FILOSOFIA E ENVELHECIMENTO: CONTRIBUIÇÕES DA OBRA “SEIN UND ZEIT” DE MARTIN HEIDEGGER PARA A ÁREA DA GERONTOLOGIA

Autores

Palavras-chave:

Envelhecimento, Filosofia, Existencialismo

Resumo

O envelhecimento humano se apresenta como um dos principais fenômenos da sociedade contemporânea. O fato requer o desenvolvimento de estudos, que qualifiquem e ampliem o entendimento sobre a questão fora da ótica do processo saúde-doença. O objetivo deste estudo foi refletir o tema envelhecimento humano com base na fenomenologia existencialista da obra “Sein und Zeit” de Martin Heidegger. O ponto de partida eleito foi a ontologia heideggeriana expressa pelo Dasein, entendido como “ser-no-mundo”. A atitude filosófica considerou o Dasein por ser nele que o ser humano constrói seus modos de ser, sua existência e história. As conclusões apresentadas podem auxiliar à compreensão dos fenômenos situados nas experiências de vida da pessoa idosa, facilitando o entendimento sobre como o fenômeno do envelhecimento é percebido.

Biografia do Autor

Marcelo de Maio Nascimento, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Professor Adjunto III do Colegiado de Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco-PE (UNIVASF). Ministra as disciplinas de Dança, Ginástica, Esporte e Gestão Ambiental. Coordenador do Núcleo Temático Educação Cultura e Movimento. Mestrado em Dança/Esporte e Gestal Ambiental e Doutorado em Ciências do Moviemnto pela Universidade de Esportes de Colônia/Alemanha.

Referências

BAARS, Jann. Philosophy of aging, time, and finitude. In: COLE, Thomas R.; RAY, Ruth E.; KASTENBAUM, Robert (Eds.). A guide to humanistic studies in aging. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2010.

BEAUVOIR, Simone de. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

______. Critical turns of aging, narrativ e and time. International journal of ageing and later life, v. 7, n. 2, p. 143-165, 2012.

BRAGA, Tatiane Benevides Magalhães, FARINHA, Mariana Gonçalves. Heidegger: Em busca de sentido para a Existência Humana. Phenomenological studies: revista da abordagem gestáltica, v. 23, n. 1, p. 65-73, jan./ abr., 2017.

BRUNONI, Letícia e colaboradores. Treinamento de força diminui os sintomas depressivos e melhora a qualidade de vida relacionada a saúde em idosas. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 29, n. 2, p. 189-196, abr./ jun., 2015.

CASTRO, Gisela G. S. Precisamos discutir o idadismo na comunicação. Comunicação & educação, v. 20, n. 2, p. 101-114, jul./ dez., 2015.

DE PONTES, Gilvânia Mauricio Dias. Reflexões sobre a experiência estética na educação. Revista GEARTE, v. 2, n. 2, p. 203-212, ago., 2015.

DEPONTI, Renata Nadalon; DE FIGUEIREDO ACOSTA, Marco Aurelio. Compreensão dos idosos sobre os fatores que influenciam no envelhecimento saudável. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, v. 15, n. 1, 2010.

ESFELD, Michael. What can Heidegger's being and time tell today's analytic Philosophy? Philosophical explorations, v. 4, n. 1, p. 46-62, 2001.

GOLDFARB, Délia Catulo. Corpo, tempo e envelhecimento. São Paulo: Casa do Psicólogo. 1998.

GOMES, Romeu. Antropologia do corpo e modernidade. Caderno de saúde pública, v. 27, n. 11, p. 2277-2279, nov., 2011.

HEIDEGGER, Martin. Sein und zeit. Frnakfuert Am Mein: Klostermann. 1977.

HUSSERL, Edmund. Méditations cartésiennes: introduction à la phénoménologie. 1931.

LARA, José e colaboradores. A proposed panel of biomarkers of healthy ageing. BMC Medicine, v. 13, n. 1, p. 222–230, set., 2015.

LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

LIMA, Claudia Feio da Maia; RIVEMALES, Maria da Conceição Costa. Corpo e envelhecimento: uma reflexão-artigo de revisão. Estududos interdisciplinares sobre envelhecimento, p. 153-166, 2013.

MIRANDA, Gabriela Morais Duarte; MENDES, Antonio da Cruz Gouveia; DA SILVA, Ana Lucia Andrade. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 19, n. 3, p. 507-519, 2016.

NASCIMENTO, Marcelo de Maio. Dança e corporeidade: considerações fenomenológicas do espaço dançado e corpo percebido. Revista Cena, v. 1, n. 13, p. 1–15, 2013.

ROCHA, Zeferino. A ontologia heideggeriana do cuidado e suas ressonâncias clínicas. Síntese: Revista de filosofia, v. 38, n. 120, p. 71-90, 2011.

SEIBT, César Luís. Fenomenologia hermenêutica, circularidade e desocultamento. Discusiones filosóficas, n. 20, p. 243–254, jan., 2012.

SPIRDUSO, Warren. W. Dimensões físicas do envelhecimento. São Paulo: Manole, 2005

VON ZEUBEN, Nilton Aquiles. A fenomenologia como retorno à ontologia em Martin Heidegger. Transformação, v. 34, n. 2, p. 85–101, 2011.

Downloads

Publicado

2019-08-14

Como Citar

Nascimento, M. de M. (2019). FILOSOFIA E ENVELHECIMENTO: CONTRIBUIÇÕES DA OBRA “SEIN UND ZEIT” DE MARTIN HEIDEGGER PARA A ÁREA DA GERONTOLOGIA. Corpoconsciência, 23(2), 109-116. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/8384