Carta de uma criança queer para outra criança queer: percursos espectatoriais desviantes na infância

Autores

  • Dieison Marconi ESPM-SP
  • Fábio Ramalho UNILA

Resumo

Neste texto, tomando como premissa o consumo e a apropriação de repertórios audiovisuais que permeiam memórias pessoais e culturais, propomos produzir algumas articulações entre nossas infâncias queer, ambas vividas em territórios distintos e análogos (o interior cearense e o interior gaúcho) e clivadas em diferentes temporalidades que atravessam os anos 1980, 1990 e início dos anos 2000. Recorremos à forma das cartas como proposta de escrita dialógica e à teorização como dispositivo de memória, a fim de elaborarmos uma reflexão conjunta a respeito de experiências de formação marcadas por diferentes contingências, invenções e precariedades. Com isso, buscamos construir um senso de coexistência a partir dos engajamentos afetivos com as imagens e os sons, bem como traçar linhas que conectam crianças queer ao longo do tempo e do espaço.

Referências

ANZALDÚA, Gloria. La conciencia de la mestiza: rumo a uma nova consciência. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 704-719, Dec. 2005.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó, SC: Argos, 2009.

AHMED, Sara. The cultural politics of emotions. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2004.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CASETI, Francesco. Teorias del cine. Madrid: Ediciones Cátedra, 2005.

FAVERO, Sofia Ricardo. Crianças trans? A produção da infância como evidência de gênero. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2020.

FREITAS, Angélica. Rilke Shake. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FREEMAN, Elizabeth. Time Blinds. Durham: Duke University Press, 2010.

HOOKS, Bell – Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 3, p. 464-477, 1995

HOOKS, bell. “A teoria como prática libertadora”. Em: Ensinado a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Matins Fontes, p. 83-104, 2013.

HILDERBRAND, Lucas. Inherent vice: bootleg histories of videotape and copyright. Durham: Duke University Press, 2009.

MOMBAÇA, Jota. Pode um cu mestiço falar? Disponível em: https://medium.com/@jotamombaca/pode-um-cu-mestico-falar-e915ed9c61ee. Acessado em 13 de abril de 2020.

MARKS, Laura U. Touch: sensuous theory and multisensory media. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2002.

MULVEY, Laura. Death 24x a Second: Stillness and the Moving Image. London, Reaktion Books, 2006.

PRECIADO, Paul Beatriz. Quem defende a criança queer? Revista Gení, nº 16, p. 1-9, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: 34, 2018.

SEDWICK, Eve K. Touching feeling: affect, pedagogy, performativity. Durham and London: Duke University Press, 2003.

WILLIAMS, Linda. Screening sex. Durham and London: Duke University Press, 2008.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações