Narrar a si gay, infâncias e educações: violações quantificadas-naturalizadas

Autores

  • Alexandre Luiz Polizel Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual de Londrina. Licenciado em Ciências Biológicas (UEM) e Filosofia (UNAR). Membro do Grupo de Estudos Culturais das Ciências e Educações (UEL-GECCE), do Núcleo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Educação Matemática (IFG-ENCIEM); Vice-coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educações, Narrativas e Ciências (UTFPR-GEPENC) e Coordenador do Ciclo de Estudos em Crítica e Clinica da Cultura (UTFPR/UEL). http://orcid.org/0000-0001-6397-306X

Resumo

Neste manuscrito temos por objetivo diagnosticar tecnologias de poder e resistências gays em narrativas de si de dois jovens referente a seu percurso educacional na educação básica na constituição de sua infância. Para tal, parte-se da perspectiva das heteroautobiografias, em que se narram dois jovens gays licenciandos sobre suas infâncias e a constituição memorística de si em seu processo do reconhecer-se em sua trajetória formativa. Tais narrativas são registradas bricoladas sob um olhar hermenêutico de inspirações em Michel Foucault e Friedrich Nietzsche. As analíticas são organizadas em três eixos: a) A construção dos cacos narrativos, em que se dão indicativas dos percursos teórico-metodológicos; b) Violências quantificáveis, traçando a identificação da violência para com corpos gays na infância como violações menores e menos significativas; e c) (A)Normalidade e (não)percepção, como linhas de constituição da criança gay enquanto o substratum de escolha  identitária e possibilidade de ser violado via tecnologia de poder da coerção – que invisibiliza o si ao si e ao Outro.

Biografia do Autor

Alexandre Luiz Polizel, Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual de Londrina. Licenciado em Ciências Biológicas (UEM) e Filosofia (UNAR). Membro do Grupo de Estudos Culturais das Ciências e Educações (UEL-GECCE), do Núcleo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Educação Matemática (IFG-ENCIEM); Vice-coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educações, Narrativas e Ciências (UTFPR-GEPENC) e Coordenador do Ciclo de Estudos em Crítica e Clinica da Cultura (UTFPR/UEL).

Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual de Londrina. Licenciado em Ciências Biológicas (UEM) e Filosofia (UNAR). Membro do Grupo de Estudos Culturais das Ciências e Educações (UEL-GECCE), do Núcleo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Educação Matemática (IFG-ENCIEM); Vice-coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educações, Narrativas e Ciências (UTFPR-GEPENC) e Coordenador do Ciclo de Estudos em Crítica e Clinica da Cultura (UTFPR/UEL).

Referências

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CATANI, Denice Barbosa. Autobiografia como saber e a educação como invenção de si. In: SOUZA, Elizeu Clementino; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2006, p.77-87

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a analise de discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, (114), 2001, p.197-223

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

__________. História da sexualidade III: O cuidado de si. São Paulo: Paz e Terra, 2014a.

__________. Vigiar e punir: Nascimento da prisão. 42 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2014b.

__________. História da sexualidade I: A vontade de saber. 3 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. 8 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce homo: como cheguei a ser o que sou. 4 ed. São Paulo: Brasil Editora, 1959

__________. Escritos sobre educação. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio: Loyola, 2004.

__________. Sobre verdade e mentira. São Paulo: Hedra, 2008.

__________. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

__________. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Porto Alegre: L&PM, 2016

PACHECO, Dirceu Castilho. Arquivos pessoais de praticantes docentes: espaçostempos do (auto)biográfico. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite; PINAZZA, Mônica Appezato (Orgs). Modos de narra a vida: cinema, fotografia, literatura e educação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010, p. 35-50.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: Feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Unicamp, 2013.

REGO, Teresa Cristina; AQUINO, Julio Groppa; OLIVEIRA, Marta Khol. Narrativas autobiográficas e constituição de subjetividades. In: SOUZA, Elizeu Clementino. Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2006, p. 269-286

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

__________. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte, Autentica, 2006.

VERALDO, Ivana. Tensões no espaço escolar: violências, bullying, indisciplina e homofobia. Maringá: Eduem, 2014.

WEEKS, Jefrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogia da sexualidade. 3 ed. Belo Horizonte: Autentica, 2015, p. 35-82

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações