ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno <div> <p><strong>ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste</strong> é um periódico científico lotado no Departamento de Antropologia e vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Mato Grosso, que tem como propósito se constituir em um espaço permanente para o debate, a construção do conhecimento e a interlocução entre antropólogos e pesquisadores de áreas afins, do país e do exterior. Apesar de <strong>ACENO</strong> fazer referência ao Centro-Oeste, em seu título, ela não tem como único objetivo dar visibilidade a resultados de pesquisas científicas relativas às populações desta região, mas sim, se tornar um fórum que traduza a pluralidade de perspectivas teóricas e temáticas que caracterizam a antropologia na contemporaneidade. </p> <p><strong>ISSN:</strong> <strong>2358-5587</strong></p> <p><strong>Qualis 2017-2020: A2 </strong></p> <p><strong>Qualis 2013-2016: </strong>B3 Antropologia-Arqueologia/ B3 Direito/ B3 Interdisciplinar/ B4 Sociologia/ B4 Comunicação e Informação/ B5 Educação/ B5 História/ B5 Linguística e Literatura/ B5 Ciências Ambientais/ C Saúde Coletiva/ C Artes</p> <p> </p> </div> <p> </p> PPGAS/UFMT pt-BR ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2358-5587 <p style="text-align: justify;"><span style="font-size: 14px;"><span style="font-family: times new roman,times,serif;">As autoras ou autores cedem gratuita e automaticamente à <strong>Revista ACENO</strong> os direitos de reprodução e divulgação dos trabalhos publicados.</span></span></p> Expediente https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/16937 Editoria executiva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 1 4 Sumário / Table of Contents / Tabla de Contenido https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/17096 Editoria executiva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-11 2024-02-11 10 24 5 8 Editorial https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/17106 Editoria executiva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-14 2024-02-14 10 24 9 10 Umbandas matenses: espaços e lideranças umbandistas na Microrregião de Cataguases https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15297 <p>As casas de religiões de matrizes afro-brasileiras se fazem presentes em dez dos quatorze municípios que constituem a Microrregião de Cataguases, situada na Zona da Mata/MG. O presente ensaio fotográfico é produto de uma década de trabalho de campo, de visitas a terreiros e agentes autônomos que voluntariamente disponibilizam seu tempo e práticas terapêuticas, permitindo pensar na conformação de um corredor do axé.</p> Inácio Manoel Neves Frade da Cruz Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 597 608 10.48074/aceno.v10i24.15297 Arte e cultura afro-brasileira no território do Centro Espírita Pai Jeremias https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15605 <p>No processo de construção dessas imagens a técnica do abstracionismo ressalta, evidenciando a plasticidade, a beleza dos movimentos executados durante as giras de umbanda. O click para captar o movimento é essencial, único e especial, assim gera um registro fotográfico do “autor” singular. É impossível tirar outras fotografias iguais.</p> <p>A pesquisa que será desenvolvida por “autor” intitulada de<strong> (Re) existindo enquanto arte e cultura afro-brasileira no território do Centro Espírita Pai Jeremias </strong>também transita neste espaço que é religioso e se desloca como um espaço que (re) produz arte e cultura. As fotos e a pesquisa aportam neste <em>entre espaço</em> de cultura e arte afro-brasileira, e produzem um entrecruzamento de fotografia e de pesquisa. &nbsp;</p> <p><strong>Palavras- chave: fotografia, umbanda e cultura afro-brasileira&nbsp; &nbsp;</strong>&nbsp;</p> Gilda Portella Rocha Victor Hugo Melo de Moraes Copyright (c) 2023 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 609 622 10.48074/aceno.v10i24.15605 Medicalização e violação de direitos: uma cartografia sobre as diferenças nas infâncias https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/16986 <p>Nesse artigo, partilhamos reflexões suscitadas a partir do exercício prévio de cartografia de experiências teórico-metodológicas que compreendessem a criança como um sujeito de direitos, e, na contramão disso, do mapeamento da produção de um território que tem violado direitos por meio de práticas medicalizantes da infância. Para isso, realizamos um estudo cartográfico – orientado pela Psicologia Escolar e Educacional em uma perspectiva crítica –, com base no levantamento de bibliografia acadêmica publicadas na Scientific Electronic Library Online – SciELO Brasil, com os descritores medicalização e educação, no período compreendido entre 2010 e 2020; e a leitura de três dossiês sobre a medicalização no Brasil, publicados nas revistas Entreideias, Nuances e Práxis Educacional. Por meio de leituras e registros, longe de tecer um estado da arte, nos limitamos a construir pistas para compor linhas de conexão e inteligibilidade do fenômeno estudado. Nesse processo, como pistas cartográficas, delineamos: Pista 1: A medicalização nega as desigualdades sociais; Pista 2: A medicalização viola direitos e restringe a liberdade da criança; Pista 3: A medicalização produz sofrimento e exclusão da criança; e Pista 4: Em defesa da vida e por uma racionalidade não medicalizante. Esperamos, com a análise proposta, contribuir para a compreensão crítica da medicalização da educação, somando com as lutas pela garantia dos direitos das infâncias.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>: Medicalização; infância; direitos humanos.