Representações femininas no acesso ao ensino superior

análise da prática discursiva publicitária de instituições privadas

Autores

  • Jairo da Silva e Silva Professor na área de Letras no Instituto Federal do Pará - IFPA/Campus Abaetetuba e Doutorando em Letras: Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC. http://orcid.org/0000-0003-0427-7237

Palavras-chave:

gênero, mulher, discurso publicitário, IPES.

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre representações femininas na prática discursiva publicitária de instituições privadas de ensino superior (IPES), sob um percurso teórico-metodológico fundamentado na vertente francesa da Análise de Discurso. Essa investigação permitiu interpretar que o acesso ao ensino superior é pensado para determinados públicos, caracterizando-se, assim, um discurso de segregação de gênero na educação brasileira. Para chegarmos a essa interpretação, analisamos três regularidades discursivas sobre gênero: se o sujeito é do sexo masculino, anuncia-se tal profissão, se feminino, a profissão anunciada é outra; o uso da imagem da mulher nestes enunciados e seus efeitos de sentidos.

Biografia do Autor

Jairo da Silva e Silva, Professor na área de Letras no Instituto Federal do Pará - IFPA/Campus Abaetetuba e Doutorando em Letras: Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC.

Professor efetivo da área de Letras Língua Portuguesa e Língua Espanhola no Instituto Federal do Pará - IFPA/Campus Abaetetuba; Mestre em Letras - Estudos Linguísticos, pela Universidade Federal do Pará; Doutorando em Letras: Linguagens e Representações na Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC; Autor do livro É o guerreiro da galera! Discurso e identidade indígena na aparelhagem tuxaua. Itacaiúnas, 2016.

Referências

ALMEIDA, J. F. de. Trad. A Bíblia Sagrada. 2. ed. São Paulo. Sociedade Bíblica Brasileira, 1993.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CABRAL, F; DÍAZ, M. Relações de gênero. Cadernos afetividade e sexualidade na educação: um novo olhar, Belo Horizonte, p. 142-150, 1999.

CABRAL, G. P. Olha aí freguesia! Vende-se ensino superior, venha conferir! UOL, São Paulo, 23 nov. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2rmZiVf>. Acesso em: 10 nov. 2016.

CARVALHO, M. G. de. Gênero e tecnologia: estudantes de engenharia e o mercado de trabalho. In: Seminário Internacional Mercado de Trabalho e Gênero, 2007, São Paulo e Rio de Janeiro. Anais [...]. São Paulo: FCC, 2007, v. 1, p. 1-12.

CARVALHO, N. de. Publicidade: a linguagem da sedução. 3. ed. São Paulo: Ática, 2006.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 10, 1º sem. 2002, p. 171-188.

FALQUETO, E. S; SOARES, M. C. A representação das mulheres nas revistas brasileiras: uma revisão bibliográfica. In: X Conferência Brasileira de Mídia Cidadã e V Conferência Sul-Americana de Mídia Cidadã, 2015, Bauru - SP. Anais [...], 2015, p. 1-14.

FLOR, G. Beleza à venda: o corpo como mercadoria. Revista Eletrônica COMtempo, vol. 2, n. 2, p.1-11, dez 2010.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GREGOLIN, M. R. Sentido, sujeito e memória: com o que sonha nossa vã autoria? In: GREGOLIN, M. R; BARONAS, R. (Orgs). Análise do discurso: as materialidades do sentido. 2. ed. São Carlos, SP: Claraluz, 2001. p. 60-68.

GREGOLIN, M. R. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e duelos. 2. edição. São Carlos: Claraluz, 2006.

GREGOLIN, M. R. Análise do Discurso e mídia: a reprodução das identidades. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, Vol. 4, nº 11, 2007.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HASHIGUTI, S. Corpo de Memória. 2008. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2008.

LE GOFF, J. Foucault e a Nova História. Plural-Sociologia, USP, São Paulo, 10, 2. sem., 2003, p.197-207.

LUZ, L; GICO, V. V. Uma leitura da apologia do estatuto da magreza na revista Veja. In: XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste – Maceió/AL. Anais [...], 2011, p. 1-12.

NORA, P. Entre história e memória: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, v. 10, p.7-28, 1993.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD 69). In: GADET, F; HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. da Unicamp, 1990, p. 61-162.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio [1975]. 3. ed., Campinas: Ed. da Unicamp, 1997.

PEREIRA, M. S. Homepages de instituições de ensino superior e de empresas comerciais. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações, Três Corações, 2013.

SANDMANN, A. A linguagem da propaganda: repensando a língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2001.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação & Realidade. v. 20 (2), jul./dez. Porto Alegre: 1995, p. 71-99.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX2016.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX2017a.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX2017b.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX2019.

Downloads

Publicado

2021-09-15

Edição

Seção

Caderno Estudos Linguísticos e Literários