A violação de direitos da mulher: Um retrato do feminicídio e suas faces

Autores

  • Solange Aparecida de Souza Monteiro UNESP - ARARAQUARA
  • Paulo Rennes Marçal Ribeiro UNESP/Araraquara

Palavras-chave:

Feminicídio, Gênero, Sexualidade, Diretos da mulher

Resumo

Sabe-se que a violência contra as mulheres faz parte de um sistema sócio histórico que as condiciona a uma posição hierárquica transcendente. O ponto em comum, que liga toda e qualquer violência contra mulher, é o machismo, o preconceito e as figurações do patriarcado. Sendo assim, o presente artigo tem como objetivo promover uma reflexão acerca da violação de direitos da mulher, especificamente discutindo o feminicídio e suas faces.  

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Souza Monteiro, UNESP - ARARAQUARA

Doutoranda em Educação Escolar. Mestra em Processos de Ensino, Gestão e Inovação pela Universidade de Araraquara - UNIARA (2018). Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras Urubupungá (1989). Possui Especialização em Metodologia do Ensino pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras Urubupungá (1992). Trabalha como pedagoga do Instituto Federal de São Paulo (IFSP/Câmpus Araraquara-SP). Participa dos núcleos: - Núcleo de Gêneros e Sexualidade do IFSP (NUGS); -Núcleo de Apoio as Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE), Membro da Equipe de Formação Continuada de Professores. Desenvolve sua pesquisa acadêmica na área de Educação, História da Educação Sexual, Sexualidade e em História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena e/ou Relações Étnico-raciais. Participa do Grupo de pesquisa - GESTELD - Grupo de Estudos em Educação, Sexualidade, Tecnologias, Linguagens e Discursos. Membro desde 2018 do Grupo de pesquisa "Núcleo de Estudos da Sexualidade - NUSEX" - https://www.fclar.unesp.br/#!/pesquisa/grupos-de-pesquisa/estudos-da-sexualidade/apresentacao

Paulo Rennes Marçal Ribeiro , UNESP/Araraquara

Possui graduação em Psicologia (1985) pelo Instituto de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUCCAMP; graduação em Pedagogia (1983) e mestrado em Educação (1989) pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP; especialização em Psiquiatria e Psicologia Clínica da Infância (1988) e doutorado em Saúde Mental (1995) pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP; e pós-doutorado em Saúde Mental (1996-1997) pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. É Livre-Docente em Sexologia e Educação Sexual pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (2007). Foi vice-diretor da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, em Araraquara, de 1º de fevereiro de 2005 a 31 de janeiro de 2009, onde atualmente é Professor Associado (MS-5) no Departamento de Psicologia da Educação. É especialista do Conselho Estadual de Educação - SP e atua nas áreas de Educação e Psicologia, com ênfase na pesquisa em Sexualidade Humana, principalmente com os seguintes temas: educação sexual, história da sexualidade e da educação sexual, adolescência, sexualidade e sociedade. É professor e orientador de mestrado e doutorado nos seguintes Programas de Pós-Graduação da UNESP, em Araraquara: Educação Sexual, do qual é o coordenador do Programa; e Educação Escolar, onde coordena a Linha de Pesquisa Sexualidade, cultura e educação sexual. Foi um dos fundadores e vice-coordenador do GT-23 Gênero, sexualidade e educação, da ANPED.  

Referências

ALMEIDA, T. M. C. Violências contra mulheres nos espaços universitários. In: STEVENS, C.; OLIVEIRA, S.; ZANELLO, V.; SILVA, E.; PORTELA, C. (Orgs.). Mulheres e violências: interseccionalidades. Brasília, DF: Technopolitik, 2017.

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de caso: seu potencial na educação. Caderno Pesquisa (49), p. 51-54, mai. 1984.

BANDEIRA, L.; ALMEIDA, T. M. C. O trote universitário: a festa da intolerância e humilhação feminina. Atitudes Universitárias, Brasília, UnB Agência. 2011. Disponível em: <http://www.unb.br/noticias/unbagencia/artigo.php?id=367>. Acesso em 19 de jan 2020.

