Paisagens psicossociais cinematográficas de uma infância trans: análise cartográfica fílmica de Tomboy

Autores

Resumo

Quando falamos em produção de subjetividades, o cinema ocupa um lugar de destaque nos agenciamentos macro e micropolíticos que nos territorializam e desterritorializam constantemente, pois, sendo composto por um contínuo entre realidade e ficção, esse dispositivo virtual se atualiza como um potente problematizador das relações que estabelecemos nos diferentes contextos sócio-histórico-políticos e culturais. Diante disso, este trabalho busca problematizar como o filme Tomboy (2011) apresenta as questões de gêneros, sexualidades, corporalidades e produção de subjetividades singulares/normativas na infância trans. Propomos, então, uma análise inspirada pela Filosofia da Diferença, pela epistemologia dos estudos de gêneros e pelos Estudos Queer visando as narrativas imagéticas, políticas, poéticas, éticas, afetivas e lúdicas das experiências e transversalidades da criança trans protagonista dessa obra cinematográfica francesa. Discutiremos a construção de corporalidade e as resistências e transgressões possíveis para uma criança que foge ao binarismo do sistema sexo/gênero e se produz em um campo possível em que os conceitos estanques de homem/masculino e mulher/feminino dificultam a expressão do desejo e construção de uma estilística da existência singular.

Biografia do Autor

Márcio Alessandro Neman do Nascimento, Universidade Federal de Rondonópolis (UFR).

Psicólogo. Doutor em Psicologia e Sociedade. Professor Adjunto do Curso de Psicologia da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR). Coordenador do Laboratório Esquizoanalista de Produção de Sujetividades e(m) Interseccionalidades (LEPSI).

Eloize Marianny Bonfim da Silva, Universidade Federal de Rondonópolis (UFR).

Graduanda em Psicologia pela UFR. Integrante do LEPSI.

Jefferson Adriã Reis, Universidade Federal de Rondonópolis (UFR).

Licenciado em Letras/Português pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT/Campus Rondonópolis). Graduando em Psicologia pela UFR. Integrante do LEPSI. Blog: www.jeffersonadriareis.com.

Jéssica Matos Cardoso, Universidade Federal de Rondonópolis (UFR).

Graduada em Psicologia pela UFR. Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFR (PPGEdu).  Integrante do LEPSI.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. Selvino José Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2006.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

______. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Trad. Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

______. Vida precária: os poderes do luto e da violência. Trad. Andreas Lieber. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

CASTAÑEDA, Marina. Comprendre l'homosexualité: des clés, des conseils pour les homosexuels, leurs familles, leurs thérapeutes. (Collection Réponses) Paris: Editions Robert Laffont, 1999.

CORNEJO, Giancarlo. Por uma pedagogia queer da amizade. Trad. Juliana Frota da Costa Coelho. Áskesis, v.4, n.1, 2015. p. 130-142. Disponível em: http://www.revistaaskesis.ufscar.br/index.php/askesis/article/view/47. Acesso em: 25 mar. 2020.

______. La guerra declarada contra el niño afeminado. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 9, Santa Catarina. Anais eletrônicos. 2010. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1278291734_ARQUIVO_giancarlocornejoFazendogenero.pdf. Acesso em: 25 mar. 2020.

CORSARO, William. Métodos etnográficos no estudo da cultura de pares e das transições iniciais na vida das crianças: diálogos com William Corsaro. In: MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida (Org.). Teoria e prática na pesquisa com crianças. São Paulo: Cortez, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Introdução: Rizoma. In: ______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v.1. Trad. Aurélio Guerra Neto. Rio de Janeiro: 34, 1995, p. 11-37.

______. O Anti-Édipo. Lisboa: Assírio & Alvim, 1996.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II: curso no Collège de France (1983-1984). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

______. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: MOTTA, Manoel Barros da. Foucault: ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense, 2006. p. 264-287.

______. O cuidado com a verdade. In: ______ Ética, sexualidade, política – Ditos e Escritos V. Organização e seleção de textos de Manuel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004a, p. 240-251.

