Edição semidiplomática do interrogatório de um acusado de defloramento (Aracaju, 1876)

Autores

Palavras-chave:

Defloramento, Paleografia, Crítica Textual, Violência contra mulher

Resumo

O artigo 219 do Código Criminal de 1830 define o crime de defloramento como a ação em que um homem tira a virgindade de uma mulher menor de 17 anos. O intuito da legislação era a proteção da honra feminina como um apanágio do homem ou da família tradicional cristã (CAULFIELD, 2000). Esse artigo tem por objetivo apresentar um breve relato do caso, descrição material e edição semidiplomática do auto de perguntas do interrogatório feito a Ignácio Fontes da Hora, suposto deflorador de Cândida Maria do Nascimento, uma órfã de 14 anos, no ano de 1876.

Biografia do Autor

Sandro Marcío Drumond Alves Marengo, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal de Sergipe

Natália Larizza Sanches de Souza, Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Letras pela Universidade Federal de Sergipe

Referências

ACOSTA, L. M.; GASPAROTO, C. H. Discriminação no tratamento jurídico recebido pelas mulheres nos códigos penais do século XIX. Revista Jurídica, Franca, p. 43-56, n.2, v.10, dez. 2015. Disponível em: https://www.revista.direitofranca.br/index.php/refdf/article/view/277. Acesso em 11 fev. 2020.

ALGRANTI, L. M. Honradas e devotas: mulheres da Colônia. São Paulo: José Olympio, 1999.

BRASIL. Lei de 16 de dezembro de 1830. Manda executar o Codigo Criminal, 1830. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM-16-12-1830.htm Acesso em 03 mai. 2020.

CABALLERO, C. A gênese da Exclusão: O lugar da mulher na Grécia antiga. Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, Florianópolis, p. 125-134, Vol. 20, n.38, 1999.

CASTILHO, A. T. Corpus diacrônico do Português Brasileiro. Col. História do Português brasileiro. São Paulo: Editora Contexto/Fapesp, 2019.

CASTRO, F. J. V. de. Delictos contra a honra da mulher. Rio de Janeiro: João Lopes da Cunha, 1897.

CAULFIELD, S. Em defesa da Honra moralidade, modernidade e nação do Rio de Janeiro (1918-1940). Tradução de Elizabeth de Avelar Solano Martins. Campinas: Ed. Unicamp, 2000.

DIAS, A. F. Representações Sociais de Gênero no trabalho docente: sentidos e significados atribuídos ao trabalho e à qualificação. Vitória da Conquista: Elba, 2014.

FONSECA, M. A. C. S. Defloramento e Estupro em processos-crime de Aracaju (1890-1900): descrição e análise léxico-semântica da variação terminológica. 2020. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2020.

KNIBIEHLER, Y. História da Virgindade. Tradução de Dílson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, 2016.

MORAES SILVA, A. de. Diccionario da Língua Portugueza. 6ª Edição, Lisboa: Typographia de Antonio José da Rocha, 1858. Disponível em: http://docvirt.com/DocReader.net/DocReaderMobile.aspx?bib=bibobpub&pagfis=12881. Acesso em 11 fev. 2020.

__________________. de. Diccionario da Língua Portugueza. 7ª Edição, Lisboa: Typographia de Joaquim Germano de Souza Neves, 1878. Disponível em: http://docvirt.com/DocReader.net/DocReaderMobile.aspx?bib=bibobpub&pagfis=12881. Acesso em 11 fev. 2020.

MARENGO, S. M. D. A. Variação da terminologia jurídica: aportes diacrônicos para um (re)constructo de Faulstich. In: ARAUJO, S. S. F.; BARREIROS, L. L. S.; OLIVEIRA Jr, M. Linguagem e Sociedade. São Paulo: Pontes Eds, 2020. (no prelo)

MARENGO, S. M. D. A. et al. As ofensas verbais na cultura estanciana do século XIX: um estudo sobre os processos-crime do sul sergipano. Revista de Estudos de Cultura (Revec), São Cristóvão/ SE, p. 63-72, v.4, n.2, 2018.

MARENGO, S. M. D. A.; TEIXEIRA, S. C. S. B. Um olhar codicológico e da crítica textual sobre um processo-crime de defloramento manuscrito do Sergipe oitocentista. In: AZEVEDO, I. C. M.; ANDRADE, A. de M.; MARENGO, S. M. D. A. (Orgs.). Estudos Linguísticos e literários em múltiplas perspectivas. São Cristóvão, SE: Editora UFS, 2019. p. 218- 232.

MARENGO, S. M. D. A; SOUZA, N. L. S.; FONSECA, M. A. C. S. Linguística Forense em diacronia: apontamentos terminométricos da variação defloramento/estupro no Sergipe oitocentista. In: LOPES, N. S.; CARVALHO, C. S.; SANTOS, E. S. (orgs.) Linguagem e sociedade. São Paulo: Blucher, 2019. p.147-166.

MARTINS, A. M. de O. O corpo feminino na Idade Média: um lugar de tentações. In: Braz, J.; Neves, M. (Orgs). O corpo-Memória e Identidade. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 2013. p. 103-116.

MOISÉS, L. R. dos S. Honra Sedução e Defloramentos: Moralidade, relações e proibição em Limoeiro do Norte. In: Anais do XIV Congresso Estadual de História do Ceará. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, 2014. p 1-15.

MOTT, L. Sergipe Colonial e Imperial. Religião, Família, Escravidão e Sociedade: 1591-1882. Aracaju: EdUFS, 2008.

NUNES, M. T. Sergipe Provincial II (1840/1889). Rio de Janeiro/Aracaju: Tempo Brasileiro/ Banco do Estado de Sergipe, 2006.

PIERANGELI, José Henrique. Códigos penais do Brasil: evolução histórica. São Paulo: Javoli, 1980.

QUEIROZ, R. de C. R. Autos de defloramento: Para que editar? Revista da Abralin, Paraná, p.185-200, v.16, n.1, 2017.

RAFAETA, E. C. Virgindade, moralidade e honra: concepções sobre mulher no início do século XX. Histórica: Revista online do Arquivo Público do Estado de São Paulo, São Paulo, p.01-09, Ano 03, n. 27, 2007.

SANTOS, B. M. Riqueza e sociedade na comarca de Aracaju: um estudo sobre a dinâmica familiar da primeira elite de Aracaju (1855-1889). 2018. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

SILVA, I. M. I. Direito ou punição? Representação da sexualidade feminina no direito penal. 1983. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós-graduação em Direito, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1983.

SOUZA, N. L. S. Variação dos termos jurídicos defloramento e estupro em processos-crime no Sergipe imperial (Aracaju, 1855-1889). 2020. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, 2020.

TINÔCO, A. L. Código criminal do Império do Brazil annotado. Prefácio de Hamilton Carvalhido. Brasília [Senado Federal]: Conselho Editorial, Ed. fac-símile, 2003.

VIEIRA, M. S. Concepções de Violência e Direitos das Mulheres: do “Defloramento” ao “Estupro”. Cadernos do LEPAARQ. Pelotas, v. IV, n°7/8, p.103-122, Ago/Dez, 2007.

VIGARELLO, G. História do Estupro: violência sexual nos séculos XVI – XX. Tradução de Lucia Magalhães. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Downloads

Publicado

2020-10-01