BANDEIRA, L., & Batista, A. S. Preconceito e discriminação como expressões de violência. Revista Estudos Feministas, 2002, v. 10 (1), 119-120.

BANTMAN, Béatrice. Breve História do Sexo. Lisboa, Portugal: Terramar,1998.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad.: L. A. Rego & A. Pinheiro. Lisboa/Portugal, Edições 70. 2006.

BIRMAN, J. Gramáticas do erotismo: a feminilidade e suas formas de subjetivação na psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

BUCHANAN, E.; HVIZDAK, E. E. Online survey tools: ethical and methodological concerns of human research ethics committees. Journal of Empirical Research on Human Research Ethics: An International Journal, v. 4, n. 2, p. 37-48, jun. 2009.

BRASIL. Direitos Humanos – 1995-2002: políticas públicas de promoção e proteção. Brasília, DF: Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, 2002.

BRASIL. Direitos humanos: atualização do debate. Brasília, DF: Ministério das Relações Exteriores, 2003.

BRASIL. Enfrentamento à violência contra a mulher: balanço de ações 2006-2007. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

BRASIL. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasil, 140p. 2016. Disponível em: <http://www.forumseguranca.org.br/wpcontent/uploads/2017/01/Anuario_Site_27-01-2017-RETIFICADO.pdf> Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020.

BRASIL. Comissão Parlamentar Mista de Inquérito sobre Violência contra a Mulher. Relatório final. Brasil, 1048 p. 2013.

BRASIL. Vigilância de Violências e Acidentes. Ministério da Saúde. Brasil, 111p. 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_vigilancia_violencia_acidentes_2011_2012.pdf>. Acesso em Acesso em 19 de jan 2020.

CONNELL, R. W. Gender and Power: Society, the Person, and Sexual Politics. Stanford University Press, 352 p.1987.

CHAUI, Marilena. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil: São Paulo, Brasiliense,1896.

cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986

cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986

DELMAN, M. Paradoxos da identidade: a política de orientação sexual no século XX. Revista de Sociologia e Política, 2000. v.14, p.163-171. Disponível em: <https://enyldamotta.com.br/sexualidade-humana/> Acesso em: 09 jan. 2019.

FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa da. Gênero como categoria para a compreensão e a intervenção no processo saúde-doença. 2008. Disponível em: <http://www.compromissoeatitude.org.br/feminicidio-desafios-e-recomendacoes-para-enfrentar-a-mais-extrema-violencia-contra-as-mulheres/> Acesso em: 09 jan. 2019.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: UNESP. 1993. Disponível em: <https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/atualidades-vestibular/entenda-a-lei-do-feminicidio-e-por-que-e-importante/> Acesso em: 09 jan. 2019.

INSTITUTO AVON. Violência contra mulher no ambiente universitário. Pesquisa Instituto Avon, Data Popular, Brasil. 12p. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Sistema de Indicadores de Percepção Social: tolerância social à violência contra mulheres. Brasil. 40p. 2014. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/SIPS/140327_sips_violencia_mulheres.pdf>. Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020.

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO. Pesquisa Violência Sexual: percepções e comportamentos sobre violência sexual no Brasil. Locomotiva Pesquisa e Estratégia, Brasil. 50p. 2016. Disponível em: <http://agenciapatriciagalvao.org.br/wpcontent/uploads/2016/12/Pesquisa_ViolenciaSexual_2016.pdf>. Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020.

KRUG, E. G. et al. Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Geneva, World Health Organization, p. 145-180. 2002. Disponível em: <https://www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf>. Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020.

LAGARDE, M. La regulación social del género: El género como filtro de poder. Antología de la sexualidad humana. Consejo Nacional de Población, México, p. 389-426. 1994.

