UMA ANÁLISE FILOSÓFICA SOBRE O ESFORÇO NO ESPORTE A PARTIR DA ÉTICA DE ESPINOSA

Autores

  • Allan Victor Zampola Antonio Universidade Estadual de Campinas
  • Paulo Augusto Boccati Universidade Estadual de Campinas
  • Odilon José Roble Universidade Estadual de Campinas

DOI:

10.51283/rc.v26i2.13324

Palavras-chave:

Esporte, Esforço, Filosofia do Esporte, Afetos

Resumo

O esforço na busca pelo êxito é fator primordial no âmbito esportivo e é influenciado por diversos fatores intrínsecos e extrínsecos ao esporte e, em ambos os casos, há forte presença de questões afetivas. Benedictus Espinosa (1632-1677), em sua obra Ética, desenvolve questões sobre a afetividade. Para ele, os afetos estão diretamente associados às ações motoras e à relação entre ser humano e ambiente. Argumentamos que o esporte, por constituir um fenômeno imprevisível, contribui com a constante alteração dos afetos, gerando implicações no que se concebe por esforço. A articulação com elementos da filosofia do esporte permite ainda dialogar com aspectos da área compreendendo o esforço como integrante da chamada atitude lusória, importante para alcançar os bens intrínsecos ao esporte. Espera-se, com isso, contribuir para ampliar a discussão sobre filosofia do esporte na Educação Física brasileira e ampliar a compreensão sobre a questão do esforço no esporte.

Referências

AFONSO, José; GARGANTA, Júlio; MESQUITA, Isabel. A tomada de decisão no desporto: o papel da atenção, da antecipação e da memória. Revista brasileira cineantropometria e desempenho humano, v. 14, n. 5, p. 592-601, 2012.

ALMEIDA, Rogério Miranda de. Eros e Tânatos: a vida, a morte, o desejo. São Paulo: Loyola, 2007.

BOCCATI, Paulo Augusto; SANTOS, Samuel Ribeiro dos. Alasdair MacIntyre e a filosofia do esporte: uma discussão comparativa sobre o conceito de prática. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 44, e010521, 2022.

CAMPOS, Marcus Vinícius Simões de; ROBLE, Odilon José. Prelúdio para uma filosofia do jogo: a definição de Bernard Suits. Movimento, v. 27, p. e27075, 2021.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 6. ed. São Paulo: Ática, 2002.

______. Espinosa, uma filosofia de liberdade. São Paulo: Moderna, 1995.

CORDEIRO, Alexandre Magno e colaboradores. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do colégio brasileiro de cirurgiões, v. 34, n. 6, p. 428-431, 2007.

DEVINE, John William; LOPEZ FRIAS, Francisco Javier. Philosophy of sport: the Stanford encyclopedia of philosophy. Stanford University, USA, 2020.

EDGAR, Andrew. The philosophy of sport. The international journal of the history of sport, Cardiff, United Kingdom, v. 32, n.15, p. 1804-1807, 2015.

ESPINOZA, Benedictus. Ética. 2. ed. 8. reimp. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2018.

FEDERICI, Conrado Augusto Gandara e coladoradores. Espinosa, alegria e conhecimento em educação física. Pensar a prática, v. 17, n. 1, p. 26-38, 2014.

JESUS, Paula Bettani Mendes. Considerações acerca da noção de afeto em Espinosa. Cadernos espinosanos, n. 33, p. 161-190, 2015.

PEIXOTO JUNIOR, Carlos Augusto. Sobre o corpo-afeto em Espinosa e Winnicott. Revista epos, v. 4, n. 2, p. 1-15, 2013.

SIMON, Robert L.; TORRES, Cesar R.; HAGER, Peter F. Fair play: the ethics of sport. 4. ed. Boulder: Westview Press, USA, 2015.

SUITS, Bernard. Tricky triad: games, play, and sports. Journal of the philosophy of sport, v. 15, n. 1, p. 1-9, 1988.

SUITS, Bernard. A cigarra filosófica: a vida é um jogo? Porto, Portugal: Gradiva, 2017.

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Antonio, A. V. Z., Boccati, P. A. ., & Roble, O. J. (2022). UMA ANÁLISE FILOSÓFICA SOBRE O ESFORÇO NO ESPORTE A PARTIR DA ÉTICA DE ESPINOSA. Corpoconsciência, 26(2), 236-249. https://doi.org/10.51283/rc.v26i2.13324