</p> Simone Vieira de Souza Lygia de Sousa Viégas Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 381 398 10.48074/aceno.v10i24.16986 Por uma corporalidade da escrita e do fazer etnográfico: a construção da subjetividade em terapias holísticas https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15104 <p>a proposta deste trabalho é discutir um conjunto de experiências terapêuticas, realizado durante trabalho de campo na cidade de Lisboa, na qual a forma de coletar e interpretar os dados esteve intrinsecamente relacionada a mudanças no corpo/corporalidade da pesquisadora. As transformações do corpo físico/mental e o desenvolvimento de narrativas oníricas se entrelaçam à construção da noção de consciência corporal típica das terapias holísticas que se tornaram famosas no ocidente a partir das décadas de 1970 e 1980. O artigo argumenta que este conceito seria interessante para relacionar estados emocionais-intelectuais a estados físicos enquanto uma forma de linguagem articulada e explicitada em termos etnográficos. Assim, a noção de bem-estar e/ou bem-viver se apresenta, antes, como um conjunto de habilidades a serem apreendidas, experimentadas e exercitadas do que como mera predisposição de sujeitos “sensíveis”.</p> Cristina Dias da Silva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 399 414 10.48074/aceno.v10i24.15104 No auditório com Georges Canguilhem: o que é a Psicologia? https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15616 <p>O artigo apresenta um debate feito por Georges Canguilhem no ensaio <em>O que é a Psicologia? </em>quando indica a (im) possibilidade de uma unificação entre psicologias que carregam diferentes ideias de homem, de formação, de cognição, desenvolvimento, saúde, socialização... Dirige-se para um debate sobre as particularidades da Psicologia como um campo epistêmico autônomo. O argumento foi encontrar no autor uma oportunidade para uma política da lembrança, que já se sabe perene. Traz essa clássica obra de Georges Canguilhem reconhecendo que a lembrança de um texto e o labor que imprime é ato de resistência numa sociedade que subtrai, sob o efeito da educação de massa, as chances de arriscar, fracassar, experimentar projetos onde a imaginação comparece em força. O artigo exercita ressonâncias imprevisíveis do evento passado, no hoje, marcado de aberturas.</p> Janaina Madeira Brito Maria Elizabeth Barros de Barros Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 415 430 10.48074/aceno.v10i24.15616 “Para nós foi feitiço, para vocês foi diabetes”: a feitiçaria no Guaporé contra a “feitiçaria capitalista” https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15597 <p>O presente artigo tem como objetivo pensar a feitiçaria a partir de um trabalho etnográfico realizado no Guaporé com o povo Makurap, de língua Tupi-Tupari. A partir das formas como o tema da feitiçaria aparece nessa região, seja como acusação entre parentes, seja como um modo de predação da jiboia, pretende-se um exercício comparativo com aquilo que Stengers e Pignarre chamam de “feitiçaria capitalista” a partir de um contraste de como operam a feitiçaria Makurap no Guaporé e o fetichismo da mercadoria tal como exposto por Marx.</p> Breno Duarte Castro Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 431 444 10.48074/aceno.v10i24.15597 Educação, cidadania, democracia e desenvolvimento: reflexões em tempos de Covid-19 na educação básica do artigo https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15636 <p>Este trabalho articula uma ponderação sobre a relação educação, cidadania, democracia e desenvolvimento nacional no pós-pandemia de Covid-19, na educação básica nacional. A revisão da literatura apresenta os aspectos de aplicação de sistemas e ferramentas tecnológicas para mitigar os impactos e/ou efeitos negativos decorrentes da interrupção das aulas presenciais nas escolas da rede pública de ensino. É um estudo qualitativo, com caráter exploratório, bibliográfico e descritivo, o qual utilizou-se de dados de pesquisas que retratam as perdas de aprendizagem e a evasão escolar que reverberam na formação cidadã dos alunos, com repercussão na sociedade democrática e no desenvolvimento do país. Retrata, assim, um contexto pós-pandêmico que expôs ainda mais as fragilidades do sistema educacional público e formal naquilo que se refere a infraestrutura, acessibilidade e qualidade do ensino para, ao final, promover uma reflexão a respeito dos possíveis desafios futuros e crescentes da educação pública após esse período de exceção.</p> Paula Keiko Iwamoto Poloni Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 445 466 10.48074/aceno.v10i24.15636 Entre o feitiço e oração na fronteira da ordem: “terríveis mulheres” amazônicas? https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15643 <p>As principais interlocutoras deste artigo são uma “curadora” e uma “puxadeira” localizadas em uma comunidade rural quilombola do município de Santarém (PA). Elas se mantêm distantes dos outros comunitários — que negativam e classificam suas práticas de cura como “macumbaria”. Fizemos uma análise situacional comparando essa categoria local com a de feitiçaria, pela qual mulheres são condenadas historicamente. Esse mecanismo limita as práticas de cura e o conhecimento botânico dessas amefricanas amazônicas. Assim, o racismo genderizado determina a notoriedade do saber, portanto, a herança das próximas gerações.