A construção discursiva racial de mulheres brasileiras de descendência asiática em relatos online

Autores

  • Jaqueline Angelo dos Santos Denardin Universidade Federal do Mato Grosso/Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Gabriel Marchetto Universidade Federal do Mato Grosso

Palavras-chave:

Linguagem, Mulheres, Performance discursiva, Raça, Relato.

Resumo

Este trabalho visa discutir como ocorre a construção discursiva racial de mulheres brasileiras no que concerne a sua descendência asiática a partir da análise de relatos online em diferentes contextos. Esta pesquisa qualitativa interpretativista utiliza como referencial teórico os conceitos de raça como construto social e branquitude, mediados pela linguagem enquanto ato performativo. A partir das análises, inicialmente, as informantes recusaram sua descendência asiática como uma forma de rejeição ao discurso racista ainda tão enraizado na sociedade brasileira, pois ao declarar “sou uma mulher amarela de descendência asiática” elas resgatam todo um histórico discursivo racista atrelado à sua descendência.

Biografia do Autor

Jaqueline Angelo dos Santos Denardin, Universidade Federal do Mato Grosso/Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutoranda em Estudos Linguísticos no Programa de Pós-Graduacão em Estudos da Linguagem da Universidade Federal do Mato Grosso, Mestre em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Graduada em Pedagogia, Ciências Sociais e Letras, com especialização em Educação Especial: Deficiências Múltiplas, em Educação do Campo, ambas pela Faculdade de Educação e Tecnologia da Região Missioneira - FETREMIS, e Especialização em Docência no Ensino superior pelo Centro Universitário Barão de Mauá. Atuando desde 2012 na Rede Estadual de Educação do Paraná. Pesquisadora da área de Análise de Discurso e Linguística Aplicada, com ênfase nas Teorias do Discurso, Teorias de Gênero e o Transfeminismo.

Referências

MOITA-LOPES, L.P. Contemporaneidade e construção de conhecimento na área de estudos linguísticos. Scripta, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 159-171, 2004.

SILVA, A. B; SOARES, A. L. R. Identidade e memória nikkei: o caso das mulheres japonesas em Santa Maria. História Oral, v. 16, n. 1, p. 103-123, 2013.

KOSHIYAMA, A. M. Mulheres no jornalismo nipo-brasileiro. Discursos, identidade e trajetórias de vida de jornalistas. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

KATAOKA, J. 15 asiáticos brasileiros contam o momento em que descobriram que não eram brancos. Acessado em 15 de Março de 2019. Disponível em https://www.buzzfeed.com/br/julianakataoka/x-asiaticos-contam-quando-descobriram-que-nao-eram-brancos.

GUIMARÃES, A. S. A. Raça, cor, cor da pele e etnia. Cadernos de campo, São Paulo, n. 20, p. 1-360, 2011.

CORREIA, P. P. O signo como performance e a performatividade da linguagem. Artefactum - Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia, Ano VII, N° 02, 2015.

MELO, G. C. V.; ROCHA, L. L. Linguagem como performance: discursos que também ferem. In: Rodrigues, M.G; Melo, G.C.V; Rodella, V.L.A; Câmara, N.S; Manzano, L.C.G. (Org.). Discurso: sentidos e ação. 10ed. Franca: Unifran, p. 101-120, 2015.

GOMES, N. L. Movimento Negro e Educação: Ressignificando e Politizando a Raça. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 120, p. 727-744, jul.-set. 2012.

SCHUCMAN, L. V. Branquitude e poder: revisitando o “medo branco” no século XXI. Revista da ABPN. Goiânia. v. 6, n. 13, mar. – jun. , p. 134-147.

MELO, G. C.V.; FERREIRA, J. T. R. As ordens de indexicalidade de gênero, de raça e de nacionalidade em dois objetos de consumo em tempos de Copa do Mundo 2014. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 17, p. 405-426, 2017.

MUNANGA, K. Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, São Paulo, n.68, p. 46-57, dezembro/fevereiro 2005-2006.

Downloads

Publicado

2020-04-28