A Interseccionalidade como prática: processos de construção e atuação do coletivo de negra e negros Macanudos

Autores

  • Tainá Valente Amaro Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da UERJ
  • Cassiane Freitas Paixão Universidade Federal do Rio Grande.
  • Ricardo Gonçalves Severo Universidade Federal do Rio Grande - FURG http://orcid.org/0000-0001-8413-7159

Palavras-chave:

Movimento negro. Luta antirracista. Interseccionalidades

Resumo

O artigo analisa a formação e criação do coletivo de estudantes negras e negros Macanudos e sua atuação a partir da intersecção dos elementos de raça, classe e gênero. As técnicas utilizadas foram a pesquisa participante e o de Grupo de discussão. A análise dos dados permitiu observar as formas de ingresso e atuação na organização. Foi possível verificar também, que a constituição ativista se fortaleceu a partir dos laços de solidariedade no grupo, rede social militante, e em históricos pessoais. O conceito de interseccionalidade apresenta-se como uma teoria e prática para esse coletivo composto majoritariamente por mulheres negras.

Biografia do Autor

Tainá Valente Amaro, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da UERJ

Bacharel em Psicologia pela FURG, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da UER.

Cassiane Freitas Paixão, Universidade Federal do Rio Grande.

Doutora em Educação pela Unisinos. Professora associada da área de Sociologia da FURG.

Ricardo Gonçalves Severo, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutor em Ciências Sociais (PUCRS). Professor do PPG em Educação - FURG.

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Rio de Janeiro: Editora Letramento, 2018.

BOHNSACK, Ralf. A multidimensionalidade do habitus e a construção de tipos praxiológica. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 12, n. 2, p. 22-31, jan./jun. 2011.

BRASIL, 2016. Relatório sobre violência homofóbica no Brasil: ano de 2013. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. 2016.

CRENSHAW, KIMBERLÉ. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, Jan. 2002.

DELLA PORTA, Donatella & DIANI, Mario. Social Movements: an itroduction. USA: Blackwell Publishing, 2006.

DEMO, Pedro. Metodologia Científica em ciências sociais. 3ª edição. São Paulo: Atlas, 1995.

DIANI, Mario e BISON, Ivano. Organizações Coalizões e Movimentos. IN: Revista Brasileira de Ciência Política, nº 3. Brasília, pp. 219-250, janeiro-julho de 2010.

FLACKS, Richard. Knowledge for what? Thoughts on the state of social movement studies. IN: GOODWIN, Jeff e JASPER, James M. Rethinking Social Movements: structure, meaning and emotion. Rowan & Littlefield Publishers: UK, 2004.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petropolis, RJ: Vozes, 2017.

HAGETTE, Teresa Maria Frota. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Editora Vozes, 1992.

MANNHEIM, Karl. Structures of Thinking. Boston, USA. Ed. Routledge & Kegan Paul. 1982.

MANNHEIM, Karl. Sociologia da Cultura. 3ª reimpressão. 2ª edição. São Paulo: Perspectiva, 2013.

MCADAM, Doug e PAULSEN, Ronnelle. Specifying the relationship between social ties and activism. IN: The American Journal of Sociology. Vol. 99, nº 3. 640-667, nov. 1993.

MCADAM, Doug, TARROW, Sidney e TILLY, Charles. Para mapear o confronto político. In: Lua Nova. São Paulo, 76: 11-48, 2009.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia, III Seminário Nacional sobre Relações Raciais e Educação-Penesb, Rio de Janeiro, 2003.

OLIVEIRA, Guilherme dos Santos. Políticas Racializadas e o Surgimento de Coletivos de Estudantes Negros no Ensino Superior. 31ª Reunião Brasileira de Antropologia, Brasília/DF, 2018.

PASSY, Florence. Socialization, Recruitment, and the Structure/Agency Gap. A specification of the impact of Networks on Participation in Social Movementes. Abril, 2000.

PASSY, Florence. Social Networks Matter. But How? In; DIANI, Mario e MCADAM, Doug. Social Movements Analysis: The Network Perspective. Oxford University Press, 2003.

RATTS, Alex e RIOS, Fernanda. Lelia Gonzalez. Coleção Retratos do Brasil. SP: Selo Negro, 2010.

RODRIGUES, Cristiano. Atualidade do conceito de interseccionalidade para a pesquisa e prática feminista no Brasil, em Anais Seminário internacional fazendo gênero, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Centro de Comunicação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

SILVA, Maria Lúcia Carvalho da et al. Movimentos Sociais e redes: reflexões a partir do pensamento de Ilse Scherer-Warren. IN: Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 109, p. 112-125, jan./mar. 2012.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: homicídios de mulheres no Brasil. 1ª edição. FLACSO Brasil, Brasília. 2015.

Downloads

Publicado

2020-04-28