ESTRUTURA E DINÂMICA EM UMA FLORESTA DENSA DE TERRA FIRME, SUDESTE DO AMAPÁ, BRASIL

Autores

DOI:

10.31413/nativa.v6i0.5755

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a variação da estrutura diamétrica de uma comunidade arbórea em floresta densa de terra firme e dos principais grupos de espécies de estágios iniciais e tardios de sucessão, bem como caracterizar a estrutura vertical da floresta. Em 2016, foram inventariadas todas as árvores com DAP ≥ 10 cm e mensuradas suas alturas. Em 2017, as árvores foram reamostradas. A estrutura diamétrica foi analisada por meio do quociente “q” De Liocourt para: a comunidade, principais espécies de maior VI e os grupos ecológicos (GE). A análise da estrutura vertical da vegetação foi feita pela distribuição do número de árvores nos estratos, utilizando-se três métodos: (I) – Sanquetta (1995), (II) - Souza (1990), e (III) – Souza et al. (2003). A estrutura diamétrica da comunidade e dos GE no período avaliado foi caracterizada por árvores de pequeno porte nas menores classes de diâmetro. O Método II não trouxe bons resultados sobre o comportamento das espécies no estrato médio por apresentar fortes tendências em concentrar um maior número de indivíduos nesse estrato. Os resultados da estrutura altimétrica e diamétrica demonstraram indicativos que a exploração antrópica no passado alterou a estrutura da floresta.

Palavras-chave: espécies amazônicas, “q” De Licocourt, estratificação, incremento.

 

STRUCTURE AND DYNAMICS IN A DENSE OF TERRA FIRME FOREST, SOUTHEAST OF AMAPÁ, BRAZIL

 

ABSTRACT:

The study aimed to analyze the variation of the diameter structure of a arboreal community in a dense terra firme forest and the main groups of species of early and late stages of succession, as well as characterize the vertical structure of the forest. In 2016, all trees with DBH ≥ 10 cm were inventoried and their heights measured indirectly. In 2017, the trees were re-measured. The diametric structure was analyzed using the "q" De Liocourt quotient for: the community, major species of higher (VI) and ecological groups (EG). The analysis of the vertical structure of the vegetation was made by the distribution of the number of trees in the strata, using three methods: (I) – Sanquetta (1995), (II) - Souza (1990), and (III) – Souza et al. (2003). The diametric structure of the community and the EG during the period evaluated was characterized by small trees in the smallest diameter classes. Method II did not bring good results on the behavior of the species in the middle stratum because it presents strong tendencies to concentrate a greater number of individuals in this stratum. The results of the altimetric and diametric structure have demonstrated that antropic exploration in the past has altered the structure of the forest.

Keywords: amazonian species, “q” De Licocourt, stratification, increment.

Biografia do Autor

Ronaldo Oliveira dos Santos, Universidade do Estado do Amapá

Departamento de Engenharia Florestal, Manejo Florestal

Rubiene Neto Soares, Universidade do Estado do Amapá

Departamento de Engenharia Florestal, Tecnologia e Produção de Sementes Florestais

Bruno Costa do Rosário, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia

Departamento de Pós-Graduação em Ciências Tropicais

Robson Borges de Lima, Universidade do Estado do Amapá

Departamento de Engenharia Florestal, Manejo Florestal

Jadson Coelho de Abreu, Universidade do Estado do Amapá

Departamento de Engenharia Florestal, Manejo Florestal

Referências

ALVES JÚNIOR, F. T.; FERREIRA, R. L. C.; SILVA, J. A. A.; MARANGON, L. C.; COSTA JÚNIOR, R. F.; SILVA, S. O. Utilização do quociente de DeLiocourt na avaliação da distribuição diamétrica em Fragmentos de Floresta Ombrófila Aberta em Pernambuco. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 2, p. 307-319, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981854

AMARAL, D. D.; VIEIRA, I. C. G.; ALMEIDA, S. S.; SALOMÃO, R. P.; SILVA, A. S. L.; JARDIM, M. A. G. Checklist da flora arbórea de remanescentes florestais da região metropolitana de Belém e valor histórico dos fragmentos, Pará, Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais, Belém, v. 4, n. 3, p. 231-289, 2009.

AMARAL, R. C. C. Proposição de método multivariado de estratificação vertical em floresta natural. 2011. 43 f. Dissertação (Mestrado em Biometria e Estatística Aplicada), Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2011.

APARICIO, P. S.; SOTTA, E. D.; GUEDES, M. C.; APARÍCIO, W. C. D. S.; OLIVEIRA, L. P.; SOUZA, R. N. Níveis de regeneração natural em floresta de terra firme no Amapá Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 38, n. 4, p. 699-710, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622014000400013

ASSMANN, E. The principles of forest yield: studies in the organic production, structure, increment and yield of forest stands. Oxford: Pergamon Press, 1970. 506p.

