Deslocamentos etnográficos: religião, raça e poder em Moçambique

Autores

  • Livia Reis UFRJ

Resumo

Tendo como base o trabalho de campo realizado junto a crentes da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Maputo, capital de Moçambique, este artigo reflete sobre alguns deslocamentos impostos ao pesquisador no decorrer do fazer etnográfico. Partindo de três diferentes estágios da pesquisa, isto é, o trabalho de campo, a definição do objeto e o tempo da escrita, demonstro como a experiência de aprendizado com jovens fiéis – comumente taxados por nossos pares antropólogos como “outro repugnante” (Harding, 1990; Coleman, 2018) – revela situações inesperadas para o próprio pesquisador, sobretudo quando inserido num fluxo transnacional, e quais os efeitos epistemológicos disso. Demonstro, ao final, o rendimento analítico trazido pela opção de apreender a “religião” em ação, não como substantivo, mas como verbo, e a importância do distanciamento do campo para que se possa perceber os diferentes sentidos de todos esses movimentos.

Biografia do Autor

Livia Reis, UFRJ

Pesquisadora de Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional. Doutora em Ciências Sociais.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexes sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

BLANES, Ruy Llera. The atheist anthropologist: believers and non-believers in anthropologial filedwork. Social Anthropology, 2006 (14): 223-234 (disponível no J-Stor).

CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, templo e mercado: organizaçãoo e marketing de um empreendimento neopentecostal. Petrópolis: Vozes; São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 1997.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: O trabalho do antropólogo. São Paulo: Editora Unesp, 2006. 222p.

CASANOVA, José. (1994), Public religion in the Modern World. Chicago: The University of Chicago Press

COLEMAN, Simon. “Zonas Fronteiriças: ética, etnografia e o cristianismo “repugnante”. Debates do Ner, v.1, n.33, 2018. pp. 271-312

CRUZ e SILVA, Teresa. Igreja Universal em Moçambique. In: ORO, Ari Pedro, CORTEN, André, DOZON, Jean-Pierre (org). Igreja Universal do Reino de Deus: os novos conquistadores da fé. São Paulo: Paulinas, 2003. pp. 123 - 135.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade III: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FRESTON, Paul . “The Universal Church of the Kingdom of God: a brazilian church finds success in Southern Africa”. Journal of Religion in Africa, 35 (1):33-65, 2005.

GIUMBELLI, Emerson. Símbolos Religiosos em controvérsias. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

GOLDMAN, Marcio. Os Tambores dos Mortos e os Tambores dos Vivos. Etnografia, Antropologia e Política em Ilhéus, Bahia. Revista de Antropologia, 46 (2): 445-476, 2004 .

GOMES, Edilaine Campo. A Era das Catedrais: a autenticidade em exibição. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

HALL, David. Lived Religion in America: Toward a History of Practice. Pinceton, Princeton University Press, 1997.

HANSEN, Thomas B. “Religion”. In: NONINI, Donald. A Companion to Urban Anthropology. London: Willey: Blackwell, 2014, p.364-380.

HARDING, Susan. “Representing fundamentalism: the problem of the repugnant cultural other”. Social Research, 58 (2): 373-393, 1991.

HARTEL, Heather A. Producing Father Baker: material and visual practices of making a saint. Material Religion, v. 2, n. 3, p. 320-349, 2006.

KAMP, Linda Van de. Violent conversion: Brasilian pentecostalism and the urban pioneering of women in Mozambique. Rochester: James Currey, 2016

MAFRA, Clara; SWATOWISKI, Claudia; SAMPAIO, Camila. O projeto pastoral de Edir Macedo: uma igreja benevolente para indivíduos ambiciosos?. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 27, n. 78, Feb. 2012.

MAGNANI, José Guilherme. De perto e de dentro. Notas para uma etnografia urbana. Revista Nrasileira de Ciências Sociais, 17 (49): 11-29, 2002.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 2ª edição. São Paulo: Loyola, 2005.

MENEZES, Renata de Castro. A dinâmica do sagrado: rituais, sociabilidade e santidade num convento do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, 2004.

MEYER, Birgit. Mediação e Imediatismo: formas sensoriais, ideologias semióticas e a questão do meio. Campos 16(2):145-164, 2015

______; MOODS, Annelies (org). Religion, Media and Public Sphere. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 2006.

MONTERO, Paula. “Religiões Públicas” ou religiões na Esfera Pública? Para uma crítica ao conceito de campo religioso de Pierre Bourdieu”. Relig.Soc., v.36, n.1, 2016, pp. 128-150.

ORTNER, Sherry. Poder e Projetos: Reflexoes sobre agência. In: GROSSI, Pilar; ECKERT, Cornelia; FRY, Peter. Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. Nova Letra Gráfica e editora. 2007.

PIERUCCI, A.F. Interesses religiosos dos sociólogos da religião. In: ORO, Ari Pedro; STEIL, Carlos Alberto (org.). Globalização e religião. Petrópolis: Vozes, 1997

SCHECHNER, Richard. 2006. “What is performance?”. In: Performance Studies: An introduccion. Second edition. New York & London: Routledge, p. 28-51.

STOLLOW, Jeremy. “Religião e Mídia: notas sobre pesquisas e direções futuras para um estudo interdisciplinar”. Religião & Sociedade [online]. 2014, vol.34, n.2, 02-11], pp. 146-160 . (disponível no scielo).

THOMAZ, Omar Ribeiro. Contextos cosmopolitas: missões católicas, burocracia colonial e a formação de Moçambique (notas de uma pesquisa em curso). In: Estudos Moçambicanos. Maputo, MZ. Centro de Estudos Africanos, 2001.

_____. “Escravos sem dono”: a experiência social dos campos de trabalho em Moçambique no período socialista. Revista de Antropologia, 51(1), pp. 177-214, 2008.

VAN WYK, Ilana. The Universal Church of the Kingdom of God in South Africa: a church of strangers. Cambridge: Cambridge University Press, 2014.

WACQUANT, Loïc. Corpo e Alma ¬ Notas Etnográficas de um Aprendiz de Boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 294 pp. 2002.

Downloads

Publicado

2020-09-21

Edição

Seção

Dossiê Temático: Experiências de campo e localizações etnográficas