Resistências trans no voleibol feminino paranaense

Autores

Resumo

Este trabalho objetivou problematizar as resistências de mulheres transexuais no voleibol feminino do estado do Paraná, tendo como questões norteadores: 1- de que forma essas atletas constroem redes de resistência para permanecerem no voleibol?; 2- quais barreiras irrompem como entraves ao longo de sua(s) trajetória(s) pessoal(is) e esportiva(s)? Metodologicamente, desenvolveu-se um estudo qualitativo, contando com dois depoimentos de duas atletas mulheres trans de voleibol, que atuam na região metropolitana de Curitiba/PR. Trataram-se os dados com base na técnica de análise de conteúdo. Os resultados apontaram para os processos de resiliência e manutenção no terreno esportivo, constantemente cerceado por elementos cisheteronormativos que, ao se imporem, silenciam as corporalidades trans. No entanto, as atletas contam com apoio de seus grupos sociais e persistem em sua trajetória, em meio a percalços que surgem tanto durante os jogos, como fora das quadras e em outras esferas, como na legislativa, por exemplo.

Biografia do Autor

Rafael Marques Garcia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Educação Física na UFRJ e participante do Grupo de Estudos em Corpo, Esporte e Sociedade, o GECOS e do Laboratório de Estudos Corpo, Esporte e Sociedade, o LAbCOESO, devidamente cadastrado pelo DGP do CNPq.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Ed. rev. ampl. São Paulo: Edições 70, 2016.

BOMFIM, Patrick Thiago dos Santos. Discriminação e preconceito: identidade, cotidiano e religiosidade de travestis e transexuais. 2009. 132f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Católica de Brasília, Brasília/DF, 2009.

BRITO, Leandro Teófilo de. “Deixa a pinta pra fora da quadra”: sobre heteronormatividade e precariedade no contexto do voleibol. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 1. 2017, Salvador/BA. Anais... Salvador/BA, 2017. Disponível em: < https://www.editorarealize.com.br/revistas/enlacando/trabalhos/TRABALHO_EV072_MD1_SA18_ID268_19062017192331.pdf >. Acesso em 27 mar. 2020.

BRITO, Leandro Teófilo de. Enunciações de masculinidade em narrativas de jovens atletas de voleibol: leituras em horizonte queer. 225f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro/RJ, 2018.

BRITO, Leandro Teófilo de. Identificações performativas do masculino no voleibol: narrativas de jovens adolescentes atletas em debate. Esporte e Sociedade, Niterói, v. 11, n. 28, p. 1-20, set. 2016.

BRITO, Leandro Teófilo de. Performances dissidentes no espaço do voleibol: masculinidades queer? In: PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa; SILVA, Alan Camargo (Orgs.). Educação Física, Esporte e Queer: Sexualidades em Movimento. Curitiba: Appris, 2019. p. 83-103.

CAMARGO, Wagner Xavier de. O torcedor queer. Lupopédio, São Paulo, v. 101, n. 26, p. 1-4, nov. 2017.

CASTRO, Pedro Henrique Zubcich Caiado de; GARCIA, Rafael Marques; PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa. O voleibol e a participação de atletas trans: outro ponto de vista. Motrivivência, Florianópolis, v. 32, n. 61, p. 01-22, abr. 2020.

ESPORTE ESPETACULAR. A atleta transexual Andraya Yearwood luta pelo direito de disputar provas no atletismo. 2019a. 27 de outubro de 2019. Disponível em: < https://globoplay.globo.com/v/8038455/ >. Acesso em 06 mai. 2020.

ESPORTE ESPETACULAR. Homens trans competem de igual para igual com outros homens. 2019b. 03 de novembro de 2019. Disponível em: < https://globoplay.globo.com/v/8056909/ >. Acesso em 06 mai. 2020.

ESPORTE ESPETACULAR. Jogadoras de vôlei que nasceram homens superam preconceitos e se estabelecem no esporte. 2017. 09 de abril de 2017. Disponível em < https://globoplay.globo.com/v/5788637/ >. Acesso em 08 out. 2017.

ESPORTE ESPETACULAR. Polêmica na Superliga: primeira atleta transgênero do torneio divide opiniões no esporte. 2018. 14 de janeiro de 2018. Disponível em < https://globoplay.globo.com/v/6421019/ >. Acesso em 16 jan. 2018.

FISCHER, Mia; MCCLEAREN, Jennifer. Transgender Athletes and the Queer Art of Athletic Failure. Communication & Sport, v. 8, n. 2, p. 147-167, 2020.

HARPER, Joanna. Sport’s transgender debate needs compromise not conflict. The Guardian, Orthopedics & Sports Medicine, 2019. Disponível em: < https://www.theguardian.com/sport/blog/2019/apr/01/sports-transgender-debate-compromise-not-conflict >. Acesso em: 29 abr. 2020.

HEMBREE, Wylie C. et al. Endocrine Treatment of Gender-Dysphoric/Gender-Incongruent Persons: An Endocrine Society. Clinical Practice Guideline. The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, v. 102, n. 11, p. 3869-3902, nov. 2017.

IOC. International Olympic Committe. IOC Consensus Meeting on Sex Reassignment and Hyperandrogenism. 2015. Available in: < https://stillmed.olympic.org/Documents/Commissions_PDFfiles/Medical_commission/2015-11_ioc_consensus_meeting_on_sex_reassignment_and_hyperandrogenism-en.pdf >. Access in 11 jun. 2019.

JARDIM, Juliana G."It´s time"! MMA feminino, mercado da beleza e cis-heteronormatividade: uma etnografia multissituada com lutadoras brasileiras. 225f. 2018. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Estadual Paulista, Marília/SP, 2018.

LE BRETON, David. Corpo, gênero, identidade. Trad. Gercélia Batista de Oliveira Mendes. In: FERRARI, Anderson et al. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade. Lavras: UFLA, 2014. p. 18-34.

PETRY, Analídia Rodolpho. Mulheres transexuais e o Processo Transexualizador: experiências de sujeição, padecimento e prazer na adequação do corpo. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 36, n. 2, p. 70-75, jun. 2015.

PINK, Sarah et al. Ethnography in a digital world. In: PINK, Sarah et al. Digital ethnography: principles and practice. Los Angeles, Londres, Nova Déli, Singapura e Washington: Sage, 2016. p. 1-18.

PRADO, Vagner Matias do; NOGUEIRA, Alessandra Lo Gullo A. Transexualidade e esporte: o caso Tiffany Abreu em “jogo”. REIS – Revista Eletrônica Interações Sociais, v. 2, n.1, p. 60-72, jan./jun. 2018.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto Contrassexual: políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. O positivismo; a fenomenologia; o marxismo. São Paulo: Atlas, 2015.

VERGUEIRO, Viviane (Simakawa). Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 2015. 243f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade). Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Universidade Federal da Bahia, Salvador/BA, 2015.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Edição

Seção

Artigos de Tema Livre