A Educação Ambiental e o pós-colonialismo

Martha TRISTÃO

Resumo


A pretensão deste ensaio é compreender o impacto da dominação epistemológica e cultural à Educação Ambiental, as influências da teoria pós-colonialista ou pós-colonial na formação de configurações sociais, culturais e ambientais em face à globalização. Em que medida escolas/comunidades inseridas no contexto da globalização criam emergências e resistências favoráveis ao intercâmbio, às trocas e ao compartilhamento com saberes populares de práticas sustentáveis? Constituem-se como problemática das pesquisas em Educação Ambiental cartografar os lugares praticados dos sujeitos/comunidades/escolas, suas experiências e práticas sustentáveis invisibilizadas numa articulação de saberes escolas e comunidades. Esse ativismo transfronteiriço da Educação Ambiental permite compreender como um contexto potencializa o outro.

 

Palavras-chave: Pós-colonialismo. Culturas. Práticas Sustentáveis. Narrativas.


Palavras-chave


Pós-colonialismo. Culturas. Práticas Sustentáveis. Narrativas.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, M. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. 4. ed. São Paulo: Papirus, 1994.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

HALL, Stuart. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

______. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Ofício das Paneleiras de Goiabeiras. Brasília, DF: Iphan, 2006.

MEIRA, P. . Crisis ambiental y globalización: una lectura para educadores ambientales em um mundo insostenible. Trayetorias Revista de Ciências Sociales de La universidade autônoma de Nuevo León, Mexico, n. 20-21, enero-agosto 2006.

MORIN, E. O Método 2 – a vida da vida. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2002.

______. O Método 5 – a humanidade da humanidade: a identidade humana. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

______. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

TRISTÃO, M. Educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. São Paulo: Annablume, 2004.

______. A educação ambiental e o paradigma da sustentabilidade em tempos de globalização In: GUERRA, A. F.; FIGUEIREDO, M. L. Sustentabilidades em diálogos. Itajaí: Editora da Univali, 2010. p. 157-172.




DOI: http://dx.doi.org/10.29286/rep.v23i53/2.1748

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


     
 
 

Fontes de Indexação:

        
 
 
 
R. Educ. Públ. Cuiabá:UFMT. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367, Boa Esperança. Cuiabá-MT, Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, sala 02 térreo.. CEP: 78.060-900 – Telefone: (65) 3615-8466. Homepage: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica; E-Mail: rep@ufmt.br
 
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License
 
 
 

 

contador de visitantes Acessos

Design e editoração eletônica