______. Polêmica, Política e Problematizações. In: ______ Ética, sexualidade, política – Ditos e Escritos V. Organização e seleção de textos de Manuel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004b, p. 225-233.

FURLAN, Cássia Cristina; SANTOS, Patrícia Lessa dos. Futebol feminino e as barreiras do sexismo nas escolas: reflexões acerca da invisibilidade. Motriviência, Florianópolis, ano 20, n. 30, 2008. p. 28-43. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2008n30p28. Acesso em: 22. fev. 2019.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 7. ed. revisada. Petrópolis: Vozes, 2005.

HARAWAY, Donna. A partilha do sofrimento: relações instrumentais entre animais de laboratório e sua gente. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, 2011. p. 27-64.

______. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Trad. Mariza Corrêa. Cadernos Pagu. v.5. Campinas: Unicamp, 1995a, p. 07-41. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 7. mar. 2019.

______. Ciencia, cyborgs y mujeres: la reinvención de la naturaleza. Cátedra. Universitat de València - Instituto de la mujer. Madrid. 1995b.

______. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX‖. In: TOMAZ, Tadeu (org). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 37-129.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia de gênero. In: HOLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LOURO, Guacira Lopes. Corpo, escola e identidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 25, jun. 2000a. p. 59-76. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/46833. Acesso em: 12 abr. 2019.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

______. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000b.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social: reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, n. 28, 2007, p. 101-128. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-83332007000100006. Acesso em: 10. set. 2019.

______. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

MOURA, Eriberto Lessa. O futebol como área reservada masculina. In: DAOLIO, Jocimar (Org.). Futebol, cultura e sociedade. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 131-147.

NOGUEIRA, Conceição. Interseccionalidade e psicologia feminista. Salvador: Editora Devires, 2017.

OLIVEIRA, Nielmar de. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE. 2019a. Agência Brasil. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-03/mulheres-brasileiras-ainda-ganham-menos-que-os-homens-diz-ibge. Acesso em: 8 mar. 2019.

______. Pesquisa do IBGE mostra que mulher ganha menos em todas as ocupações: a diferença entre carga horária trabalhada vem diminuindo. 2019b. Agência Brasil. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-03/pesquisa-do-ibge-mostra-que-mulher-ganha-menos-em-todas-ocupacoes. Acesso em: 8 mar. 2019.

PRECIADO, Paul Beatriz. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Florianópolis: Estudos Feministas, 2011.

______. Quem defende a criança queer? Trad. Fernanda Ferreira Marcondes Nogueira. Revista Jangada, Viçosa-MG, n. 1, jan-jun. 2013. p. 96-99. Disponível em: https://www.revistajangada.ufv.br/Jangada/article/view/17. Acesso em: 18 jul. 2019.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; UFRGS, 2007.

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte: Psicologia & Sociedade, 2009. p. 166-173. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-71822009000200003

Acesso em: 12 fev. 2019.

RUBIN, Gayle. El tráfico de mujeres: notas sobre la economía política del sexo. Trad. Stella Mastrangelo. In: LAMAS, Martha (Comp.). El gênero: la construcción cultural de la diferencia sexual. 3. ed. México: Miguel Ángel Porrúa: Programa Universitario de Estudios de Género - UNAM, 2003. p. 35-96.

SCHÉRER, René; HOCQUENGHEM, Guy. Álbun sistemático de la infância. Barcelona: Anagrama, 1979.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, n. 28, Campinas: Unicamp, 2007. p. 19-54. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-83332007000100003. Acesso em: 26 fev. 2019.

SOIHET, Rachel. História, mulheres, gênero: contribuições para um debate. In: AGUIAR, Neuma (Org.). Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1997.

TOMBOY. Direção: Céline Sciamma. Produção: Bénédicte Couvreur. França: Hold Up Films, 2011, (82 min). Disponível em https://www.imdb.com/title/tt1847731/?ref_=nv_sr_2. Acesso em: 25 mar. 2020.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Florianópolis: Revista Estudos Feministas, v. 9, n. 2, 2001. p. 452-468. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200008. Acesso em: 28. jun. 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações