Identidade da mulher negra e literatura infantil: entre os cabelos de Lelê e os de Cora

Autores

Palavras-chave:

Cabelo, Identidade negra, Raça e Gênero, Literatura Infantil, Educação das relações étnico-raciais,

Resumo

Busca compreender como a literatura infantil de temática africana e afro-brasileira traz elementos pertinentes para abordar a temática do cabelo como elemento do processo de construção da identidade da mulher negra. Utiliza a pesquisa bibliográfica com abordagem descritivo-exploratória a partir das narrativas de dois livros que são analisados à luz do pensamento decolonial e do pensamento negro. Conclui que o caráter simbólico, poético e ilustrativo das narrativas possibilita o despertar da empatia e da alteridade no tocante às questões do racismo, das diferenças, do respeito, da ancestralidade e do pertencimento racial, contribuindo com o processo de construção da identidade da mulher negra.

Biografia do Autor

Mariana de Souza Alves, UFPE

Doutoranda em Ciência da Informação, UFPE (2019). Especialista em Literatura Infantojuvenil, FAFIRE-PE (2018). Mestre em Ciência da Informação, UFPE (2017).Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Pernambuco (2014). Bibliotecária da Universidade Federal de Pernambuco, UFPE (2019). Mediadora de Leitura pelo CCLF/FUNCULTURA (2017). Formação em Contação de Histórias, Pronatec (2014) e Zumbaiar (2018). Produções acadêmicas e área de atuação voltadas para as seguintes temáticas: Leitura, Literatura, Literatura Infantil, Bibliotecas comunitárias, Práticas informacionais e leitoras, Mediação da Leitura, Biblioteconomia, Inclusão e Direitos Humanos.ORCID ID= http://orcid.org/0000-0002-3452-9629

Lattes: http://lattes.cnpq.br/2771049212764084 

Maria da Conceição dos Reis, UFPE

Doutora em Educação. Professora Adjunta da Universidade Federal de Pernambuco. Membro do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE e Líder do laboratório de Educação das Relações Étnico-Raciais.

Referências

BELÉM, Valéria. O cabelo de Lelê. Ilustrações de Adriana Mendonça. São Paulo: IBEP, 2012.

BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL. Introdução. In: ______ (org). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 jan. 2003. Altera a Lei 9.394, de 20 dez. 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 9 jan. 2003.

______. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 3/2004. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Diário Oficial da União. Brasília, 2004.

CÂMARA, Ana Zarco. O cabelo de Cora. Ilustrações Taline Schubach. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.

CÉSAIRE, Aimé. Negritude, etnicidade e culturas afro nas Américas. In: ______. Discurso sobre a negritude. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.

DEBUS, Eliane. A temática da cultura africana e afro-brasileira na literatura para crianças e jovens. São Paulo: Cortez, 2017.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GOMES, Cláudia; DUQUE-ARRAZOLA, Laura Susana. Consumo e identidade: o cabelo afro como símbolo de resistência. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 11, n. 27, p. 184-205, fev. 2019.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2002.

______. Cultura Negra e educação. Revista Brasileira de Educação, 2003, n.23, p.75-85.

______. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, 2005. p. 39-62.

______. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GONÇALVES, Thaís; MOURA, Paula Nascimento da Silva. Literatura infantil e identidade: análise da obra “O cabelo de Lelê”. Revista Científica da FHO|UNIARARAS, v. 4, n. 1, 2016.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos póscoloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p.119-147, mar. 2008.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Belo Horizonte: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 2005.

KIRCHOF, Edgar Roberto; BONIN, Iara Tatiana; SILVEIRA, Rosa M. Hessel. A diferença étnico-racial em livros brasileiros para crianças: análise de três tendências contemporâneas. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 2, p. 389-412, 2015.

LAJOLO, Marisa. Literatura: ontem, hoje, amanhã. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

LANNES, Marina Badaró. O ‘empoderamento crespo’ na literatura infantil. Dissertação (Mestrado em Ensino). Universidade Federal Fluminense, Santo Antônio de Pádua, 2019.

LIMA JÚNIOR, Agnaldo Mesquita; TAUCHEN, Gionara. O Cabelo de Lelê: reflexões sobre educação, cultura e identidade. Momento: diálogos em educação, v. 26, n. 2, p. 129-146, jan./jun. 2017.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa, Bogotá, Colombia, n. 9, p. 73-101, 2008.

MACHADO, Emilia. et. al. Da África e sobre a África: textos de lá e de cá. São Paulo: Cortez, 2012.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1997.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência Epistêmica: a opção decolonial e o significado de identidade em política”. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MUNANGA, Kabengele. Uma Abordagem Conceitual das Noções de Raça, Racismo, Identidade e Etnia. Cadernos PENESB-5. Programa de Educação Sobre o Negro na Sociedade Brasileira. Niterói: EdUFF, 2000.

ORLANDI, Eni Puccinelli. A polissemia da noção de leitura. In: Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 1998.

PETIT, Michele. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. São Paulo: Editora 34, 2008.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas (org). Buenos Aires. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales Editorial, 2005.

REIS, Maria da Conceição. Educação, Identidade e História de Vida de Pessoas Negras Doutoras do Brasil. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

RITER, Caio. A formação do leitor literário em casa e na escola. São Paulo: Biruta, 2009.

ROSA, Camila Simões; ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. A menina negra na família e na escola: o currículo como possibilidade. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 10, n. Ed. Especial, p. 572-593, jun. 2018.

SILVA, Claudilene Maria; SANTIAGO, M. Eliete. Pensamento negro e educação intercultural no Brasil. Interritórios: Revista de Educação da UFPE, v.2. n.3, p. 78-100, 2016.

SILVA, Ezequiel Theodoro da. Uma leitura da leitura crítica. In: ______. Criticidade e leitura: ensaios. 2. ed. São Paulo: Global, 2009.

SOUZA, Edilson Fernandes; REIS, Maria da Conceição; MENEZES, Vilde Gomes. Política de Educação das Relações Etnicorraciais: especificidades e caminhos da legislação Brasileira. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.21, n. esp., p. 8 -30, jan./jun. 2013.

YUNES, Eliane. Questões fundamentais de literatura infantil. Rio De Janeiro: Divisão de intercâmbio e edições: PUC-Rio, 1979.

ZILBERMAN, Regina; MAGALHÃES, Ligia Cademartori. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. São Paulo: Ática, 1987.

Downloads

Publicado

2020-10-01 — Atualizado em 2020-10-04

Versões