Correlação entre equilíbrio emocional e vulnerabilidade às IST/AIDS num estudo sobre desempenho escolar com adolescentes

Autores

DOI:

10.29286/rep.v28i69.7896

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Educação em Saúde, Teste de desempenho escolar, Qualidade de vida

Resumo

Neste artigo, buscou-se analisar possíveis relações entre vulnerabilidade às IST/AIDS e indicadores de qualidade de vida para estudantes do ensino médio. Foi construído e validado um questionário inspirado em Questões Sociocientíficas sobre vulnerabilidade às IST e adaptado também um questionário sobre qualidade de vida já validado. O formulário foi aplicado a 103 alunos do 3º ano do ensino médio de três escolas da rede estadual de educação de Aracaju. Constatou-se que a qualidade de vida, de maneira geral, não interfere na manifestação de comportamentos vulneráveis, contudo, uma importante correlação entre a qualidade de vida psicológica e a vulnerabilidade foi identificada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Messias Santos ALVES, Universidade Federal de Sergipe

Doutorando em Educação (PPGED/UFS); Mestre em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIMA/UFS); Bacharel em Enfermagem, pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - AGES; Licenciado em Ciências Biológicas, pela Faculdade Capixaba de Nova Venécia - UNIVEN; Especialista em Saúde da Família, pela Universidade Federal de Pelotas - UFPEL; Especialista em Ensino de Biologia, pela Universidade Candido Mendes - UCAM; Especialista em Enfermagem do Trabalho, pela Universidade Candido Mendes - UCAM; Especialista em Gestão em Saúde Pública, pela Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF; Integrante do Grupo de Pesquisa Educação Matemática e Ensino de Ciências (GPEMEC/UFS) - CNPq; Atualmente está como Professor Colaborador no Departamento de Biologia da Universidade Federal de Sergipe (DBI/UFS).

Alice Alexandre PAGAN, Universidade Federal de Sergipe

Professora associada II, do Departamento de Biologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Licenciada em Ciências Biológicas pela UNEMAT (2002); Mestre em Educação, pela UFMT (2004) e Doutora em Educação, área: Ensino de Ciências e Matemática, pela USP (2009). Atuou na Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso. Concluiu estágio junto ao Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho, em Portugal (2007). E no Centro de Educação Científica e Tecnológica da Universidade Kwazulu-Natal em Durban, na África do Sul (2015).

Referências

ALBUQUERQUE, M. O.; HERMSDORF, I. A. M.; SILVA, M. V. Prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) em adolescentes residentes em uma instituição de acolhimento localizado na cidade de Praia Grande-SP. In: VI Mostra de Trabalhos Acadêmicos – UNILUS, 2012, Santos-SP: Centro Universitário Lusíada (UNILUS), v. 10, n. 20, 2013.

AMORAS, B. C.; CAMPOS, A. R.; BESERRA, E. P. Reflexões sobre vulnerabilidade dos adolescentes a infecções sexualmente transmissíveis. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Macapá, v. 8, n. 1, p. 163-171, jan./jun., 2015.

ANGELIM, R. C. M. et al. Avaliação da qualidade de vida por meio do whoqol: análise bibliométrica da produção de enfermagem. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 29, n. 4, p. 400-410, out./dez. 2015.

AYRES, J. R. C. M. et al. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003. p. 117-139.

AYRES, J. R.; PAIVA, V.; JÚNIOR, I. F. Conceitos e práticas de prevenção: da história natural da doença ao quadro da vulnerabilidade e direitos humanos. In: PAIVA, V.; AYRES, J. R.; BUCHALLA, C. M. Vulnerabilidade e direitos humanos. Curitiba: Editora Juruá, 2012. p. 71-94.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016. 279 p.

BESERRA, E. P. et al. Adolescência e vulnerabilidade às doenças sexualmente transmissíveis: uma pesquisa documental. DST – J. Bras. Doenças. Sex. Transm., Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 32-35, 2008.

BORGES, A. L. V.; NICHIATA, L. Y. I.; SCHOR, N. Conversando sobre sexo: a rede sociofamiliar como base de promoção da saúde sexual e reprodutiva de adolescentes. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto-SP, v. 14, n. 3, p. 422-427, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico - Aids e DST. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 64 p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2016/boletim-epidemiologico-de-aids-2016. Acesso em: 02 fev. 2018.

CUNHA, C. O desempenho escolar em ciências e o pluralismo epistemológico: a elaboração de questões do eixo temático “vida e ambiente”. 2015. 115 p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão-SE, 2015.

