POSSIBILIDADE DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO

Autores

  • Natalia Lopes Moreno Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Paula Regina Pimentel Winiawer Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, São Paulo, Brasil
  • Mariana Harumi Cruz Tsukamoto Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Palavras-chave:

Kendō; Artes Marciais; Envelhecimento; Autonomia

Resumo

É de conhecimento comum que o envelhecimento faz parte dos processos naturais da vida, o número de idosos tem crescido na população e tem chamado atenção das políticas públicas de saúde. Para atingir as necessidades deste público faz-se necessário a oferta de práticas inclusivas. Uma possibilidade de prática que trabalha os aspectos físicos, emocionais, mentais, psicológicos e espirituais são as artes marciais. O Kendō é a uma das modernas disciplinas do budō, que consiste na prática da esgrima japonesa, baseada em técnicas samurais de combate. O objetivo do presente texto é apresentar as principais características do Kendō e como a sua prática pode promover o envelhecimento ativo. Alguns conceitos gerontológicos foram levantados ao longo do texto como autonomia, dependência, geratividade, qualidade de vida, life span, envelhecimento ativo e bem-estar subjetivo, e foi possível observar as relações entre o kendoka idoso e as contribuições desta prática para o desenvolvimento nessa fase da vida.

Referências

ALL JAPAN KENDO FEDERATION. Japanese-english dictionary of kendo. 2. ed. Tokyo, Japan: All Japan Kendo Federation, 2011a.

ALL JAPAN KENDO FEDERATION. The official guide for kendo instruction. Tokyo: All Japan Kendo Federation, 2011b.

BERMAN, Harry. Generativity and transference heroics. Journal of aging studies, v. 9, n. 1, p. 5-11, 1995.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BRASIL, Ministério da Saúde. Glossário temático: promoção da saúde. 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/glossario_tematico_promocao_saude.pdf> Acesso em: 30 set. 2020.

CAMARA, Fabiano Marques e colaboradores. Educação física na promoção da saúde: para além da prevenção multicausal. Revista mackenzie de educação física e esporte, v. 9, n. 2, p. 101-110, 2010.

CYNARSKI, Wojciech J. The philosophy of martial arts–the example of the concept of Ido. AUC Kinanthropologica, v. 53, n. 2, p. 95-106, 2017.

DEBERT, Guita Grin. A construção e a reconstrução da velhice: família, classe social e etnicidade. In: NERI, Anita Liberalesso, DEBERT, Guita Grin. Velhice e sociedade. Campinas, SP: Papirus, 1999.

DIENER, Ed; SANDVIK, Ed; PAVOT, William. Happiness is the frequency, not the intensity, of positive versus negative affect. In: DIENER, Ed (Edit.). Assessing well-being: the collected Works of Ed Diener. Springer, Dordrecht, 2009.

FERNANDES, Maria das Graças Melo; LOUREIRO, Lara de Sá Neves. Memória e história oral: a arte de recriar o passado de idosos. A terceira idade, v. 20, n. 45, p. 53-66, jun., 2019.

FERREIRA, Marilaine Matos de Menezes e colaboradores. A velhice: olhares das pessoas idosas e seus familiares. 2019. 174f. Tese (Doutorado em em Família na Sociedade Contemporânea). Universidade Católica de Salvador, Salvador, BA, 2019.

FREITAS, Elizabete Viana e colaboradores. Tratado de geriatria e gerontologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

GIACOMONI, Claudia Hofheinz. Bem-estar subjetivo: em busca da qualidade de vida. Temas em psicologia, v. 12, n. 1, p. 43-50, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Projeção da População. 2018. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9109-projecao-da-populacao.html?=&t=resultados>. Acesso em: 12. set. 2020.

JUNGES, José Roque. Uma leitura crítica da situação do idoso no atual contexto sociocultural. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, v. 6, p. 123-144, 2004.

KESSEL, Zilda. Lembrar, contar, compartilhar: a memória como caminho para o diálogo intergeracional. A terceira idade, v. 15, n. 30, p. 52-63, 2004.

MARQUES, Bruna Gabriela. Autocuidado, atividade física e envelhecer: saberes e olhares nas vozes poéticas do Jardim Rincão. 2017. 209f. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade São Judas Tadeu, USJT, São Paulo, SP, 2017.

MATSUNAGA, Hikaru e colaboradores. Budo: the martial ways of Japan. Tokyo, Japan: Nippon Budokan, 2009.

MENDONÇA, Dário Lucas Costa de. Avaliação da qualidade de vida dos idosos lutadores de Kendô. 2017. 72f. Dissertação (Mestrado em Ortopedia e Traumatologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

MIRANDA, Maria Luiza de Jesus; GODELI, Maria Regina C. Souza. Música, atividade física e bem-estar psicológico em idosos. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 11, n. 4, p. 87-94, 2008.

NAKIRI, Fuminori. Concept of budo and the history and activities of the Japanese Academy of Budo. Ido Movement For Culture. Journal of martial arts anthropology, v. 15, n. 1, p. 11-25, 2015.

NERI, Anita Liberalesso. Palavras-chave em gerontologia. 4. ed. Campinas, SP: Editora Alínea. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial de envelhecimento e saúde. 2015. Disponível em: <http://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2017.

______. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. 2005. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2017.

SASAKI, Taketo. Budo (the Martial Arts) as Japanese Culture -The Outlook on the Techniques and the Outlook on the Human Being. Arch Budo, 2008. 4: 46-49. Disponível em: <http://archbudo.com/view/abstract/id/10691>. Acesso em: 10 abr. 2019.

SYLVESTER, Katherine. Negotiating kendo capital and gendered identity in a japanese sports University Kendo Club. 2015. 29f. Tese (PhD Thesis). Victoria University, Melbourne, Australian, 2015.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Moreno, N. L., Winiawer, P. R. P. ., & Tsukamoto, M. H. C. . (2020). A PRÁTICA DO KENDŌ COMO UMA POSSIBILIDADE DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO. Corpoconsciência, 24(3), 143-155. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/11385

Edição

Seção

Seção Temática - ENVELHECIMENTO E LONGEVIDADE: COMO MANTER A AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA DE PESSOAS IDOSAS