“Geni e o Zepelim”

retórica, melos e uma proposta de leitura de canções – Letramento Cancional

Autores

Palavras-chave:

ideologia, sexualidade, gênero, retórica, canção.

Resumo

Neste trabalho, abordaremos a canção buarquiana “Geni e o Zepelim” cujo diálogo com temas gênero, sexualidade e sociedade, ainda hoje polêmicos, é um traço temático.  Demonstraremos, por meio de uma análise discursiva, em um modelo teórico-metodológico interdisciplinar, como a canção pode, e deve, socialmente operar como uma situação retórica a fim de modificar estruturas ideológicas que hierarquizam relações de poder baseadas em preconceitos. Evidenciaremos como se acionam as tradicionais provas de persuasão: logos (a questão a ser tratada), ethos (a imagem do orador), pathos (as paixões do auditório), articuladas a melos (aspectos musicais da canção) como componente persuasivo.

Biografia do Autor

Adriano Dantas de Oliveira, UFRB

Adriano Dantas de Oliveira é doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela FFLCH-USP. Mestre em Língua Portuguesa pela PUC-SP. Graduado em Letras e em Pedagogia, possui ainda especialização em Docência do Ensino Superior. Atualmente, é professor adjunto na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Jorge Luiz Ribeiro de Vasconcelos , Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Professor do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - CECULT/UFRB, com graduação no Bacharelado em Música Popular pela Universidade Estadual de Campinas (1993) e mestrado em Artes pela Universidade Estadual de Campinas (2002) e doutorado em Música no Instituto de Artes da UNICAMP (2010). 

Referências

Referências Bibliográficas

ARISTÓTELES. Retórica. Trad. Manuel Alexandre Júnior; Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1998 [s/d].

ARISTÓTELES. Retórica das paixões. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [s/d].

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. Trad. Eduardo Guimarães et al. Campinas: Pontes, 1989.

___________. Problemas de linguística geral I. 5.ed. Trad. Maria da Glória Novak; Maria Luisa Neri. São Paulo: Pontes, 2005.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Rev. Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1987.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Coordenadora de Trad. Izabel Magalhães. Brasília: Ed. da UnB, 2001.

___________. Language and Power. New York: Longman, 1989.

___________. Discurso, mudança e hegemonia. In. PEDRO, Emilia Ribeiro. (Org.). Análise Crítica do Discurso. Lisboa: Caminho, 1997.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Editora Ática, 1993.

____________. As astúcias da enunciação. São Paulo: Ática, 1996.

____________. Elementos de análise do discurso. 14. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1977.

_____________. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8. ed. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins fontes, 2002.

_____________. A arqueologia do saber. 7. ed. Trad. Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2005.

_____________. A ordem do discurso. 22. ed. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 2012.

GREIMAS, Algirdas Julien. Semântica estrutural. São Paulo: Cultrix, 1966.

LOPES, Ivã Carlos; TATIT, Luiz. Elos de Melodia e Letra: análise de seis canções. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise do Discurso. 3. ed. Campinas: Pontes, 1997.

MEYER, Michel. Questões de retórica: linguagem razão e sedução. Trad. António Hall. Lisboa: Edições 70, 1993.

____________. As bases da retórica. In: CARRILHO, M. M. (org.). Retórica e comunicação. Trad. de Fernando Marinho. Lisboa: Edições Asa, 1994.

____________. A retórica. Apresentação Lineide Salvador Mosca. Trad. Marly N. Peres. São Paulo: Ática, 2007.

MOSCA, Lineide do Lago Salvador. (org.) Retóricas de ontem e de hoje. 3. ed. São Paulo: Humanitas, 2004.

__________. O espaço tensivo da controvérsia: uma abordagem discursivo-argumentativa. Filologia e Língua Portuguesa. São Paulo: Humanitas/ FFLCH, 2007, p. 293-310.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: 3. ed. Editora da Unicamp, 1995.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3.ed. Trad. Eni P. Orlandi et al. Campinas: Ed.UNICAMP, 1997.

PEDRO, Emilia Ribeiro. Análise crítica do discurso: aspectos teóricos, metodológicos e analíticos. In. __________. (Org.). Análise Crítica do Discurso. Lisboa: Caminho, 1997.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3.ed. Trad. Eni P. Orlandi et all. Campinas: Ed.UNICAMP, 1997].

ORLANDI, Eni Pulcinelli. O sujeito discursivo contemporâneo: um exemplo. In: INDURSKY, Freda; FERREIRA, Maria Cristina Leandro (Org.). Análise do Discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007

TATIT, Luiz. Semiótica da canção: melodia e letra. São Paulo: Editora Escuta, 1994.

__________. O cancionista – composição de canções no Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

__________. Musicando a semiótica – ensaios. São Paulo: Annablume, 1998.

VALÉRY, Paul. Variedades. São Paulo: Iluminuras, 1991.

VAN DIJK, Teun A. Semântica do discurso e ideologia. In. PEDRO, Emilia Ribeiro (Org). Análise Crítica do Discurso. Lisboa: Caminho, 1997.

Downloads

Publicado

2021-09-15

Edição

Seção

Caderno Estudos Linguísticos e Literários