</p> Majin Bootte Silva dos Santos Katiane Silva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 467 478 10.48074/aceno.v10i24.15643 “Nossa luta é pela vida”: relato de experiência de pesquisa em ambiente virtual sobre a atuação de movimentos sociais no contexto da pandemia de Covid-19 em países da América Latina https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15641 <p>O presente artigo pretende apresentar um relato da experiência sobre a pesquisa <em>“Mapeamento das ações e iniciativas digitais dos movimentos sociais de populações vulnerabilizadas para o enfrentamento da pandemia de COVID-19 no Brasil, México e Equador (2020 - 2021)”</em>. Diante da ascensão da pesquisa social na internet, o estudo fez uso da etnografia virtual para buscar as principais iniciativas encampadas digitalmente por movimentos sociais de populações indígenas e de não indígenas em contexto urbano nos três países. No relato, aborda-se a condução do estudo, resultados e produtos, com ênfase às redes estratégicas adotadas pelos movimentos sociais de acordo com suas especificidades.</p> Juliana Fernandes Kabad Flávia Thedim Costa Bueno Gustavo Correa Matta May-ek Querales Cristina Yépez Arroyo Nidilaine Dias Xavier Priscila Cardia Petra Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 479 494 10.48074/aceno.v10i24.15641 Por uma docência menor: escritas e escritos na produção de um lugar chamado “professor” https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15615 <p>O presente artigo busca conhecer o ofício docente como um processo ativo capaz de criar caminhos para a compreensão do que se passa na experiencia de professoras e professores e das inventividades que vão além de conteúdos pré-estabelecidos, formações pedagógicas ou currículos esperados. Trata-se de docência menor acontecendo que, como na literatura menor pensada por Deleuze e Guatarri (2003), é política e seu valor se faz no que está pulsando nas forças e tensões do coletivo. Como no monstruoso inseto em que se transforma Gregor Samsa na novela de Kafka, é preciso conhecer esse estranho ser que docentes se transformam ao entrarem em sala de aula, esse precário que toma espaço nesse lugar menor ocupado pelo chamado “professor”. Dessa forma, é na escrita que é possível conhecer como são produzidas docências, já que os impasses podem ser feitos, pensados, discutidos, reterritorializados a partir dessa produção. O convite, portanto, é para criação de histórias bonitas, possíveis, pensantes e reflexivas a partir de uma docência menor...</p> Mateus Dias Pedrini Maria Elizabeth Barros de Barros Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 495 506 10.48074/aceno.v10i24.15615 Candomblé Escola: uma episteme do Egbé Onigbadamu para uma pedagogia de terreiro https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15568 <p>Inscrevendo-se na literatura afrorreferenciada, o Candomblé Escola é uma pedagogia de terreiro – insurgente e encantada – que busca fortalecer os princípios fundacionais do axé e se desvencilhar de armadilhas coloniais. Portanto, apresenta-se nesse texto os aspectos fundamentais que compõe esse saber em termos de: origem, história do candomblé de Brasília e Entorno do Distrito Federal (onde se localiza o <strong>Egb</strong>é<strong> Onigbadamu </strong>, terreiro no qual foi criado o Candomblé Escola); bem como apresenta os aspectos da oralitura, memória e outros elementos que compõe e que movimenta essa episteme de terreiro.</p> Júlio Cesar de Souza Moronari Adeir Ferreira Alves Cátia Candido da Silva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 507 524 Do fascismo histórico ao microfascismo tropical: um giro conceitual https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15618 <p>O presente artigo tem por objetivo discutir as implicações da noção de fascismo no que se refere à análise de nossa atualidade, tendo em vista nosso cenário político mais recente, marcado pelas relações de ódio. Apresentaremos quatro concepções que permeiam o debate e as disputas pelo seu sentido: fascismo histórico, neofascismo telemidiático, fascismo da ambiguidade e microfascismo (tropical). Daremos mais ênfase em nossa análise ao microfascismo tropical, visando a construção de pistas teórico-metodológicas que permitam avaliar nossas práticas e o modo como investimos nossas relações sociais.</p> Lucas Donhauser Danichi Hausen Mizoguchi Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 525 540 Um feitiço sem farofa e sem vela: a insegurança alimentar como analisadora da clínica psicossocial https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15343 <p>Este recorte de pesquisa convida a ouvir ecos do oco da fome, entendendo-a como questão urgente de saúde mental, agravada na pandemia da COVID-19. Ao costurar dados de gestão da Rede de Atenção Psicossocial do município de Aracaju (SE), trechos de músicas e memórias do chão dos serviços, cultivamos um modo de ver e de intervir, realizando uma escrita como arte de (re)existência, perguntamos: pode-se produzir saúde mental coletiva sem olhar no olho da fome? Que encantarias na clínica psicossocial podem desencaminhar as fomes de alimento e de expansão da vida?</p> <p>&nbsp;</p> Chenya Valença Coutinho Michele de Freitas Faria de Vasconcelos Ana Karenina de Melo Arraes Amorim Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 541 556 10.48074/aceno.v10i24.15343 Marguerite Duras e a espessura de bruma: produção de sensíveis e memórias sem lembrança https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15928 <p>O presente manuscrito pretende abordar as múltiplas dimensões da linguagem que comparecem às obras de Marguerite Duras, e como, por meio desse hibridismo de forças constituintes sugerimos a fabricação da composição de planos de experimentação literários forjados no limite do impossível da língua — liame transformador, seu ponto de esgotamento e passagem. É aí que a obra acontece, na afirmação de uma espécie de estética de travessia, realizada através da raspagem contínua das lembranças na fabricação de uma memória em estado de brumas. Convocamos, aqui, as obras A dor (1985), O verão de 80 (1980), O amante (1984), Escrever (2021), O deslumbramento de Lol V. Stein (1986), entre outras.