LASCH, C. A mulher e a vida cotidiana: amor, casamento e feminismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, B.H. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LIMA, M. T. C. O estupro enquanto crime de gênero e suas implicações na prática jurídica. Trabalho de Conclusão de Curso. Campina Grande, Paraíba, 32p. 2012. Disponível em: <http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/5370/1/PDF%20-%20Marina%20Torres%20Costa%20Lima.pdf>. Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACHADO, L. Z. Matar e morrer no feminino e no masculino. In D. Oliveira, E. C. Geraldes & R. B. Lima, Primavera já partiu: retratos de homicídios femininos no Brasil (pp. 96-121). Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

MAPA da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil (Flacso/OPAS-OMS/ONU Mulheres/SPM, 2015). Disponível em: <http://flacso.org.br/?p=13485> Acesso em: 09 jan. 2019.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Editora Vozes, Rio de Janeiro/Brasil, 80p. 2001.

NIELSEN, J. Heuristic evaluation. In: J. Nielsen & R. L. Mack (Orgs.), Usability inspection methods. John Wiley & Sons Inc., New York/USA, p. 25-62. 1994.

PASINATO, W Oito anos da Lei Maria da Pena. Entre avanços, obstáculos e desafios, Estudos Feministas, Florianópolis, v, 23, n 2, p. 533-545, 2017.

PORTO, M. O enfrentamento da violência no ambiente universitário: uma experiência na Ufac. In: STEVENS, C.; OLIVEIRA, S.; ZANELLO, V.; SILVA, E.; PORTELA, C. (Orgs.). Mulheres e violências: interseccionalidades. Brasília, DF: Technopolitik, 2017.

PROENF- Programa de atualização em Enfermagem na saúde do adulto. Porto Alegre: Artmed/Panamericana, 2008, v. 3, p.9-39.

__________ Equidade de gênero e saúde das mulheres. Rev. esc enferm USP. 2005; 39 (supl 4) p.450-459.

ROSSI, C. R. et al. O Gênero e Diversidade na escola: reflexões acerca da formação continuada sobre assuntos da diversidade sexual. Revista Contexto e Educação. Ed. Unijui, Ijuí /Rio Grande do Sul, v. 27, n. 88. 2012.

SAFFIOTI, H. A síndrome do pequeno poder. In M. A. Azevedo & V. N. A. Guerra, (Orgs.), Crianças vítimizadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo: Iglu, 1989, pp. 13-21.

_____________. Exploração sexual de crianças. In: M. A. Azevedo & V. Guerra (Orgs.), Crianças vitimizadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo, p. 49-95. 1989.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação e Realidade, 1990 16 (2), 5-22. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/185061/mod_resource/content/3/Aula%20g%C3%AAnero.pdf> – Acesso em: 10 jan. 2019.

SCOTT, J. W. Gender and the Politics of History. New York: ColumbiaUniversity Press, 1988.

SOUSA, R. F. Cultura do estupro: prática e incitação à violência sexual contra mulheres. Estudos Feministas, Florianópolis, 25(1): 222, p. 9-29, jan/abr. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v25n1/1806-9584-ref-25-01-00009.pdf>. Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020.

VILHENA, J.; ZAMORA M. H. Além do ato: os transbordamentos do estupro. Revista Rio de Janeiro, n. 12, p. 115-130, jan/abr. 2004.

ZILLI, B. Violência e cuidado em estudos sobre gênero e sexualidade são destaque da Sexualidade, Saúde e Sociedade – Revista Latino-Americana [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas. 2017. Disponível em: <https://humanas.blog.scielo.org/violencia-e-cuidado-em-estudos-sobre-genero-e-sexualidade-sao-destaque-da-sexualidade-saude-e-sociedade-revista-latino-americana> Acesso em 10 jan. 2019.

WAISELFISZ, J.J. Mapa da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil. Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, Brasil. 2015. Disponível em: <http://mapadaviolencia.org.br/mapa2015_mulheres.php>. Acesso em: Acesso em 19 de jan 2020

Downloads

Publicado

2020-10-01 — Atualizado em 2020-10-08

Versões