RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DESEMPENHO FISIOLÓGIO DE SEMENTES DE ARROZ

Autores

DOI:

10.31413/nativa.v9i2.10589

Resumo

Estudando genótipos de arroz (Oryza sativa L.), ANa 8001, 9005 CL e 9027, determinou-se o potencial fisiológico das sementes, sendo o mesmo correlacionado com índices de condutividade elétrica. O experimento foi conduzido nas safras 2017/18 em Sinop-MT, na determinação dos índices de condutividade elétrica foram avaliados dois fatores de luminosidade e 9 períodos de embebição. Adotou-se o delineamento inteiramente casualizado com comparação de médias pelo Teste de Tukey (5%), quando necessário, os dados foram transformados por raiz quadrada. Os resultados destacaram a cultivar ANa 9027 com o pior desempenho fisiológico, vigor de 69%, e para as demais cultivares ANa 8001 (79,54%) e ANa 9005 CL (84,41%). O teor de água absorvido pelas sementes do início do processo de hidratação até o final, é afetada pela qualidade fisiológica, sementes menos vigorosas apresentam menor velocidade de hidratação e umidade final. Constatou-se também, que o teste de condutividade elétrica é eficiente para determinar a viabilidade de sementes de arroz e a melhor resposta foi obtida na ausência de luz, além disso é possível a redução do período de imersão para 8 h com o intuito de diferenciar o potencial fisiológico das sementes de arroz acima de 80% de vigor, daquelas abaixo desse padrão.

Palavras-chave: qualidade fisiológica; Oryza sativa; vigor de sementes; germinação.

 

Relationship between electrical conductivity and physiological performance of rice seeds

 

ABSTRACT: Studying genotypes of rice (Oryza sativa L.), ANa 8001, 9005 CL and 9027, the physiological potential of the seeds was determined, being the same correlated with electrical conductivity indices. The experiment was conducted in the 2017/18 harvests in Sinop-MT, in determining the electrical conductivity indices, two luminosity factors and 9 imbibition periods were evaluated. It was adopted a completely randomized design with comparison of means by the Tukey test (5%), when necessary, the data were transformed by square root. The results highlighted the cultivar ANa 9027 with the worst physiological performance, 69% vigor, and for the other cultivars ANa 8001 (79.54%) and ANa 9005 CL (84.41%). The water content absorbed by the seeds from the beginning of the hydration process to the end, is affected by the physiological quality, less vigorous seeds have a lower rate of hydration and final moisture. It was also found that the electrical conductivity test is efficient to determine the viability of rice seeds and the best response was obtained in the absence of light, in addition it is possible to reduce the immersion period to 8 h in order to differentiate the physiological potential of rice seeds above 80% vigor, those below this standard.

Keywords: physiological quality; Oryza sativa; seed vigor; germination.

Referências

ABRASEM_Associação Brasileira de Sementes e Mudas. Anuário. Brasília. 2018. 130p.

AOSA_Association of Official Seed Analysts. Seed vigor testing handbook. East Lansing, AOSA, 1983. 88p.

ASSIS, A. A.; DALASTRA, I. M., Teste de condutividade elétrica para determinação de vigor de sementes de trigo. Revista Cultivando o Saber, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 384-392, 2019.

BARBIERI, A. P. P. Determinação do potencial fisiológico de sementes de arroz baseado na integridade das membranas celulares. 81 p. Dissertação (Mestrado). UFSM, Santa Maria, 2011.

BARBOSA, R.; SILVA, C. B. da; MEDEIROS, M. A. de; CENTURION, M. A. P. da C.; VIEIRA, R. D. Condutividade elétrica em função do teor de água inicial de sementes de amendoim. Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 1, p. 45-51, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782012000100008

BEWLEY, J. D.; BRADFORD, K. J.; HILHORST, H. W. M.; NONOGAKI, H. Seeds: physiology of development, germination and dormancy. 3rd ed. New York: Springer, 2013. 392p.

BORTOLOTTO, R. P.; MENEZES, N. L.; GARCIA, D. C.; MATTIONI, N. M. Comportamento de hidratação e qualidade fisiológica das sementes de arroz. Bragantia, Campinas, v. 67, n. 4, p. 991-996, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0006-87052008000400023

BRASIL. Lei Federal nº 10.711 de 05 de agosto de 2003. Sistema Nacional de Sementes. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sistema BINAGRI-SISLEGIS, instrução normativa – IN 6/2009 de 18 de fevereiro de 2009.

CANTARELLI, L. D.; SCHUCH, L. O. B.; TAVARES, L. C.; RUFINO, C. A. Variability of soybean plants originated from seeds with different physiological quality levels. Acta Agronómica, v. 64, n. 3, p. 218-222, 2015. DOI: http:// dx.doi.org/10.15446/acag.v64n3.44511

CARVALHO, I. L.; MENEGHELLO, G. E.; TUNES, L. M.; JÁCOME, C. C.; SOARES, V. N. Methodological adjustments to the tetrazolium test in rice seeds. Journal of Seed Science, v. 39, n. 1, p. 41-49, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-1545v39n1169643

COELHO, C. M. M.; POLLAK JÚNIOR, M. M.; SOUZA C. A.; PARIZOTO, C. Caracterização da qualidade fisiológica de sementes de arroz-crioulo da safra de 2010/2011. Científica, Jaboticabal, v. 42, n. 3, p. 278–284, 2014.