</p> Priscila Vescovi Fabio silva Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 557 568 10.48074/aceno.v10i24.15928 Cruzadas antigênero: uma descrição das políticas anti-trans nos discursos conservadores contemporâneos https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15642 <p>Esse artigo tem como objetivo analisar o discurso conservador em relação as cruzadas antigênero. Partimos da concepção de que esse é um fenômeno global com especificidades locais que coloca em disputa conceitos como ordem de gênero e governabilidades. As tensões criadas nas disputas ideológicas antigênero, apresentam pautas anti-trans como um dos discursos principais. Através de uma historiografia densa e de reportagens publicadas em jornais, descrevemos o contexto político atual na proposta de apresentar a construção de um imaginário social e político contemporâneo em que a linguagem, corpo, gênero e sexualidade são categorias em disputa.</p> Keo Silva Carmen Rial Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 569 584 10.48074/aceno.v10i24.15642 Banhar-se em águas limpas sem mudar a essência: uma perspectiva sobre antropologia https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/14774 <p>Este artigo tem como título Banhar-se em Águas Limpas sem mudar a essência: uma perspectiva sobre antropologia. No mesmo pretende-se uma abordagem sobre as potencialidades da antropologia, enquanto estudo ou elóquio do ser humano, na África contemporânea, isto é, como esta disciplina pode, efectivamente, contribuir para o estudo do ser humano nas diversas perspectivas, pois este homem está acometido em um subdesenvolvimento programado, ademais um empobrecimento por consequência da cobiça ou necessidade de espoliação destas economias que, numa direcção orientada, na verdade, poderiam se desenvolver e se transformar em grandes centros do mundo neoliberal. Assim, existe a necessidade de se formar um ser humano responsável para com a sua cultura, no sentido de abrir um debate multissectorial e multicultural, de uma forma permanente, de modo a revelar a sua condição e as suas potencialidades. Este antropólogo, quiçá cientista, deve conseguir incentivar a ré-apropriação do conhecimento de modo a responder os desafios locais. A metodologia é baseada na revisão bibliográfica e na hermenêutica.</p> Itélio Joana Muchisse Copyright (c) 2023 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 585 596 10.48074/aceno.v10i24.14774 Sobre feitiços e encantamentos: exercícios de criação e crítica com os modos de subjetivação no Brasil contemporâneo – apresentação ao dossiê https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/16936 <p>O feitiço é uma questão crucial para a realização da crítica da cultura por um viés materialista. Assumindo o lugar da coisa viva e pensante, os feitiços e as fantasmagorias assombraram e mobilizaram exercícios críticos, como aquele formulado por um curioso pensador alemão que partia do feitiço que sustenta uma religião sem possibilidade de expiação - o capitalismo - em busca da magia que assenta morada na linguagem. Neste dossiê convidamos pesquisadores/as a, em 2023, recolocar as inquietações formuladas por Benjamin - e por muitos outros, por muitas outras - é urgente. Sob a promessa da conectividade ilimitada, as redes sociais enfeitiçaram as subjetividades com <em>fake news</em> e teorias conspiratórias que parecem encurralar nossa experiência histórica nos becos do neofascismo vitaminado pelos algoritmos, radicalizando o sentido de uma condução coercitiva da vida social.</p> <p>Convidamos também às insurgências diante do fim da história: as redes escapam aos algoritmos e reabilitam o sentido da solidariedade, intervenções no campo da cultura e das artes nos reconectam com as urgências de nosso tempo, e experiências que apontam para cosmovisões não eurocêntricas conjuram o reencantamento do mundo para fazermos frente à barbárie. Nessas pistas, este dossiê numa perspectiva transdisciplinar, convida às insurgências ante aos feitiços fascistas em exercícios éticos e políticos - e, por certo, metodológicos - que podem ser empreendidos em busca da quebra do feitiço!</p> <p>O propósito do presente dossiê é abrir uma fenda para a apresentação de pesquisas que coloquem em análise dinâmicas contemporâneas sob o signo do feitiço e do encantamento: trabalhos que tomem o desafio de analisar: 1. as ambivalências das redes: potência e disrupção, solidariedade, amizade, redes sociais; 2. a feitiçaria fascista e os encantamentos; 3. A relações ético-estéticas na coprodução de resistências, coemergências, insurgências; 4. Subjetividades resistentes, monstras, disruptivas, desviantes, contracoloniais, desobedientes, parentescos raros. Assim, convidamos os/as diversos/as pesquisadores/as da psicologia, ciências sociais, antropologia, saúde coletiva, dentre outros/as/es na coprodução deste dossiê.</p> Marcelo Santana Ferreira Gabriel Lacerda de Resende Maria Elizabeth Barros de Barros Pablo Cardozo Roccon Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 11 16 10.48074/aceno.v10i24.16936 Feitiços e fetiches: entre encantamentos ásperos e contraencantamentos belos https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15634 <p>O presente artigo toma como plano analítico a dimensão de encantamento do fascismo, do racismo e do capitalismo. Entre feitiços e fetiches, trata de atravessar o aspecto quase mágico destas experiências econômicas e políticas que, de algum modo, insistem em habitar nosso espaço-tempo. Todavia, diante da aspereza deste maquinário, busca também insinuar a presença de outros feitiços - contraencantamentos belos que nos fazem apostar em mundos e vidas outras.