Jwa: notas sobre a oscilação do sangue no corpo e no território dos Iku da Colômbia

Autores

  • Ana Milena Horta Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

A partir do trabalho etnográfico realizado com o povo Iku, da Colômbia, exploro a dinâmica do sangue, jwa, argumentando que é necessário abordar, além dos processos da construção do corpo, as manifestações desta potência vital no território, que é o corpo da Mãe universal. O sangue circula conectando opostos, ao mesmo tempo em que é composto por forças opostas. Dessa forma, ele deve ser entendido a partir de movimentos oscilatórios e não de atributos estáticos. O sangue menstrual tem uma potência que deve ser mediada pelo mamo, a mulher, e potências do território.

Biografia do Autor

Ana Milena Horta, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em antropologia pela Universidad de Los Andes, Colômbia (2003). Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS (2015), doutoranda no programa de Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Membro do NIT, Núcleo de antropologia das Sociedades indígenas e tradicionais.

Referências

ARENAS, José. Sembrando vidas. La persona I'ku y su existencia entre lo visible y lo invisible. Tese de Doutorado, Antropologia Social, Instituto de Ciências Sociais, UnB, 2016.

BAPTISTA DA SILVA, Sergio. Cosmo-ontologica Guaraní: discutindo o estatuto de “objetos” e “recursos naturais”. Revista de Arqueologia. São Paulo, v. 26, n. 1, 2013, p. 42-54.

BELAUNDE, Luísa Elvira. El recuerdo de Luna: genero, sangre y memoria entre los pueblos amazónicos. Lima, Fondo Editorial de la Facultad de Ciencias Sociales - UNMSM, 2005.

FAUSTO, Carlos, Banquete de gente: comensalidade e canibalismo na Amazônia. Revista Mana. Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, 2002, p. 7-44.

FERRO, María. Makruma. El Don Entre Los Iku de La Sierra Nevada de Santa Marta. Bogotá, Ediciones Uniandes, 2012.

LATOUR, Bruno. Nunca fuimos modernos. Buenos Aires, Siglo XXI Editores, 2007.

__________. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador, Edufba; Bauru: Edusc, 2012.

MORA, Pablo; VILLAFAÑA, Amado (Ed.). Niwi Ukumin. Imagen y pensamiento de la Sierra Nevada de Santa Marta. Bogotá, Mincultura, 2018.

OGT Organización Gonawindwa Tayrona. Jaba y jate: espacios sagrados del territorio ancestral Sierra Nevada de Santa Marta. Santa Marta, OGT, 2012.

OROZCO, José Antonio. Nabusimake, tierra de Arhuacos : monografía indígena de la Sierra Nevada de Santa Marta. Bogotá, Escuela Superior de Administración Pública, 1990.

PATERNINA, Hugo. Los pueblos indígenas de la Sierra Nevada de Santa Marta: una visión desde el cuerpo, el territorio y la enfermedad. In: VIGOYA, Mara Viveros; ARIZA, Gloria Garay (ed.). Cuerpo, diferencias y desigualdades. Bogotá, Universidad Nacional de Colombia, 1999, p. 272-296.

REICHEL DOLMATOFF, Gerardo. Los Kogui: una tribu de la Sierra Nevada de Santa Marta, Colombia. Bogotá, PROCULTURA/Nueva Biblioteca Colombiana/Editorial Presencia, 1985.

__________. Los Ika. Sierra Nevada de Santa Marta. Notas Etnográficas. 1946-1966. Bogotá, Universidad Nacional de Colombia, 1991.

STRATHERN, Marilyn. O gênero da Dádiva. Problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas, Unicamp, 2006.

SILLA, Ronaldo, CARVALHO, Isabel. Las teorías materialistas y la antropología de la religión. AVÁ Revista de antropología. Misiones, Argentina, v. 27, 2015, p. 7-25.

TARDE, Gabriel. Monadología y sociología. Buenos Aires, Editorial Cactus, [1895] 2006.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo, Cosac Naify, 2015.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Edição

Seção

Dossiê Temático: O que carrega o sangue?