COSTA, R. A. B. S.; SCHMIDT, L.; ESTEVES, R. S.; ALVES, C. L.; PAGNUSSATT, F. A. Avaliação do Vigor em Sementes de Arroz por Condutividade Elétrica. In: V Simpósio de Bioquímica e Biotecnologia – VSIMBBTEC. Anais... São Paulo: Blucher, 2015. p. 95-98.

CRUSCIOL, C. A. C.; ARF, O.; ZUCARELI, C.; SÁ, M. E.; NAKAGAWA, J. Produção e qualidade fisiológica de sementes de arroz de terras altas em função da disponibilidade hídrica. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 23, n. 2, p. 287-293, 2001.

ELIAS, S. G; COPELAND, L. O; McDONALD, M. B; BAALBAKI, R. Z. Seed testing: principles and pratices, Michigan, 2012. 364p.

FRANÇA NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C. Tetrazolium: an important test for physiological seed quality evaluation. Journal of Seed Science, v. 41, n. 3, p. 359-366, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-1545v41n3223104

FRANÇA NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C. O vigor e o desempenho das sementes, In: ABRASEM. Associação Brasileira de Sementes e Mudas. Anuário, Brasília, p. 26-30, 2018.

FRANÇA NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C.; HENNING, A. A. A importância do uso de sementes de soja de alta qualidade. Informativo ABRATES, Londrina, v. 20, n. 1-2, p. 37-38, 2010.

FRANDOLOSO, D. C. L. Avaliação do vigor de sementes de alface pelo teste de envelhecimento acelerado. 67f. Dissertação (Mestrado). UFPEL, Pelotas, 2016.

MARQUES, E. R.; ARAÚJO, R. F.; ARAÚJO, E. F.; MARTINS FILHO, S.; SOARES, P. C.; MENDONÇA, E. M. Dormancy and enzymatic activity of rice cultivars seeds stored in different environments. Journal of Seed Science, v. 36, n. 4, p. 435-442, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-1545v36n41031

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2015. 495p.

MARKUS, R. Elementos de estatística aplicada. Porto Alegre: DALC, 1973. 329p.

MENEZES, B. R. S.; MOREIRA, L. B.; PEREIRA, M. B.; LOPES, H. M.; COSTA, E. M.; CURTI, A. T. M. Características morfoagronômicas de dois genótipos de arroz vermelho em cultivo inundado. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 7, n. 3, p. 394-401, 2012.

MENEZES, N. L. de; GARCIA, D. C.; BAHRY, C. A.; MATTIONI, N. M. Teste de condutividade elétrica em sementes de aveia preta. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 29, n. 2, p. 138-142, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-31222007000200019

MERTZ, L. M.; SEGALIN, S. R.; HUTH, C.; ROSA, T. D. Condutividade elétrica individual para a avaliação do potencial fisiológico de sementes de trigo. Informativo ABRATES, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 35-39, 2012.

RAJJOU, L.; DUVAL, M.; GALLARDO, K.; CATUSSE, J.; BALLY, J.; JOB, C.; JOB, D. Seed germination and vigor. Annual Review of Plant Biology, v. 63, n. 1, p. 507-533, 2012. DOI: https://doi.org/10.1146/annurev-arplant-042811-105550

SILVA, B. A.; NOGUEIRA, J. L.; CARVALHO, T.C.; PANOBIANCO, M., Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de triticale, Scientia Agraria Paranaensis, Marechal Cândido Rondon, v. 12, n. 4, p. 267-274, 2013.

SOUZA A. P. de; MOTA, L. L.; ZAMADEI, T.; MARTIN, C. C.; ALMEIDA, F. T. PAULINO, J. Classificação climática e balanço hídrico climatológico no estado de mato grosso, Nativa, Sinop, v. 1, n. 1, p. 34-43, 2013. DOI: 10.31413/nativa.v1i1.1334

SOUZA, L. C. D.; CARVALHO, M. A. C.; BRAGA, L. F.; SOUSA, E M. P. Qualidade fisiológica de sementes de arroz da região de Matupá-MT. Revista de Ciências Agro-Ambientais, Alta Floresta, v. 3, n. 1, p. 110-116, 2005.

STINGHEN, J. C. Caracterização de cultivares de arroz irrigado quanto a dormência e tolerância ao frio na germinação. 2015. 135f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, 2015.

WRASSE, C. F. Testes de vigor para sementes de arroz e sua relação com o comportamento de hidratação de sementes e a emergência de plântulas. Revista Científica, Jaboticabal, v. 37, n. 2, p. 107-114, 2009.

Downloads

Publicado

2021-06-06

Edição

Seção

Agronomia / Agronomy