“Não sou, nem curto afeminados”: violação de direitos, masculinidades e afeminofobia na construção identitária dos gays afeminados em aplicativos de relacionamento

Autores

  • José Claudivam da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco

Resumo

O uso das redes sociais de relacionamento é um instrumento bastante pertinente nas relações humanas desde muito tempo. Essas redes que ligam várias pessoas de diversos lugares são compreendidas por aplicativos que constantemente exercem um papel importante na conjuntura afetiva e sexual em relação aos indivíduos. O público LGBTQIA+ dispõem de aplicativos específicos que, neste trabalho, englobam dois dos muitos, o Grindr e o Tinder. No entanto, nem sempre esses aplicativos exercem uma função inclusiva para com tais indivíduos, ficando explícito em várias situações a exclusão violenta de gays afeminados, sendo foco de afeminofobia. Diante disso, o presente trabalho buscou investigar as diversas formas de violência sofridas por gays afeminados ou que performam uma feminilidade em aplicativos de relacionamentos gay, levando-se em conta que o Brasil internalizou uma série de Direitos Humanos e fundamentais que não devem ser violados de forma comissiva e/ou omissiva por parte de nenhum indivíduo ou pelo  Estado. Essas violações são evidentes em discursos afeminofóbicos presentes nesses aplicativos praticadas por usuários que destilam preconceito em seus perfis contra membros dos mesmos aplicativos que não correspondem a um padrão hegemônico preestabelecido. Deste modo, tais violações ferem o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, uma vez que são marcadas por discursos de ódio e exclusão desses indivíduos. A discussão teórica do trabalho foi fundamentada pela obra de Richard Miskolci (2017), Eve Sedgwick (1990 e 2007) e Judith Butler (2003), bem como outras discussões de autores diversos em materiais jurídicos e sociológicos, metodologicamente abordadas por meio de revisões bibliográficas de obras pertinentes ao assunto e da etnografia virtual, pautada na investigação online dos perfis dos usuários dos aplicativos de relacionamentos gays num período compreendido de 06 (seis) meses, de março a agosto de 2019, na cidade de Serra Talhada/Pernambuco e regiões próximas.

Biografia do Autor

José Claudivam da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE/SEDE). Graduado em Direito pela Faculdade Damas da Instrução Cristã (2017), onde foi bolsista do Programa Universidade Para Todos (PROUNI). Membro do Movimento Diverso, coletivo LGBTQIA+ da cidade de Serra Talhada, Pernambuco. Pesquisador Extensionista do Núcleo JUREMA: Feminismos, Agroecologia e Ruralidades vinculado ao Departamento de Ciências Sociais de Universidade Federal Rural de Pernambuco (DECISO/UFRPE). Atualmente faz pesquisas sobre gênero e sexualidade, construção dos processos identitários, masculinidades, violências de gênero, movimentos sociais e LGBTQIA+ com ênfase em Direitos Humanos e Sociais.

Referências

ABUNDANCIA, Rita. "Afeminofobia": o desafio de ser autêntico em um mundo que cultua o macho. El País. Brasil, 28 jun. 2017. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/06/28/estilo/1498676098_711307.html>. Acesso em: 14 jun. 2020.

BAPTISTA, Rafael Ferraz. Masculinidades em Aplicativos de Encontros Gays: Análise da Negociação das Masculinidades e da Auto-Representação dos Corpos. Áskesis, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 68-78, jan./jun. 2018.

BORRILLO, Daniel. Homofobia: história e crítica de um preconceito / Daniel Borrillo; [tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira]. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2008.

CONNELL, R. W.; MESSERSCHMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, abr. 2013.

CORNEJO, Giancarlo. La guerra declarada contra el niño afeminado: Una autoetnografía “queer”. Íconos - Revista de Ciencias Sociales, 2010. Dispoível em: <https://revistas.flacsoandes.edu.ec/iconos/article/view/747>. Acesso em: 14 jun. 2020.

DIAS, Maria da Graça dos Santos. A justiça e o imaginário social. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros online. 1ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

MOURA, Renan Gomes de. A feminilidade nas organizações na visão de homossexuais masculinos: entre a dominação masculina e o estigma, 2017, dissertação na Universidade do Grande Rio.

RÊGO, Yago Lemos. Sexualidade como Direito da Personalidade: a relação entre o livre desenvolvimento da personalidade de Alexy e a sexualidade inerente de Freud. Idéias - Faculadde de Direito do Recife, 2017. Dispoível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/ideias/article/view/230456>. Acesso em: 16 jun. 2020.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. “A Epistemologia do Armário”. In: Cadernos Pagu. Tradução de Plinio Dentzien. Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, 2007.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. 1993. How to bring your kids up gay: The war on effeminate boys. In: Tendencies. Durham: Duke University Press.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Epistemology of the closet. Berkeley, University of Califórnia Press, 1990.

Downloads

Publicado

2021-10-25

Edição

Seção

Artigos de Tema Livre