A estrutura de testamentos do século XVIII da Capitania do Ceará

Autores

Palavras-chave:

Testamentos, Organização Estrutural, Filologia, Diplomática,

Resumo

O presente artigo tem como objetivo descrever a organização estrutural do gênero testamento sob o viés diplomático e filológico. Na etapa filológica, descrevemos a estrutura do documento, o tipo de edição, o gênero, etc. Já na etapa diplomática, apresentamos sua estrutura interna e partes constituintes. O estudo de testamentos revela informações valiosas com aspectos linguístico, histórico e sociocultural. Para as análises, baseamos nosso trabalho nos estudos realizados por BELLOTTO (2002, 2004, e 2008), BERWANGER e LEAL (2008), CAMBRAIA (2005), LIMA e SILVA (2010) e XIMENES (2013).

Biografia do Autor

Katharine Silva de Oliveira Soares, Instituto Federal do Maranhão - IFMA

Professora de Língua Inglesa e Língua Portuguesa no Instituto Federal do Maranhão (IFMA). Especialista em Ensino de Língua Inglesa e Mestra em Linguística Aplicada. Pesquisa documentos desde 2010, é membro do grupo de pesquisa Prática de Edição de Textos do Estado do Ceará (PRAETECE).

Referências

BELLOTTO, H. L. Diplomática e Tipologia Documental em arquivos. 2. ed. rev. Brasília, DF: Brinquet de Lemos/Livros, 2008.

______. Arquivos permanentes. Tratamento documental. 2. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

______. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. Tratamento documental. 2. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BERWANGER, A. R; LEAL, J. E. F. Noções de paleografia e de diplomática. 3. ed. rev. e ampl. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2008.

CAMBRAIA, C. N. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DE PLACIDO e SILVA. Vocabulário jurídico. 27. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

LIMA, I; SILVA, P. G. Tipologia documental. In: SAMARA, E. M. (org.). Paleografia, Documentação e Metodologia Histórica. São Paulo: Humanitas, 2010. p. 147-253.

MATTOS E SILVA, R. V. Caminhos da linguística histórica: ouvir o inaudível. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PAIVA, E. F. Escravos e libertos nas Minas Gerais do século XVIII: estratégias e resistência através dos testamentos. São Pulo: Annablume, 2009.

SPINA, S. Introdução à edótica (crítica textual). 2. ed. São Paulo: Cultrix, Ed. da Universidade de São Paulo, 1977.

XIMENES, E. E. Fraseologias jurídicas: estudo filológico e linguístico do período colonial. Curitiba: Appris, 2013.

Downloads

Publicado

2020-10-01 — Atualizado em 2020-10-02

Versões