GINÁSTICA LABORAL: PRERROGATIVAS PARA DISSEMINAÇÃO

Autores

  • Érika Lobo da Silva -Licenciatura e Bacharelado de Educação Física da Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO -Bacharel em Serviço Social pela Universidade Anhanguera – UNIDERP
  • Rafael Carvalho da Silva Mocarzel -Centro de Investigação, Formação, Inovação e Intervenção em Desporto da Universidade do Porto (CIFI2D) -Universidade Estácio de Sá http://orcid.org/0000-0001-9480-826X

Palavras-chave:

Ginástica Laboral, Atividade Física, Saúde do Trabalhador, Qualidade de Vida, Gestão

Resumo

A ginástica laboral como forma de manutenção da qualidade de vida dos trabalhadores busca novas formas de aplicabilidade voltadas à saúde. Tais abordagens oferecem atividades que vislumbrem melhor rendimento dos trabalhadores através de atividades físicas contribuindo na prevenção de patologias adquiridas no ambiente de trabalho. Este estudo tem intuito de analisar o índice de adesão da ginástica laboral selecionando possíveis estratégias para sua implantação. Efetuou-se uma revisão de literatura elencando artigos dentre os anos de 2013 a 2017 vinculados à base de dados Bireme-Lilacs e Scielo e elencados através das palavras chaves: atividade física, ginástica laboral, saúde do trabalhador e qualidade de vida. Concluiu-se a ginástica laboral contribui significativamente para redução do afastamento dos trabalhadores por motivos salutares contribuindo para melhoria da qualidade de vida dos participantes. Fazem-se necessárias recomendações para implantação do programa laboral visando a melhor instauração do mesmo conforme os parâmetros éticos da atividade física.

Biografia do Autor

Érika Lobo da Silva, -Licenciatura e Bacharelado de Educação Física da Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO -Bacharel em Serviço Social pela Universidade Anhanguera – UNIDERP

Docente em academias de ginástica nas cidades de Niterói e São Gonçalo com foco em aulas de grupo em prol da promoção da saúde e qualidade de vida. Atua ainda como Assistente Social nas comunidades da cidade de São Gonçalo.

Rafael Carvalho da Silva Mocarzel, -Centro de Investigação, Formação, Inovação e Intervenção em Desporto da Universidade do Porto (CIFI2D) -Universidade Estácio de Sá

Dupla nacionalidade: brasileiro e português. Doutorando em Ciências do Desporto na Universidade do Porto (UP / Portugal) onde integra o Centro de Investigação, Formação, Inovação e Intervenção em Desporto da Universidade do Porto (CIFI2D). Mestrado em Ciências da Atividade Física e Licenciatura Plena em Educação Física (UNIVERSO / Brasil). Membro da Câmara de Lutas e Artes Marciais e da Comissão de Professores de Niterói e Adjacências do CREF-1. Presidente de Honra da Associação de Kung-Fu Shaolin de Niterói (AKSN). Diretor da Federação de Kung-Fu do Estado do Rio de Janeiro (FKFERJ). Professor (Faixa Preta) em 6 estilos de Kung-Fu (Garra de Águia, Tai Chi Chuan, Shuai Jiao, Sanda/Sanshou e Wushu Moderno - Norte & Sul). É atualmente Professor do curso de Licenciatura de Educação Física presencial e EAD (UNESA) e da Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Personal Training (GAMA & SOUZA). Foi Professor do curso de Bacharel e Licenciatura de Educação Física (UNISUAM) e do curso de Bacharel em Educação Física (UNIREDENTOR). Estuda as Artes Marciais em suas diversas áreas de atuação, os Jogos Olímpicos (Olimpismo), a Filosofia e Sociologia dos Esportes tão quanto seus valores éticos, morais, estéticos e educacionais, Jogos e Recreação Lúdica, História do Desporto, Massagens e Meditações. Autor do livro "Lutas e Artes Marciais: aspectos educacionais, sociais e lúdicos" (2015) tendo sua 2a edição prevista para 2019. Recebeu 17 prêmios e/ou homenagens. Ministrou 65 cursos de curta duração (extensão). Escreveu 4 capítulos de livros. Publicou 10 artigos (nacionais e internacionais). Revisor de 9 periódicos científicos.

