Ori, Ooni: Etnografando o Inusitado em Ilê Ifé, Nigéria

Autores

Resumo

Relatamos episódios de uma pesquisa na Nigéria que mostram quão inusitada uma experiência etnográfica pode ser. Hospedadas no Palácio do Ooni de Ifé, as pesquisadoras acompanharam o Rei em sua intensa agenda social. Para o tema da pesquisa, Ori, o Rei ordenou que os babalaôs da corte recebessem as pesquisadoras. Deste relato fora do ordinário, o artigo enfatiza o potencial etnografável de qualquer trabalho de campo – não há como distinguir pesquisa de campo do resultado do campo. 

Biografia do Autor

Deborah de Magalhães Lima, PPGAN, Universidade Federal de Minas Gerais

Programa de Pós-Graduação em Antropologia

Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

EVANS-PRITCHARD, E. E. Apêndice IV, Algumas reminiscências e reflexões sobre o trabalho de campo. In: Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro, Jorge Zahar. 2005.

GEERTZ, Clifford. Uma Descrição Densa: Por Uma Teoria Interpretativa da cultura. In: A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. p. 3-21.

MALINOWSKI, B. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo, Abril Cultural. 1979.

SEEGER, Anthony (1980), SEEGER, Anthony. “Pesquisa de Campo, uma criança no mundo”. In: Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras. Rio de Janeiro, Campus, 1980. p. 25-40.

STRATHERN, M. 1999. Property, substance, and effect: anthropological essays on persons and things. London and New Brunswick, NJ, The Athlone Press.

Downloads

Publicado

2020-09-21

Edição

Seção

Dossiê Temático: Experiências de campo e localizações etnográficas