</p> Danichi Hausen Mizoguchi Marcelo Santana Ferreira Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 17 30 10.48074/aceno.v10i24.15634 O que há em ti, o que resta de nós: políticas da imaginação para um país inacabado https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15798 <p>O artigo indaga o uso político e dialético das imagens no presente brasileiro. Através de um diálogo com Hito Steyerl, Walter Benjamin e com o filme "O Que Há em Ti", de Carlos Adriano (2020), procura contrapor, ao uso enfeitiçante das imagens pelo fascismo, a montagem como gesto de reencantamento de nossa imaginação histórica e política.</p> Gabriel Lacerda de Resende Pedro Felipe Moura de Araújo Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 31 46 10.48074/aceno.v10i24.15798 O feiticeiro oculto, a antropologia e a vingança entre os Jamamadi do alto Purus https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15635 <p><span style="font-weight: 400;">Diante de uma acusação de feitiçaria e da expressão do desejo de vingança, entre os Jamamadi do alto Purus, inicialmente, este artigo se pergunta pela associação com o contexto da não demarcação da Terra Indígena. Recuperando, então, narrativamente, os acontecimentos do período da pesquisa de campo em que se deram a acusação, mas também a extensão do desejo de vingança, o objetivo deste artigo é estabelecer diálogos conceituais e etnológicos que possibilitem compreender as relações mobilizadas pelos Jamamadi, bem como refletir sobre o entendimento do Estado em sua inflexão na vida indígena, também como artífice de feitiçaria e vingança, invertendo o procedimento ameríndio ao atingir os mesmos indígenas.</span></p> Hugo Ciavatta Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 47 64 10.48074/aceno.v10i24.15635 "Servir como uma semente": uma transaula em curso de derivação https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15757 <p>O eixo analítico do presente trabalho versa sobre a criação de memória no laborioso ofício da docência. Visa afirmar que uma aula se produz em gestos. O exercício de travessia e trânsito no fazer de duas professoras no encontro com os esforços de decolonialidade em uma disciplina ministrada no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, empreende-se como busca simultânea de transmissão e problematização acerca do que pode nos mover, comover e afetar, na produção da experiência de suportar e testemunhar os incômodos necessários à abertura de novos sentidos, relações e produções de conhecimento. Como fazermos de nossas dores berços de revolta coletiva? Uma aula não versa exatamente sobre o que se sabe, mas parte-se do que se pesquisa, dos problemas construídos e sustentados na inventividade do desejo, coletivamente.</p> Fernanda Spanier Amador Maria Carolina de Andrade Freitas Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 65 80 10.48074/aceno.v10i24.15757 Pulsações de luzes tênues: fantasmas e fantasmagorias assombram o presente https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15626 <p>Esse artigo visa pensar uma relação com o imaginário dos fantasmas como possibilidade de interrogação ao presente, por meio de luminosidades que podem assombrar formas imperativas de visibilidade contemporâneas. O texto aborda a concepção de fantasmagoria em Walter Benjamin e volta-se a invenções técnicas como a fotografia de fantasmas que emergiu no século XIX, para apontar uma potência estética e política do imaginário dos fantasmas como “sobrevivências” engendradas sócio-historicamente. O texto aborda a concepção de espectro em Derrida e problematiza a redução da noção de fantasma a um sentido individualista e psicologizante. As luzes tênues dos fantasmas podem assombrar e interrogar tanto um desencantamento que nos enclausura em um tempo ininterrupto da hiperconectividade, como a feitiçaria do capitalismo contemporâneo que captura inclusive capacidades de pensar e de sentir.</p> Maicon Barbosa Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 81 96 10.48074/aceno.v10i24.15626 Narrando o rolê: encantamentos das festas de rua fazendo ferver a urbe https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15669 <p>Imaginem um mundo dito apenas por meio de verbos e advérbios, sem<br>concessões a adjetivos e muito menos aos ensimesmados substantivos: realidade feita de<br>acontecimentos em relações de composição. Uma cidade constantemente (re)narrada<br>pelos corpos, gestos, cotidianos, edificações, ruas, relevos, clima, matérias e máquinas<br>em geral, que lhe arranjam enquanto potência acontecimental com suas possibilidades<br>de afetações e de ser afetada. Cada modulação narrativa que se agencia com esta trama<br>urbana compõe um encanto no qual coletivos emergem e imergem afirmando sentidos,<br>divisando certos acontecimentos do mundo, atribuindo-lhes valores, significados,<br>afetos, modulando possibilidades de agenciamento. Compor acontecimentos e (re)narrar<br>a urbe por meio da realização de festas nas ruas é uma estratégia contra-narrativa para<br>quebrar certos encantos e reencantar outros na qual apostamos. jean é o personagem que<br>corpografa as controvérsias das festas na composição do urbano afirmando a festa como<br>dispositivo clínico-político.