RELAÇÃO ENTRE CAPACIDADE FUNCIONAL E INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS EM IDOSOS

Autores

  • Gabriela Simões Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil
  • Aline Wanderley de Barros Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil
  • Thamires Cecílio Melo Ribeiro Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil
  • Moisés Augusto de Oliveira Borges Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil
  • José Camilo Camões Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil

Palavras-chave:

Envelhecimento, Alterações funcionais, Independência funcional, Atividade física

Resumo

Objetivou-se avaliar a capacidade funcional dos idosos que frequentam determinado grupo e correlacionar com indicadores antropométricos. Participaram da pesquisa 13 idosos (73±6,89 anos). A coleta de dados foi realizada por avaliação física e a escala de atividades instrumentais da vida diária de Lawton e Brody. Os resultados indicaram que o IMC variou entre 20,81kg/m2 e 42,45kg/m2 (26,50±5,52); A Relação Cintura Quadril variou entre 0,76cm e 0,96cm (0,85±0,06); e a Circunferência da Cintura variou entre 73,00cm e 116,00cm (91,92±12,68). A correlação entre as variáveis indicou correlação moderada positiva entre CC e RCQ e muito forte positiva entre IMC e CC. Mesmo com variações significativas na amostra, percebeu-se que idosos que praticam atividade física são aqueles que apresentaram mais independência nas suas atividades da vida diária, ou seja, melhor capacidade funcional.

Biografia do Autor

Moisés Augusto de Oliveira Borges, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil

Graduado em Educação Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Especialista em Atividade Física e Fisiologia do Exercício, ênfase em Recuperação Pós-Exercício e Resfriamento Corporal. Pós graduação em Gestão de Projetos (em curso). Atual Gestor de Projetos Esportivos e de Saúde do Departamento de Esporte e Lazer (DEL) da Pró-reitoria de Extensão (PROEXT) da UFRRJ. Membro pesquisador e orientador no Laboratório de Avaliação e Saúde (LAVs) da UFRRJ. Coordenador Pedagógico de Educação Especial da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (SMECE) do município de Seropédica/RJ.

Referências

ALVES, Luciana Correia e colaboradores. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Caderno de saúde pública, v. 23, n. 8, p. 1924-1930, ago., 2007.

BARBOSA, Bruno Rossi e colaboradores. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciência & saúde coletiva, v. 19, n. 8, p. 3317-3325, 2014.

BRAZ, Erika. O que o Índice de Massa Corporal (IMC) diz sobre a saúde. Blog da Saúde. Ministério da Saúde. Disponível em: <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53751-o-que-o-indice-de-massa-corporal-imc-diz-sobre-sua-saude>. Acesso em: 02 mar. 2020.

CAMBOIM, Francisca Elidivânia de Farias e colaboradores. Benefícios da atividade física na terceira idade para a qualidade de vida. Revista enfermagem, v. 11, n. 6, p. 2415-22, jun., 2017.

CIVINSKI, Cristian; MONTIBELLER, André; BRAZ, André Luiz de Oliveira. A importância do exercício físico no envelhecimento. Revista da Unifebe, v. 9, p. 163-175, jan./ jun., 2011.

FONTELLES, Mauro José e colaboradores. Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista paraense de medicina, v. 23, n. 3, p. 1-8, 2009.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2009.

KAWASAKI, Kozue; DIOGO, Maria José D’Elboux. Impacto da hospitalização na independência funcional do idoso em tratamento clínico. Acta fisiátrica, v. 12, n. 2, p. 55-60, 2005.

LAWTON, M. Powell; BRODY, Elaine M. Assessment of older people: self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist, v. 9, p. 179–85, 1969.

MACIEL, Marcos Gonçalves. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz, v. 16, n. 4, p. 1024-1032, out./dez., 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Avaliação do peso IMC na terceira idade. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/component/content/article/804-imc/40511-avaliacao-do-peso-imc-na-terceira-idade>. Acesso em: 01 mar. 2020.

MORAES, Edgar Nunes; MORAES, Flávia Lanna; LIMA, Simone Paula Pessoa. Características biológicas e psicológicas do envelhecimento. Rev. Med., v. 20, n. 1, p. 67-73, 2010.

OLIVEIRA, T. A.; DUARTE, S. F. P.; REIS, L. A. Relação entre índice de massa corporal e desempenho motor de idosos pertencentes a grupos de convivência. Texto Contexto Enfermagem, v. 25, n. 4, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde. 2005.

PAPALÉO NETTO, Matheus. O estudo da velhice no séc. XX: histórico, definição do campo e termos básicos. In: FREITAS Elizabete Viana de e colaboradores (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de janeiro: Guanabara Kroogan, 2002.

PICOLI, Tatiane da Silva; FIGUEIREDO, Larissa Lomeu de; PATRIZZI, Lislei Jorge. Sarcopenia e envelhecimento. Fisioterapia e movimento, v. 24, n. 3, p. 455-462, 2011.

ROSA, Tereza Etsuko da Costa e colaboradores. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. Revista de saúde pública, v. 37, n. 1, p. 40-48, 2003.

THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack K.; SILVERMAN, Stephen J. Introdução à pesquisa em atividade física. In: THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack K.; SILVERMAN, Stephen J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2012.

TINOCO, Adelson Luiz Araújo e colaboradores. Sobrepeso e obesidade medidos pelo índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura (CC) e relação cintura/quadril (RCQ), de idosos de um município da Zona da Mata Mineira. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 9, n. 2, p. 63-73, 2006.

TRIBESS, Sheilla; VIRTUOSO JÚNIOR, Jair Sindra. Prescrição de exercícios físicos para idosos. Revista saúde, v. 1, n. 2, p. 163-172, 2005.

TURUCHIMA, Marcia Tiemi; FERREIRA, Thais Nascimento; BENNEMANN, Rose Mari. Associação entre indicadores antropométricos (IMC e CC) em relação ao risco para doenças cardiovasculares. Saúde e pesquisa, v. 8, ed. esp., p. 55-63, 2015.

VAGETTI, Gislaine Cristina e colaboradores. Associação do índice de massa corporal com a aptidão funcional de idosas participantes de um programa de atividade física. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 20, n. 2, p. 216-227, 2017.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Silva, G. S., de Barros, A. W., Melo Ribeiro, T. C., Borges, M. A. de O., & Camões, J. C. (2020). RELAÇÃO ENTRE CAPACIDADE FUNCIONAL E INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS EM IDOSOS. Corpoconsciência, 24(3), 98-107. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10040

Edição

Seção

Seção Temática - ENVELHECIMENTO E LONGEVIDADE: COMO MANTER A AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA DE PESSOAS IDOSAS