Referências

ACHOUR JUNIOR, Abdallah. Flexibilidade e alongamento: saúde e bem-estar. São Paulo: Manole, 2009.

ACSM. American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para testes de esforço e sua prescrição. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

CORRÊA, Thânia R. M. F. e colaboradores. Avaliação da qualidade de vida de praticantes de ginástica laboral. Medicina, v. 50, n. 1, p. 11-17, 2016.

GRANDE, Antônio J.; SILVA, Valter; PARRA, Sérgio Alencar. Efetividade da ginástica laboral na aptidão física: estudo randomizado não controlado. Einstein, v. 12, n. 1, p. 55-60, 2014.

LAUX, Rafael C. e colaboradores. Programa de ginástica laboral e a redução de atestados médicos. Revista ciencia & trabajo, v. 18, n. 56, p. 130-133, 2016.

MARTINS, Patrícia F O; ZICOLAU, Evelin A. A; BOAVENTURA, Maria F. C. Esticar as pausas na configuração do trabalho melhora a flexibilidade e a força de preensão e reduz as queixas musculoesqueléticas. Motriz, v. 21, n. 3, p. 263-273, 2015.

MCARDLE, Willian D.; KATCH, Frank I.; KATCH, Victor L. Fisiologia do exercício: nutrição, energia e desempenho humano. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

MONOSSO, Marluci e colaboradores. Comparação dos níveis de estresse e estilo de vida entre praticantes e não praticantes de ginástica laboral. Revista brasileira ciência e movimento, v. 22, n. 2, p. 65-71, 2014.

MORETTO, Anacléia F; CHESANI, Fabíola H; GRILLO, Luciane P. Sintomas osteomusculares e qualidade de vida em costureiras do município de Indaial, Santa Catarina. Fisioterapia e pesquisa, v. 24, n. 2, p. 163-168, 2017.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Qualidade de vida. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com%20_content&view=article&id=1394:qualidade-de-vida-no-trabalho&Itemid=685>. Acesso em: 09 de março de 2018a.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Saúde do trabalhador. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com%20_content&view=article&id=378:saude-do-trabalhador&Itemid=595>. Acesso em 09 de março de 2018b.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Resolução CONFEF Nº 046/2002. Intervenção do Profissional de Educação Física e respectivas competências e define os seus campos de atuação profissional. Disponível em: <http://www.confef.org.br/confef/resolucoes/82>. Acesso em: 01 de maio de 2018.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Resolução CONFEF Nº 073/2004. Dispõe sobre a Ginástica Laboral e dá outras providências. Disponível em: <https://www.confef.org.br/confef/resolucoes/127>. Acesso em: 01 de maio de 2018.

SILVA, Raquel S. B. e colaboradores. Influência de informações de saúde no estilo de vida de participantes de ginástica laboral. Revista brasileira em promoção de saúde, v. 27, n. 3, p. 406-412, 2014.

SWERTS, Fabiana. C. T. F.; ROBAZZI, Maria L. C. C. Efeitos da ginástica laboral compensatória na redução do estresse ocupacional e dor osteomuscular. Revista latino-americana de enfermagem, v. 22, n. 4, p. 629-636, 2014.

THOMAS, Jerry R; NELSON, Jack K; SILVERMAN, Stephen J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Downloads

Publicado

2019-12-09

Como Citar

Silva, Érika L. da, & Mocarzel, R. C. da S. (2019). GINÁSTICA LABORAL: PRERROGATIVAS PARA DISSEMINAÇÃO. Corpoconsciência, 23(3), 59-72. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/8224