Concepções e práticas socioambientais: o que pensam estudantes universitários brasileiros e portugueses

Nelma BALDIN, Cristina ALBUQUERQUE

Resumo


O artigo discute os fundamentos apontados por estudantes universitários, num estudo aplicado na Universidade da Região de Joinville – Univille (Brasil) e na Universidade de Coimbra (Portugal). A pesquisa analisou as concepções e as práticas ambientais e socioculturais dos estudantes, representantes estudantis, entrevistados no Brasil e em Portugal. As manifestações transcorreram sobre os domínios da ética, da sustentabilidade socioambiental e da política, considerandose as contradições possíveis entre os dois países. A partir de uma discussão crítica da noção de cidadania ecológica que transpareceu nas falas desses estudantes, analisou-se as dimensões da conscientização e da responsabilidade individual ou coletiva no domínio socioambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, António. Educação Ambiental. A importância da dimensão ética.

Lisboa: Livros Horizonte Ltda., 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.

BELL, Derek. Liberal Environmental Citizenship. Environmental Politics,

Oxfordshire, UK, 14 (2), p. 179-194, 2005.

BOWERS, Chet. Challenges in educating for ecologically sustainable

communities. Educational Philosophy and Theory, London, UK, n. 33 (2),

p. 257-265, 2001.

BRUNDTLAND, Gro Harlem. Nosso futuro em comum. Discurso/Relatório

da Ex-Primeira Ministra da Noruega. Pronunciado na 51 World Health

Meeting. Genebra, 13 de maio de 1998. Disponível em:

doc/12906958/Relatorio-Brundtland-Nosso-Futuro-Comum-Em-Portugues>.

Acesso em: 10 jun. 2012.

BRUYNE, P. Dinâmica da pesquisa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro:

Francisco Alves, 1991.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix, 1986.

CARSON, Rachel. Silent Spring. Boston: Houghton Mifflin, 1962.

CHRISTOFF, Peter. Ecological Citizens and Ecologically guided Democracy.

In: BRIAN, Doherty; GEUS, Marius. Democracy and Green Political

Thought. Sustainability, Rights and Citizenship. Londres: Routledge, 1996.

p. 151-169.

CONNELLY, James. The Virtues of Environmental Citizenship. In: CRANE,

G. Andrew. Cultural Heritage Digital Libraries: Needs and Components.

Apresentação Oral em: European Conference on Digital Libraries (ECDL),

Roma, 2006.

CURTIN, Deane. Ecological Citizenship. In: ISIN, Engin; TURNER, Bryan

S. Handbook of Citizenship Studies. Londres: Sage, 2002. p. 293-304.

DEAN, Hartley. Green Citizenship.Social Policy and Administration,

London, UK, n.35 (5), p. 490-505, 2001.

DOBSON, Andrew. Citizenship and the Environment. Oxford: Oxford

University Press, 2003.

EHRLICH, Paul; EHRLICH, Anne. One with Nineveh. Politics,

Consumption and the Human Future. Washington: Island Press, 2004.

ETCHEGOYEN, Alain. A era dos responsáveis. Linda-a-Velha, Portugal:

Difel Editora, 1995.

FIORILLO, Celso A. P. Curso de direito ambiental brasileiro. 7. ed. rev.

atual. e ampl. São Paulo: Saraiva Ed., 2006.

HAILWOOD, Simon. Environmental Citizenship as Reasonable Citizenship.

Environmental Politics, Oxfordshire, UK14 (2), p. 195-210, 2005.

JONAS, Hans. El Principio de Responsabilidad. Ensayo de una ética para la

civilización tecnológica. Barcelona: Editorial Herder, 1995. (1. ed. 1979).

KOLSTO, Stein Dankert. Scientific literacy for citizenship: tolos for dealing

with controversial socio-scientific issues. Science Education, London (UK),

(3), p. 291-310, 2001.

LAYRARGUES, Ph. P. A resolução de problemas ambientais locais deve ser

um tema gerador ou a atividade - fim da educação ambiental? In: REIGOTA,

M. (Org.). Verde Cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro:

DP&A Editora, 1999.

