Saúde e transexualidade entre dispositivos e tecnologias do gênero

Autores

  • Pablo Cardozo Rocon Universidade Federal de Mato Groso/ Professor
  • Alexsandro Rodrigues Universidade Federal do Espírito Santo/Professor do Departamento de Teorias e Práticas Educacionais e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional.
  • Francis Sodré Universidade Federal do Espírito Santo/Professora do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.
  • Maria Elizabeth Barros De Barros Universidade Federal do Espírito Santo/Professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Educação.
  • Izabel Rizzi Mação Universidade Federal do Espírito Santo/Estudante de Pós-Graduação

Resumo

A partir do diálogo com Michel Foucault, Judith Butler e Paul Preciado, analisamos que o processo de diagnóstico como requisito para o acesso ao processo transexualizador opera segundo os princípios de um racismo do Estado, realizando um corte entre pessoas que terão acesso aos procedimentos do processo transexualizador e aquelas que estarão desamparadas por aquele programa, operando como dispositivo que produz parte da população usuária como vida indigna de ser vivida, não passível de luto.  

Biografia do Autor

Pablo Cardozo Rocon, Universidade Federal de Mato Groso/ Professor

Mestre em Saúde Coletiva e Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Alexsandro Rodrigues, Universidade Federal do Espírito Santo/Professor do Departamento de Teorias e Práticas Educacionais e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional.

Doutor em Educação (UFES). Pós-Doutor em Psicologia (UFF). Coordena os Grupo de Estudos e Pesquisas em Sexualidades (Geps) e  Núcleo de Pesquisa em Sexualidade NEPS da UFES.

Francis Sodré, Universidade Federal do Espírito Santo/Professora do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Doutora em Saúde Coletiva (UERJ).

Maria Elizabeth Barros De Barros, Universidade Federal do Espírito Santo/Professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Doutora em Educação (UFRJ). Pós-Doutura em Saúde Pública (ENSP/Fiocruz).

Izabel Rizzi Mação, Universidade Federal do Espírito Santo/Estudante de Pós-Graduação

Mestre e Doutoranda em História (UFES)

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM-5. Disponível em: <http://www.dsm5.org>. Acesso em: 01 out. 2017.

ALMEIDA, G. et al. Reflexões sobre a possibilidade da despatologização da transexualidade e a necessidade da assistência integral à saúde de transexuais no Brasil. Revista Latinoamericana Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 14, p.

-407, 2013.

ARÁN, M. et al. Transexualidade: corpo, subjetividade e saúde coletiva. Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p.70-79, 2008.

BENTO, B. A (re)invenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BORBA, R. O (Des) Aprendizado de Si: transexualidades, interação e cuidado em saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), o Processo Transexualizador, a ser implantado nas unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Portaria n. 1.707, de 18 de agosto de 2008 . Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1707_18_08_2008.html>. Acesso em: 03 Mai. 2015 .

BRASIL. Ministério da Saúde. Suspende os efeitos da Portaria n. 859/SAS/MS de 30 de julho de 2013. Portaria n. 1.579, de 31 de julho de 2013. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1579_31_07_2013.html>. Acesso em: 03 Mai. 2015.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

BUTLER, J. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CAPONI, S. Biopolítica e medicalização dos anormais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 529-549, 2009.

CAPONI, S. O DSM-V como dispositivo de segurança. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 741-763, 2014.

CARVALHO, M.F.L. Que mulher é essa?: identidade, política e saúde no movimento de travestis e transexuais. 2011. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

CONELL, R. et al. Gênero uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Autoriza a título experimental, a realização de cirurgia de transgenitalização do tipo neocolpovulvoplastia, neofaloplastia e ou procedimentos complementares sobre gônadas e caracteres sexuais secundários com o tratamento dos casos de transexualismo. Resolução n. 1.482, de 19 de setembro de 1997. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 set. 1997. Seção 1, p. 20944.

CANGUILHEN, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FORTES, L. Clínica da saúde e biopolítica. In JÚNIOR, D.M.A.; VEIGA-NETO, A.; FILHO, A. S (Org). Cartografias de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

FOUCAULT, M. Segurança, Território, População: Curso dado ao Collége de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010a.

FOUCAULT, M. Os Anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010b.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 41. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2013a.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 23. ed. São Paulo: Graal, 2013b.

FOUCAULT, M. O Nascimento da Clínica. 7. ed. Editora: Forense Universitária, 2013c.

FOUCAULT, M. ________in: Ditos e Escritos IX: Genealogia da Ética, Subjetividade e Sexualidade. MOTTA, M.B. 28. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014a.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014b.

LAQUEUR, T. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LIONÇO, T. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 43-63, 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde - CID 10. Décima Revisão, vol. I 2008. Disponível em <http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm> Acesso em: 03 mai. 2015.

PELÚCIO, L. “Toda quebrada na plástica”: corporalidade e construção de gênero entre travestis paulistas. Revista de Antropologia Social, Campos, v. 6 , n. 1-2, p. 97-112. 2005.

PELBART, P. P. Vida Capital: ensaios de biopolítica. 1ª Remp. São Paulo: Iluminuras, 2009.

PELBART, P. P. Vida nua, vida besta, uma vida. Trópico, p.1-5, 2016. Disponível em: <http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/2792,1.shl>. Acesso em: 21 out. 2016.

PRECIADO, P.B. Texto Yonqui. Madri: Espasa, 2008.

PRECIADO, B. Manifesto Contrasexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

ROCON, P. C. et al. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 8, p. 2517-2526, 2016.

SAMPAIO, S.S. Foulcault e a resistência. Goiânia: Editora UFG, 2006.

Downloads

Publicado

2020-09-21

Edição

Seção

Artigos Livres