Visibilidade lésbica: existência como resistência

Autores

  • Kamylla Cavalcante Taques dos Reis Mestranda em Antropologia Social Programa de Pós-graduação em Antropologia Social Universidade Federal de Mato Grosso
  • Moisés Alessandro de Souza Lopes PPGAS/ Universidade Federal de Mato Grosso http://www.ufmt.br

Resumo

Este artigo tem por objetivo desenvolver uma análise sobre a construção da saúde, políticas públicas e experiências, com foco nas mulheres lésbicas, explorando a vulnerabilidade em saúde por compreender a invisibilidade de suas demandas junto aos serviços de saúde. Para tanto, utilizamos teorias de gênero e sexualidade como subsídio teórico às proposições realizadas, bem como a compreensão das categorias de articulação visando pôr em prática a perspectiva da interseccionalidade, considerando os eixos de gênero, raça e classe social. Retomar a discussão sobre visibilidade e existência lésbica, está além da área acadêmica, envolvendo os movimentos sociais LGBTI+ e o feminismo em si, aspirando contemplar a gama de diversidade que as mulheres apresentam, levando em consideração seu contexto histórico-social e sua agência enquanto sujeito de direitos, refletindo sobre a temática e questionando o efeito das produções acadêmicas nas mudanças sociais.

Biografia do Autor

Moisés Alessandro de Souza Lopes, PPGAS/ Universidade Federal de Mato Grosso

Professor do Departamento de Antropologia do Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

BARBOSA, R.M.; FACCHINI, R. “Acesso a cuidados relativos à saúde sexual entre mulheres que fazem sexo com mulheres em São Paulo, Brasil”. Cad Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 25, sup. 2, p. 291-300, 2009.

BIROLI, F.; MIGUEL, L.F. “Gênero, raça, classe. Opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades”. Mediações, Londrina, V. 20 N. 2, P. 27-55, Jul./Dez. 2015

BRASIL. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher. Brasília, 2004.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: HIV/AIDS. Brasília, 2017.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Epidemia de Aids e outras DST. Brasília, 2007.

_______. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília, 2012.

_______. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Relatório da Oficina “Atenção Integral à Saúde de Mulheres Lésbicas e Bissexuais”. Brasília, 2014.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. (Cap. 1, pp. 17-60)

CARVALHO, S.S.; CALDERARO, F. & SOUZA, S.J. “O dispositivo “Saúde de mulheres lésbicas”. (In)visibilidade e direitos”. Psicologia Política, Vol. 13, nº 26, pp. 111 a 127, jan-ab. 2013.

CARVALHO, P.M.G. et al. “Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis por mulheres homossexuais e bissexuais: estudo descritivo”. Online Braz J Nurs. Niterói, v. 12, n. 4, p. 931-41, 2013.

CHAN, S.K.; THORNTON, L.R.; CHRONISTER, K.J, et al. “Likely female to female sexual transmission of HIV–Texas, 2012”. MMWR Morb Mortal. Atlanta, v. 63, n. 10, p. 209 - 212, 2014.

FERREIRA, B.O. et al. “Vivências de travestis no acesso ao SUS”. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 1023-1038, 2017.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I. Rio de Janeiro: Graal, 1997. 12ª ed. (Cap. 1 e 2)

GASPARETTO, V.F.; AMANCIO, H.P. “Gênero e feminismos em África. Temas, problemas e perspectivas 4 analíticas”. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), 2017, ISSN 2179-510X.

GOMES, R. et al. “Gênero, direitos sexuais e suas implicações na saúde”. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 26, n. 6, p. 1997-2005, 2018.

GUANILO, M.C.D.T.U.; TAKAHASHI, R.F.; BERTOLOZZI, M.R. “Avaliação da vulnerabilidade de mulheres às Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST e ao HIV: construção e validação de marcadores”. Rev Esc Enferm USP. São Paulo, v. 48, n. (Esp), p. 156-63, 2014.

LIONÇO, T. “Que direito à saúde para a população GLBT? Considerando direitos humanos, sexuais e reprodutivos em busca da integralidade e da equidade”. Saúde Soc. São Paulo, v. 17, n. 2, pp 11-21, junho 2008.

MACKINNON, C.A. Sexual Harassment of Working Woman: a case of sex discrimination. Yale University Press.10 de setembro de 1979.

MORA, C.M.; MONTEIRO, S. “Homoerotismo feminino, juventude e vulnerabilidade às DSTs/Aids”. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 496, set-dez, 2013.

PELÚCIO, L.; MISKOLCI, R. “A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes”. Sexualidad, Salud y Sociedad, 1: 125-157, 2009.

PISCITELLI, A. “Gênero: a história de um conceito”. In: BUARQUE DE ALMEIDA, H.; SZWAKO, J. (org.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009. pp. 116-148.

PISCITELLI, A. “Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras.” Sociedade e Cultura, V. 11, nº 2, 2008, pp. 263-274.

PISCITELLI, A. “Re-criando a categoria mulher?” In: ALGRANTI, L. (org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos didáticos. Campinas: IFCH/Unicamp, 2002, vol. 48, pp. 7-42.

RICH, A. “Heterossexualidade compulsória e existência lésbica”. Bagoas, n. 05, 2010, p. 17-44.

RUBIN, G. “Thinking Sex: notes for a radical theory of the politics of sexuality.” In: NARDI, P. & SCHNEIDER, B. (eds.) Social perspectives in lesbian and gay studies. London: Routledge, 1998. (tradução disponível).

SAMPAIO, J. et al. “Ele não Quer com Camisinha e eu Quero me Prevenir: exposição de adolescentes do sexo feminino às DST/aids no semiárido nordestino”. Saúde soc. São Paulo, v. 20, n. 1, p. 171-181, 2011.

SCOTT, J. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica.” In: Educação & Realidade, vol. 20, n. 2, 1995, pp. 71-99.

SEDGWICK, E.K. “A epistemologia do armário.” Cadernos Pagu, Campinas: Unicamp, nº 28, 2007, pp. 19- 54.

SILVA, D.R.Q.; COSTA, Z.L.S.; MULLER, M.B.C. “Gênero, sexualidade e políticas públicas”. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 49-58, jan-abr, 2018.

TAT, S.A.; MARRAZZO, J.M. GRAHAM, S.M. “Women Who Have Sex with Women Living in Low- and Middle-Income Countries: A Systematic Review of Sexual Health and Risk Behaviors”. LGBT Health. New Rochelle, v. 2, n. 2, 2015.

Downloads

Publicado

2020-12-22