FIDELIX, Y. L. et al. Insatisfação com a imagem corporal em adolescentes de uma cidade de pequeno porte: associação com sexo, idade e zona de domicílio. Rev. Bras. Cineantropometria Desempenho Humano, Florianópolis-SC, v. 13, n. 3, p. 202-207, 2011.

FLECK, M. P. A. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 178-83, 2000.

FLECK, M. P. A et al. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 198-205, 1999.

GONÇALVES, A.; CARVALHO, S. G. Diferenças de estilos de vida entre populações jovens de meio rural (Boticas) e de meio urbano (Braga). Braga: Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho, 2007. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/6693. Acesso em: 19 dez. 2016.

JESUS, E. M. S. Desenvolvimento e validação de conteúdo de um instrumento para avaliação da assistência farmacêutica em hospitais de Sergipe. 2013. 152 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão-SE, 2013.

MANN, J.; TARANTOLA, D. J. M.; NETTER, T. Como avaliar a vulnerabilidade à infeção pelo HIV e AIDS. In: PARKER, R. A AIDS no mundo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993. p. 276-300.

MARTINS, L. B. M. et al. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao desconhecimento sobre DST/AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas do município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 315-323, 2006.

MÜLLER, M. R.; GUIMARÃES, S. S. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 4, out./dez., 2007.

NERI, A. L. Qualidade de vida e idade madura. 7. ed. Campinas, SP: Papirus, 2007.

OLIVEIRA, D. C. et al. Conhecimentos e práticas de adolescentes acerca das DST/HIV/AIDS em duas escolas públicas municipais do Rio de Janeiro. Esc. Anna Nery Rev. Enferm., Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 833-41, out./dez. 2009.

OLIVEIRA, S. H. S.; DIAS, M. R.; SILVA, M. I. T. Adolescentes e AIDS: Fatores que influenciam a intenção de uso do preservativo. DST – J. Bras. Doenças. Sex. Transm., Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 32-38, 2005.

PAGAN, A. A. Ser (animal) humano: evolucionismo e criacionismo nas concepções de alguns graduandos em Ciências Biológicas. 2009. 228 p. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

PAREDES, E. C.; PAGAN, A. A.; CÂNDIDO, M. E. A. L. AIDS: o que têm a dizer alunos e professores da rede pública de ensino cuiabana. 1. ed. Cuiabá: EdUFMT, FAPEMAT, 2006. 318 p.

PASSOS, M. R. L. Doenças Sexualmente Transmissíveis: se educar, dá para evitar. 2. ed. Rio de Janeiro: REVINTER, 2001.

ROUQUEIROL, M. Z.; FAÇANHA, M. C.; VERAS, F. M. F. Aspectos Epidemiológicos das doenças transmissíveis. In: ROUQUEIROL, M. Z.; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia & Saúde. 6. ed. Fortaleza: Medsi, 2003.

SANTOS, S. C. Desenvolvimento de um instrumento para documentar a prática da dispensação de medicamentos prescritos. 2018. 108 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Farmacêuticas) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão-SE, 2018.

SELENE, M. R. Incontinência urinária: um problema de social de saúde pública. 2006. 243 p. Tese (Doutorado em Filosofia e Ciências Humanas) – Escola de Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SILVA, M. L. M. et al. Indicadores de risco associados à qualidade de vida de escolares de uma comunidade vulnerável do sul do Brasil. Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 163-171, 2013.

SOBRAL, M. E. et al. Avaliação da qualidade de vida de adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Rev. Bras. Promoç. Saúde, Fortaleza, v. 28, n. 4, p. 568-577, out./dez., 2015.

TAQUETTE, S. R.; VILHENA, M. M.; PAULA, M. C. Doenças sexualmente transmissíveis e gênero: um estudo transversal com adolescestes no Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 282-290, 2004.

WESTMORELAND, D. et al. Consensual Validation of clinical practice model guidelines. J. Nurs. Care Quality, Filadélfia, v. 14, n. 4, p. 16-27, 2000.

Downloads

Publicado

2019-09-25

Como Citar

ALVES, M. M. S.; PAGAN, A. A. Correlação entre equilíbrio emocional e vulnerabilidade às IST/AIDS num estudo sobre desempenho escolar com adolescentes. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 28, n. 69, p. 793–819, 2019. DOI: 10.29286/rep.v28i69.7896. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/7896. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências e Matemática