BUDOWISK, G. Distribution of tropical american rain forest species in the light of successional processes. Turrialba, San José, v. 15, n. 1, p. 40-42, 1965.

CAMPOS, J. C. C.; RIBEIRO, J. C., COUTO, L. Emprego da distribuição diamétrica na determinação da intensidade de corte em matas naturais submetidas ao sistema de seleção. Revista Árvore, Viçosa, v. 7, n. 2, p. 110-122, 1983.

CARVALHO, F. A.; NASCIMENTO, M. T. Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de Floresta Atlântica Submontana (Silva Jardim-RJ, Brasil). Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 2, p. 327-337, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622009000200014

COLPINI, C.; SILVA, V. S. M.; SOARES, T. S.; HIGUCHI, N.; TRAVAGIN, P.; ASSUMPÇÃO, J. V. L. Incremento, ingresso e mortalidade em uma floresta de contato ombrófila aberta/estacional em Mercelândia, Estado do Mato Grosso. Acta Amazonica, Manaus, v. 40, n. 3, p. 549-556, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672010000300014

CONDÉ, T. M.; TONINI, H. Fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Densa na Amazônia Setentrional, Roraima, Brasil. Acta Amazonica, Manaus, v. 43, n. 3, p. 247-260, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672013000300002

CUBAS, R.; WATZLAWICK, L. F.; FIGUEIREDO-FILHO, A. Incremento, ingresso, mortalidade em um remanescente de Floresta Ombrófila Mista em três Barras – SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 3, p. 889-900, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509824216

CURTO, R. D. A.; SILVA, G. F.; PEZZOPANE, J. E. M.; CHICHORRO, J. F.; MÔRA, R. Métodos de estratificação vertical em Floresta Estacional Semidecidual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 643-654, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509810538

DE LIOCOURT, F. De l’amenagement dessapinières. Tradução Maria Nygren. Société Forestière de Franche-Comté et Belfort, Bulletin trimestriel, p. 396-409, 1898.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Brasília: Ed da UNB, 2003. v. 5. 68 p.

FIGUEIRO-FILHO, A.; DIAS, A. N.; STEPKA, T. F.; SAWCZUK, A. R. Crescimento, mortalidade, ingresso e distribuição diamétrica em floresta ombrófila mista. Floresta, Curitiba, v. 40, n. 4, p. 763-776, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v40i4.20328

GOMES, A. P. C.; SOUZA, A. L.; MEIRANETO, J. A. Alteração estrutural de uma área florestal explorada convencionalmente na bacia do Paraíba do Sul, MG, nos domínios de Floresta Atlântica. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 3, p. 407-417, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000300012

HIGUCHI, N.; CHAMBERS, J. Q.; SANTOS, J.; RIBEIRO, R. J.; PINTO, A. C. M.; SILVA, R. P.; ROCHA, R. M.; TRIBUZY, E. S. Carbon balance and dynamics of primary vegetation in the Central Amazon. Floresta, Curitiba, v. 34, n. 3, p. 377-384, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v34i3

IEPA_INSTITUTO DE PESQUISAS CIENTÍFICAS E TECNOLOGICAS ESTADO DO AMAPÁ. Macrodiagnóstico do estado do Amapá, primeira aproximação do ZEE. Amapá: 2008. 139p.

JARDIM, F. C. S. Mortalidade e crescimento na floresta equatorial de terra firme. Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica, Belém, v. 6, n. 2, p. 227-234, 1990.

LIMA, R. B.; APARACIO, P. S.; SILVA, W. C.; SILVA, D. A. S.; GUEDES, A. C. L. Emprego da distribuição diamétrica na predição do estado de perturbação em Floresta de Várzea, Macapá-AP. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 16; p. 1-11, 2013.

MACHADO, S. A.; FIGUEIREDO-FILHO, A. Dendrometria. 3. ed. Guapavara: Universidade Estadual do Centro-Oeste, 2014. 316p.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, Washington, v. 50, p. 85-92, 1952.

OLIVEIRA, L. C. Dinâmica de crescimento e regeneração natural de uma floresta secundária no Estado do Pará. 1995. 69 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 1995.

OLIVEIRA, L. C.; COUTO, H. T. Z.; SILVA, J. N. M.; CARVALHO, J. O. P. Efeito da exploração de madeira e tratamentos silviculturais na composição florística e diversidade de espécies em uma área de 136 ha na Floresta Nacional do Tapajós, Belterra, Pará. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 69, p. 62-76, 2005.

