Proposta de modelo Casa de Energia Zero (CEZ) de baixo padrão para Zona Bioclimática 07 com avaliação da viabilidade econômica

Autores

DOI:

10.18607/ES2020910790

Palavras-chave:

Eficiência energética. Estratégias passivas. Energia Fotovoltaica.

Resumo

Com a crescente preocupação em relação ao consumo dos recursos ambientais e gasto energético surgem também novas pesquisas voltadas à área sustentável da construção civil. Edifícios eficientes vem sendo construídos não só com o intuito de atrair novos investimentos, mas também levando em conta o cunho ambiental. Edifícios de Energia Zero – EEZ contam com a aplicação de diversas estratégias passivas visando a eficiência energética dos mesmos e consequentemente a diminuição da demanda por refrigeração, iluminação, aquecimento, incluindo o uso de equipamentos mais eficientes e produzem a energia que consomem, tendo um balanço nulo. Entretanto, o grande problema enfrentado pelos profissionais é até onde usar medidas de eficiência energética em termos de custo benefício, ou seja, até que ponto é viável investir em estratégias passivas para redução do consumo.  Essa análise depende do clima e economia do local em que a edificação será inserida, portanto é essencial haver estudos que subsidiem as decisões tomadas. Em virtude disso foi realizada uma análise da viabilidade econômica de implantação de uma EEZ em regiões de clima quente com auxílio de estratégias bioclimáticas. O estudo foi desenvolvido por meio de simulações computacionais no software DesignBuilder e a viabilidade financeira foi definida pelo cálculo do payback utilizando para isso o Valor Presente Líquido. Os resultados demonstraram um tempo de retorno de investimento de aproximadamente 7 anos, mostrando assim a viabilidade econômica da implantação da mesma. Podendo dessa forma ser implantado por meios de políticas públicas, podendo assim ter-se micro geradores com viabilidade econômica.

Referências

ADHIKARI, R.S.; ASTE, N.; DEL PERO, C.; MANFREN, M. Net Zero Energy Buildings: Expense or Investment? Energy Procedia 14: 1331 - 1336. 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Resolução normativa 482. Brasil, 2012.

AKSAMIJA, A. Regenerative Design of Existing Buildings for Net-Zero Energy Use. Procedia Engineering 118: 72 – 80. 2015.

ALAJMI, A.; ABOU-ZIYAN, H.; GHONEIM, A. Achieving annual and monthly net-zero energy of existing building in hot climate. Applied Energy 165: 511–521. 2016.

BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, J. G. L.; MIERZWA, J. C.; BARROS, M. T. L.; SPENCER M.; PORTO, M.; NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGER, S. Introdução à Engenharia Ambiental. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 332 p.

CALIFORNIA LEGISLATURE. Assembly Bill no. 212. AB 212, 2009. Disponível em: <http://www.leginfo.ca.gov/pub/09-10/bill/asm/ab_0201-0250/ab_212_cfa_20090413_093432_asm_comm.html> Acesso em 28 de abr. 2016.

CBIC. CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O Custo Unitário Básico. 2017. Disponível em: <http://www.cub.org.br/saiba-mais> Acesso em 25 de set. 2017.

CONSTRUBUSINESS. 5o Seminário da Indústria Brasileira de Construção, 2003. Disponível em: <http://piniweb17.pini.com.br/construcao/noticias/construbusiness-2003---5o-seminario-da-industria-brasileira-de-construcao-80028-1.aspx> Acesso em: 18 de jun. 2018.

CORRÊA, Lásaro Roberto. Sustentabilidade na Construção Civil. 2009. 70 f. Monografia (Especialização) - Curso de Especialização em Construção Civil, Engenharia de Materiais e Construção, Escola de Engenharia da UFMG, Belo Horizonte, 2009.

DENG, S.; DALIBARD, A.; MARTIN, M.; DAI, Y.J.; EICKER, U.; WANG, R.Z. Energy supply concepts for zero energy residential buildings in humid and dry climate. Energy Conversion and Management 52: 2455–2460. 2011.

DENG, S.; WANG, R.Z.; DAI, Y.J. How to evaluate performance of net zero energy building e A literature research. Energy 71: 1-16. 2014.

DIDONÉ, E. L.; WAGNER, A.; PEREIRA, F. O. R. Estratégias para edifícios de escritórios energia zero no Brasil com ênfase em BIPV. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 14, n. 3, p. 27-42, jul./set. 2014.

EUROPEAN COUNCIL FOR AN ENERGY EFFICIENT ECONOMY. Steering Through the Maze #2 Nearly Zero Energy Buildings: Achieving the EU 2020 Target. 2011. Disponível em:<http://www.eceee.org/buildings/Steering-2-zerobldgs.pdf> Acesso em 28 de abr. 2016.

GIORDANO, R.; SERRA,V.; TORTALLA, E.; VALENTINI, V.; AGHEMO, C. Embodied Energy and Operational Energy assessment in the framework of Nearly Zero Energy Building and Building Energy Rating. Energy Procedia 78: 3204 – 3209. 2015.