</p> Mariana Gonçalves da Silva Luis Artur Costa Gabriel Vargas Bernardo Nalu Tiburi Rossi Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 97 112 10.48074/aceno.v10i24.15669 Figurações docentes: entre desobediências, sementes e desejos de potência https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15651 <p>A experiência brasileira de estratégias docentes durante a emergência da pandemia do Covid-19 e os modos de enfrentamento à escalada do ultrarreacionarismo e das práticas fascistas nas escolas foi a temática deste artigo que recolhe fragmentos dessa experiência, criando um arquivo de memória que se instalam no acaso e no instante, no agora, entendendo que a memória confere sentido às experiências. Pensa a docência em tempos de pandemia e fascismo tropical, e cria figuras outras para docentes.</p> Cristiane Bremenkamp Fabio Hebert Maria Carolina Freitas Andrade Maria Elizabeth Barros de Barros Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 113 130 10.48074/aceno.v10i24.15651 Desmantelando o lado escuro do “Cidadão de Bem”: contribuições decoloniais em tempos de bolsonarismo https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15644 <p>Esse artigo é resultado de reflexões transdisciplinares que colaboraram com uma compreensão psicossocial do bolsonarismo e da resistência a ele no Brasil. Através da análise de narrativas dispersas no cotidiano público, traçamos alguns eixos de análise-intervenção para o fenômeno da adesão a esse conservadorismo à brasileira embebido em passado, mas atravessado por uma nova semântica da política ocidental-colonial vigente. O bolsonarismo, nesse sentido, aponta para uma atmosfera psicossocial sustentada a partir de uma cisão sujeito/sociedade que produz discursos e posições autoritárias imersas em um projeto de vingança que ora parece se aproximar de sua realização. Ademais, as questões referentes as experiências emancipatórias que envolvem os marcadores de classe, gênero, raça, sexualidade e território parecem estar no bojo das reivindicações pró e contra o bolsonarismo. Apostamos, então, em uma práxis, psicossocialmente, engajada que possa assumir, a partir das matrizes históricas de resistência política dos latino-brasileiros, uma das amplas frentes anti-bolsonarista.</p> RICARDO DE CASTRO Gabriella de Souza Vieira Willian Henrique Ferreira Prates Claudia Mayorga Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 131 150 10.48074/aceno.v10i24.15644 Agonísticas cosmológicas: uma genealogia do feitiço capitalista lançado pelos militares aos povos Yanomami https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15639 <p style="font-weight: 400;"><span style="font-weight: 400;">A partir da noção nietzscheana de genealogia, mobilizada por meio da analítica foucaultiana para tratar de um campo agonístico caracterizado por duas cosmologias em embate, propomos uma análise dos discursos proferidos por representantes das forças armadas brasileiras contra os povos Yanomami. Para isso, adotamos a perspectiva de Davi Kopenawa e Bruce Albert na compreensão do feitiço capitalista.&nbsp;&nbsp;</span></p> <p><strong>Palavras-chave</strong><span style="font-weight: 400;">: Perspectivismo; Cosmologia; Feitiçaria; Jair Messias Bolsonaro (1995-); Militares.</span></p> Jésio Zamboni Pablo Ornelas Rosa Aknaton Toczek Souza Pedro Augusto Costa Bordallo Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 151 166 10.48074/aceno.v10i24.15639 Encantamento na escola: a convivência como via de cuidado em saúde mental com jovens. https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15573 <p>O propósito do artigo é compartilhar a experiência de criação do Espaço Convivência da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / Fiocruz como via de encantamento na escola. Problematizamos as ações de cuidado em saúde mental com jovens na escola ao propormos atividades artístico-culturais coletivas e abertas que rompem com o desencantamento da vida. &nbsp;As quatro experiências narradas mostraram que&nbsp;a escola que se encanta em conviver deve ser construída na encruzilhada de espaço educativo e de cuidado comprometida com a construção de caminhos capazes de transformá-la.&nbsp;</p> <p>&nbsp;&nbsp;</p> <p>&nbsp;&nbsp;</p> <p>&nbsp;&nbsp;</p> Ariadna Patricia Estevez Alvarez Gabrielle Paulanti de Melo Teixeira Gregorio Galvão de Albuquerque Simone Goulart Ribeiro Thaina de Camargo Amaral de Miranda Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 167 186 10.48074/aceno.v10i24.15573 Psicanálise, história, magia e linguagem: insurgências de modos de existir https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15630 <p style="line-height: 137%; margin-bottom: 0cm;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">O presente estudo tece suas linhas investigativas nos limiares entre magia, linguagem e psicopatologia. Tomamos fragmentos da teoria psicanalítica e o pensamento de Walter Benjamin sobre a história como fendas de aberturas de um discurso de progresso científico; este alinhado a um imenso murmúrio do determinismo biológico sobre a experiência humana relacionada ao sofrimento psíquico, excluindo as possibilidades mágicas da linguagem e do encontro. Escutamos na condição autista e na condição de ouvir vozes, como duas manifestações da experiência humana que em outro tempo já foram ligadas ao mágico e hoje sobrevive como doença, cujas experiências únicas são dissolvidas no discurso biomédico. Desta maneira desdobramos contribuições psicanalíticas de forma a pensar na autonomia e emancipação de sujeitos e de comunidades diante do fim da história.