PAULA, A.; PAULA, A.; SILVA, A. F.; MARCO JÚNIOR, P.; SANTOS, F. A. M.; SOUZA, A. L. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma floresta estacional semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 407–423, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062004000300002

PINTO-SOBRINHO, F. D. A. P.; CHRISTO, A. G.; GUEDES-BRUNI, R. R.; SILVA, A. F. Composição florística e estrutura de um Fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Aluvial em Viçosa (MG). Floresta, Curitiba, v. 39, n. 4, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v39i4.16314

R CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing. Vienna, 2015. Disponível em: <http://www.R-project.org/>. Acesso em: 15 maio 2016.

REIS, L. P.; RUSCHEL, A. R.; SILVA, J. N. M.; REIS, P. C. M.; CARVALHO, J. O. P.; SOARES, M. H. M. Dinâmica da distribuição diamétrica de algumas espécies de Sapotaceae após exploração florestal na Amazônia Oriental. Revista de Ciências Agrárias, Belém, v. 57, n. 3, p. 234-243, 2014.

SANQUETA, C. R. Análise da estrutura vertical de florestas através do diagrama h-M. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 5, n. 1, p. 55-68, 1995. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098310

SANQUETTA, C. R., PIZATTO, W.; NETTO, S. P.; FIGUEIREDO FILHO, A.; EISFELD, R. D. L. Estrutura vertical de um Fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Centro-Sul do Paraná. Floresta, Curitiba, v. 32, n. 2, 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v32i2.2291

SANTOS, R. O.; LIMA, R. C.; LIMA, R. B.; APARÍCIO, P. S.; ABREU, J. C. Florística e estrutura de uma comunidade arbórea na floresta estadual do Amapá, Amazônia Oriental, Brasil. Nativa, Sinop, v. 5, n. esp., p. 529-539, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2318-7670.v05nespa11

SANTOS, R. O.; SOARES, R. N.; SOUZA, DANTAS, B.; ABREU, J. C.; LIMA, R. B. Processos amostrais para estimativa de parâmetros estruturais de uma floresta estuáriana no estado do Amapá. Nativa, Sinop, v. 4, n. 5, p. 308-316, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v04n05a07

SCHAAF, L. B.; FIGUEIREDO-FILHO, A.; GALVÃO, F.; SANQUETTA, C. R. Alteração na estrutura diamétrica de uma floresta ombrófila mista no período entre 1979 e 2000. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 283-295, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622006000200016

SCOLFORO, J. R.; OLIVEIRA, A. D. S.; SILVA, S. T. O manejo da vegetação nativa através de corte seletivo. In: CURSO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL, 1997, Curitiba. Tópicos de manejo florestal sustentável. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1997. 253p.

SILVA-JÚNIOR, M. C. Fitossociologia e estrutura diamétrica da Mata de Galeria da Taquara na Reserva Ecológica do IBGE, DF. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 3, p. 419-428, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000300013

SILVA, K. E.; MARTINS, S. V.; RIBEIRO, C. A. A. S.; SANTOS, N. T.; AZEVEDO, C. P. Structure of 15 hectares permanent plotsof terra firme dense forest in Central Amazon. Revista Árvore, Viçosa, v. 40, n. 4, p. 603-615, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622016000400004

SOUZA, A. L. Estrutura, dinâmica e manejo de florestas tropicais. Viçosa: UFV, 1990. 122 p. (Notas de aula).

SOUZA, D. R. D.; SOUZA, A. L. D., LEITE, H. G., YARED, J. A. G. E. C. Análise estrutural em Floresta Ombrófila Densa de terra firme não explorada, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 1, p. 75-87, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622006000100007

SOUZA, D. R.; SOUZA, A. L. Estratificação vertical em Floresta Ombrófila Densa de terra firme não explorada, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 5, p. 691-698, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000500008

SOUZA, D. R.; SOUZA, A. L.; GAMA, J. R. V.; LEITE, H. G. Emprego de análise multivariada para estratificação vertical de florestas inequiâneas. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 1, p. 59-63, 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000100008

WHITMORE, T. C. Tropical Rain Forest dynamics and its implications for management. In: GOMESPOMPA, A.; WHITMORE, T. C.; HADLEY, M. Rain forest regeneration and management. Paris: UNESCO/The Part Eenon Publishing Group, 1990. p. 67-89.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

Santos, R. O. dos, Soares, R. N., Rosário, B. C. do, Lima, R. B. de, & Abreu, J. C. de. (2018). ESTRUTURA E DINÂMICA EM UMA FLORESTA DENSA DE TERRA FIRME, SUDESTE DO AMAPÁ, BRASIL. Nativa, 6, 802–814. https://doi.org/10.31413/nativa.v6i0.5755

Edição

Seção

Engenharia Florestal / Forest Engineering

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)