LEFF, Enrique. Ecologia, capital e cultura: racionalidade ambiental,

democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Blumenau: Editora da

FURB, 2000.

LISBOA, Cristiane Kleba; BARROS, Mirian V. Fernandes. A pegada ecológica

como instrumento de avaliação ambiental para a cidade de Londrina. Confins

– Revista Franco-brasileira de Geografia, Paris, São Paulo, n. 8, 2010.

LUQUE, Emilio. Researching Environmental Citizenship and its Publics.

Environmental Politics. Kentucky (USA): Routledge, 14 (2), p. 212-225, 2005.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2004.

MINAYO, M. C. de Souza. (Org) et al. Pesquisa Social – teoria, método e

criatividade. 25. ed. revista e atualizada. Petrópolis: Vozes, 2007.

MOTTA, Maude Nancy Joslin. O exercício da cidadania no direito ambiental.

In: VARELLA, Marcelo Dias; BORGES, R. Cardoso Brasileiro. (Org.). O novo

em direito ambiental. Belo Horizonte: Del Rey, 1998.

NAVE, J.G.; FONSECA,S.. Entre a cultura ambiental e o efeito Nimby. As

várias faces de uma cidadania para o ambiente! In: ALMEIDA, J.F. (Org.).

Os portugueses e o ambiente. II Inquérito Nacional às representações e práticas

dos portugueses sobre o ambiente. Lisboa: Celta Editora, 2004. p. 237-335.

PASSMORE, John. Man’s Responsibility for Nature. London: Gerald

Duckworth, 1974.

PEREZ, José Gutiérrez. La Educación Ambiental. Fundamentos teoricos,

propuestas de transversalidad y orientaciones extracurriculares. Madrid:

Ediciones La Muralla, 1995.

ROBOTTOM, Ian. (Org.). Environmental Education: Practice and

Possibility. Melbourn, Victoria (Australia): Deak in University Press, 1987.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de

Janeiro: Garamond, 2002. (Coleção Ideias Sustentáveis).

SÁIZ, A. Valencia; DOBSON, Andrew. Citizenship, Environment, Economy.

London: Routledge, 2005.

SANTOS, Boaventura Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura

política. Porto: Edições Afrontamento, 2006. (Coleção Para um novo senso

comum. A ciência, o direito e a política na transição paradigmática, v. 4).

SANTOS, Saint-Clair H. Direito Ambiental – Unidades de Conservação,

limitações administrativas. 5. tir. Curitiba: Juruá, 2007.

SILVEIRA, Patrícia A. da. Competência ambiental. 1. ed. 2. tir. Curitiba:

Juruá, 2003.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 5. ed. São Paulo:

Malheiros, 2004.

SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. Atual. Nagib Slaibi Filho e Gláucia

Carvalho. 26. ed. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2005.

SMART, Barry. A Pós-Modernidade. Lisboa: Publicações Europa-América, 1997.

SMITH, Mark. Ecologism. Towards Ecological Citizen ship.

Buckingham: Milton Keynes; Open University Press, 1998.

SOROMENHO-MARQUES, Viriato. O Futuro frágil. Os desafios da

crise global do ambiente. Lisboa: Mem-Martins; Publicações Europa-

América, 1998.

STEVENSON, Robert B. Schooling and environmental education.

Contradictions in purpose and practice. In: ROBOTTOM, Ian. (Org.). Environmental Education: Practice and Possibility. Melbourn, Victoria

(Australia): Deakin University Press, 1987. p. 69-82.

VAN BELLEN, H. M. Indicadores de Sustentabilidade: uma análise

comparativa. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)- Universidade

Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2002. 250 f.




DOI: http://dx.doi.org/10.29286/rep.v22i51.1264

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


     
 
 

Fontes de Indexação:

        
 
 
 
R. Educ. Públ. Cuiabá:UFMT. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367, Boa Esperança. Cuiabá-MT, Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, sala 02 térreo.. CEP: 78.060-900 – Telefone: (65) 3615-8466. Homepage: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica; E-Mail: rep@ufmt.br
 
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License
 
 
 

 

contador de visitantes Acessos

Design e editoração eletônica