</span></span></p> André da Cunha Prado Correia Pereira Ivo Mauricio Scheffer Pedro Augusto Papini Copyright (c) 2023 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 187 200 10.48074/aceno.v10i24.15630 Impasses na Clínica Transexualizadora? O feitiço da heterocisnormatividade por meio do diagnóstico confessional https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15575 <p>Tendo como desencadeante a palestra intitulada “Eu sou o monstro que vos fala”, datada de 2019, na qual Paul B. Preciado se dirige corajosa e criticamente a uma plateia de psicanalistas franceses(as), o artigo se associa à analítica do poder de Michel Foucault para problematizar o processo diagnóstico de identidades trans, denominando-o <em>confissão diagnóstica. </em>Pré-requisito para ter acesso ao Processo Transexualizador do Sistema Único de Saúde (SUS), esse procedimento constitui um <em>dispositivo</em> não apenas de seleção de clientela como de produção de subjetividades. Nesse sentido, sua ação não se restringe à população trans e travesti que demanda transformações corporais, mas configura, correlativamente, o processo de produção de gêneros e sexualidades normalizadas – binarismo e heteronormatividade – dos(as) próprios(as) trabalhadores(as) do SUS. O escrito se encerra com alguns convites recentes a praticar o múltiplo, em lugar de meramente incensá-lo.</p> <p>&nbsp;</p> Pablo Cardozo Rocon Maria Elizabeth Barros de Barros Heliana de Barros Conde Rodrigues Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 201 218 10.48074/aceno.v10i24.15575 Enfrentamentos e dispersões: agência, força e ação política no Terecô de Codó (MA) https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15637 <p>A partir do trabalho de campo que realizamos na cidade de Codó (MA), na companhia de terecozeiros e entidades, pretendemos estender a ideia de enfrentamento às práticas cotidianas a partir da cosmologia do Terecô, religião de matriz africana. Relatos de resistência como uma dança gingada, uma gargalhada, uma vela e um feitiço são, gestualidades e práticas que fazem parte de um saber-fazer que vai para além de situações de ataque ou perseguições aos religiosos. Elas indicam, antes, movimentos possíveis, formas particulares de agência e reunião. Ao recuperar registros, escutas, vivências e memórias que escutamos junto aos terecozeiros, pretendemos explorar modos próprios de agência que complexificam as relações entre o político e o religioso, o público e o privado, o humano e o não humano.</p> Lior Zisman Zalis Conceição de Maria Teixeira Lima Martina Ahlert Copyright (c) 2023 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 219 236 10.48074/aceno.v10i24.15637 Por entre feras, escutas e encantos: práticas de formar perspectivadas pela invenção https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15721 <p>O artigo parte do encanto e encontro com o livro <em>Escute as feras</em>, de Nastassja Martin, para colocar em análise os usos dos diários de campo nas pesquisas em educação e os devires que neles ganham forma.&nbsp; É escrito por meio do encontro de três professoras, atentas aos efeitos e problematizações de uma outredade constituída nas micropolíticas de uma formação inventiva de professores. O texto se organiza pelas estações do ano para explicitar o que temos feito de nós no encontro entre universidade e escola básica. No outono, coloca-se atenção na escuta; no inverno, o foco se localiza na outredade e na heterotopia; na primavera, a dimensão autogestionária do uso do diário é analisada como dispositivo e, no verão, a escrita se encerra com uma posição ético-estética-política do trabalho com a formação inventiva e a sua posição metodológica com os diários de campo.</p> Rosimeri de Oliveira Dias Liliana Secron Pinto Ana Luiza Gonçalves Dias Mello Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 237 256 10.48074/aceno.v10i24.15721 Feitiços e Contrafeitiços da Atenção Coletiva: Bibliotecas Comunitárias e seus Dispositivos Atencionais para a Coemergência de Mundos https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15625 <p>O texto discute a atenção coletiva, a partir da Ecologia da Atenção, como dimensão de produção de regimes atencionais que enfeitiçam os mundos, condicionando a percepção, a experiência e as histórias que contamos para habitá-los. Acompanhando os modos de constituição das atividades técnicas de formação e organização de acervos de bibliotecas, localizamos feitiços que modulam a experiência de quem as frequenta em torno de modos hegemônicos de prestar atenção, promovendo o apagamento da diversidade de conhecimentos e de mundos localizados e corporificados. Apresentamos modos de funcionamento de bibliotecas comunitárias como contrafeitiços atencionais, capazes de promover a re-existência de mundos marginalizados e a heterogeneidade das relações entre bibliotecas e comunidades.</p> Celvio Derbi Casal Cleci Maraschin Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 257 272 10.48074/aceno.v10i24.15625 Refúgios, ressurgências e entre-possessões da atenção com o Maracatu de baque virado https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15610 <p>O objetivo do presente estudo é analisar a manifestação do maracatu de baque virado a partir dos estudos da atenção, considerando a dimensão coletiva e ecológica dos fenômenos atencionais. A partir de um percurso cartográfico como método de pesquisa-intervenção com o campo do maracatu – território de pesquisa habitado por uma das autoras na posição de pesquisadora-batuqueira –, analisamos algumas qualidades da atenção pensadas a partir das noções de refúgio, ressurgência e entre-possessão. Como conclusão, sugerimos que o exercício dessas diferentes qualidades atencionais são tecnologias contrafeiticeiras frente às operações de expropriação características do capitalismo-colonial.