GONÇALVES, A.; NEVES, C.; COLÔBA, G.; NAKAGAWA, M.; MOTTA, R. R.; COSTA, R. P. Engenharia econômica e finanças. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

GRAÇA, G. C.; AUGUSTO, A.; LERER, M. M.; Solar powered net zero energy houses for southern Europe: Feasibility study. Solar Energy 86: 634–646. 2012.

GUARDA, E.L.A.D.; DOMINGOS, R.M.A.; JORGE, S.H.M.; DURANTE, L.C.; SANCHES, J.C.M.; LEÃO, M.; CALLEJAS, I.J.A. The influence of climate change on renewable energy systems designed to achieve zero energy buildings inthe present: A case study in the Brazilian Savannah. Sustainable Cities and Society. 52: 101843. 2020,

HIRSCHFELD, H. Engenharia econômica e análise de custos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

HOLMES, M.J.; HACKER, J. N. Climate change, thermal comfort and energy: Meeting the design challenges of the 21st century. Energy and Buildings 39: 802–814. 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO. Portaria nº 449, de 25 de novembro de 2010. Aprovar o Regulamento Técnico da Qualidade - RTQ para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Rio de Janeiro, 17 jan. 2012.

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY; ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. World Energy Outlook2009. Paris: IEA International Energy Agency; OECD, 2009.

KAPSALAKI, M.; LEAL, V.; SANTAMOURIS, M. A methodology for economic efficient design of Net Zero Energy Buildings. Energy and Buildings 55: 765–778. 2012.

KWAN, Y.; GUAN, L. Design a Zero Energy House in Brisbane, Australia. Procedia Engineering 121: 604 – 611. 2015.

LAMBERTS, R.; GHISI, E.; ABREU, A. L. P.; CARLO, J. C.; BATISTA, J. O.; MARINOSKI, D. L.; NARANJO, A. Desempenho térmico de edificações. 6. ed. Florianópolis: [s.n.], 2011. 196 p.

LEÃO, M. Double skin façades in Brazil: energy and comfort analysis. 2011. 189 f. Tese (Doutorado) - Curso de Arquitetura, Braunschweig University Of Technology, Braunschweig, 2011.

LI, D.H.W.; YANG, L.; LAM, J.C. Zero energy buildings and sustainable development implications - A review. Energy 54: 1-10. 2013.

LOPES, F.S.M.E. Dimensionamento de um Permutador de Calor Terra- Ar e Avaliação do Impacte na Climatização de um Edifício. 2012. 115f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) – Faculdade de Engenharia Mecânica do Instituto Superior Técnico de Lisboa, Portugal, 2012.

MARSZAL, A. J.; HEISELBERG, P. Life cycle cost analysis of a multi-storey residential Net Zero Energy Building in Denmark. Energy 36: 5600-5609. 2011

MARSZAL, A. J.; HEISELBERG, P.; BOURRELLE, J. S.; MUSALLC, E.; VOSSC, K.; SARTORI, I.; NAPOLITANO, A. Zero Energy Building - A review of definitions and calculation methodologies. Energy and Buildings 43: 971–979, 2011.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (Santa Catarina) (Comp.). Projeteee. Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: <http://projeteee.mma.gov.br/dados-climaticos/>. Acesso em: 10 jun. 2018.

Pacheco, M. T. G.. Ventilação natural e climatização artificial : crítica ao modelo superisolado para residência de energia zero em Belém e Curitiba. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. 320 p. Florianópolis, SC, 2013.

RODRIGUEZ-UBINAS, E.; RODRIGUEZ, S.; VOSS,K.; TODOROVIC, M. S. Energy efficiency evaluation of zero energy houses. Energy and Buildings 83: 23–35, 2014.

RUPP, R. F.; GHISI. E. Assessing window area and potential for electricity savings by using daylighting and hybrid ventilation in office buildings in southern Brazil. Simulation. 93(11):935-949, 2017.

SANTOS, C. G.; PALHARES, L. B.; DUARTE, R. O.; GONÇALVES, T. H. C; HORTA, M. M. A.; REIS, W. A.; STRAELH, R. V. POLIESTIRENO EXPANDIDO NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Pós em Revista. Ed. 8. 2013.

SARTORI, I.; NAPOLITANO, A.; VOSS, K. Net zero energy buildings: A consistent definition framework. Energy and Buildings, 48: 220–232. 2012.

SERGHIDES, D. K.;.DIMITRIOU, S.; KATAFYGIOTOU, M. C.; MICHAELIDOU, M. ENERGY EFFICIENT REFURBISHMENT TOWARDS NEARLY ZERO ENERGY HOUSES, FOR THE MEDITERRANEAN REGION. Energy Procedia 83: 533 – 543. 2015.

TORCELLINI, P.; PLESS, S.; DERU, M.; CRAWLEY, D. Zero Energy Buildings: A Critical Look at the Definition, in: ACEEE Summer Stud, Pacific Grove, California, USA, 2006.

THOMAS, W. D.; DUFFY,J.J. Energy performance of net-zero and near net-zero energy homes in New England. Energy and Buildings 67: 551–558. 2013.

ZHANG, S.; HUANG, P.; SUN, Y. A multi-criterion renewable energy system design optimization for net zero energy buildings under uncertainties. Energy. 94:654-665, 2016.

Downloads

Publicado

2020-09-04

Edição

Seção

Engenharia