</p> Mariana Avillez Virgínia Kastrup Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 273 290 10.48074/aceno.v10i24.15610 Contracolonialismo digital como método psicanalítico: conversações, escrevivências e mídias populares https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15623 <p>Este artigo discute o enfrentamento da necropolítica e do colonialismo digital a partir de um uso contracolonial das mídias populares. Apresentamos a experiência do Portal Favelas na construção de uma rede de comunicação popular como forma de se contrapor à violência de Estado. Articulamos a noção de testemunho com uma leitura psicanalítica de políticas de reparação, tecendo uma proposta metodológica que utiliza conversações psicanalíticas e escrevivências como forma de amplificar vozes silenciadas e transmitir experiências insurgentes através de mídias comunitárias.</p> Mariana Mollica Fábio Bispo Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 291 308 10.48074/aceno.v10i24.15623 Entre “remembranças”, goles e sonhos: tateando fissuras destes tempos https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15613 <p>A partir de rupturas que a pandemia de <em>Covid-19</em> produziu em nosso cotidiano, este texto busca pensar a dimensão ético-política de olhar e transitar por trechos de fissuras da vida, pelos modos como produzimos questões e respostas para o que vivemos. Algumas imagens atravessadas pelo ser gente-aprendente-profissional na universidade se fizeram narrativas, trazendo “questões-nós” e tentativas de trânsitos por suas fissuras. Ensaiar respostas que sustentem vivas as questões se mostra como condição fundamental para a manutenção do caráter inventivo da vida face ao imperativo utilitarista-produtivista-consumista vigente.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Pandemia; Fissuras; Questões; Utilitarismo; Universidade.</p> Bruno Cerqueira Gama Edileuza Santos do Nascimento Cruz Copyright (c) 2023 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 309 324 10.48074/aceno.v10i24.15613 O mundo onírico e o fetiche do consumo: dimensões simbólicas e dispositivos culturais do capitalismo https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15614 <p>Este artigo aborda as dinâmicas materiais e culturais do capitalismo na constituição da dimensão simbólica do consumo atual. Ao explorar o conceito de fetiche e o Efeito Diderot delineamos como a publicidade atua no processo de produção de orientações culturais de consumo por meio da diferenciação e designação de significados culturais e identitários.</p> Rogéria Briglia Canuto Gláucia Briglia Canuto Roque Pinto Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 325 336 10.48074/aceno.v10i24.15614 Gingar nas Encruzilhadas: a Nação Zambêracatu (re) encantando a cidade de bits e tijolos https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15602 <p><strong>Resumo:</strong> Esse texto tem como força motriz acompanhar as imbricações entre a Nação Zambêracatu, o Maracatu da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, e a urbe, seja ela “de asfaltos e tijolos” ou midiatizada. Por meio de uma experiência etnográfica, transcorrida entre 2020-2022, apostamos no “gingar nas encruzilhadas” como ferramenta para esmiuçar os usos e (re) apropriações do espaço citadino por parte deste coletivo, de modo particular, as suas práticas miúdas, malandras e marginais que golpeiam os adversários através de malabarismos estéticos e inventivos.</p> Matheus Barbosa da Rocha Maria Teresa Nobre Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 337 352 10.48074/aceno.v10i24.15602 Silêncios que assombram: encantamentos de dois corpos nos limiares da cidade https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15581 <p>Este artigo ensaia um encontro inusitado entre personagens infames de distintas urbes brasileiras. Trata-se de uma fabulação de encantados, cujas existências acreditamos que desafiam e assombram a eficácia do planejamento de cidades que se querem modelos. Pela narração de suas histórias, não se pretende incidir mais luz sobre seus corpos, mas sustentar que – em espaços inconclusos onde o silêncio habita – torna-se possível ouvir o murmúrio da vida que se politiza sem recorrer ao alarde.</p> Elton Silva Ribeiro Lázaro Batista Luis Antonio dos Santos Baptista Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 353 366 10.48074/aceno.v10i24.15581 Entre atos, performances e identidades: a produção de modos de vida em dissidências em uma Penitenciária de Segurança Média do Espirito Santo https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/15377 <p class="CorpoA"><span lang="PT">Este artigo apresenta alguns elementos de uma narrativa de intervenção na unidade prisional capixaba exclusiva para o aprisionamento da população LGBTQIA+. O texto, discorre sobre alguns elementos desse processo, reportando-os a alguns conceitos operantes apresentados principalmente por Michael Foucault e Judith Butler. Propõe-se evidenciar a vivência LGBTQIA+ em interface com os aparelhos tecnológicos de punição e sujeição, atravessados principalmente pelo elemento da sexualidade e pela perfomatividade de gênero, sendo esse ou um dispositivo de sujeição, ou de resistência.</span></p> Ramon Pinto Valim Alexsandro Rodrigues Ana Paula Figueiredo Louzada Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 367 380 10.48074/aceno.v10i24.15377 Homens Justos: Do Patriarcado às novas masculinidades (Resenha) https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/17035 Moisés Lopes Copyright (c) 2024 ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste 2024-02-10 2024-02-10 10 24 623 628 10.48074/aceno.v10i24.17035