Que história é essa? Que barulho é esse? Uma introdução ao debate sobre a Antropologia Histórica e a História Cultural

Autores

  • Maria Fátima Roberto Machado

Resumo

Este artigo é uma introdução ao debate entre a Antropologia e História nas abordagens voltadas para o estudo das culturas. Baseada na perspectiva de Pierre Bourdieu sobre a definição do campo científico, é uma introdução às relações entre as duas disciplinas em termos mais gerais e especificamente na historiografia francesa, oferecendo ainda um panorama acerca da expressão desse debate em nossa Universidade, a UFMT, a partir das pesquisas da antropóloga Denise Maldi, uma pioneira nos estudos aplicados à Etnohistória da fronteira Oeste do Brasil colonial.

Referências

ALEIXO, L. H. G. Mato Grosso: Trabalho escravo e trabalho livre (1850-1888). Brasília: Ministério da Fazenda/Divisão de Documentação, 1984.

AGULHON, M. M. Objecto de "cultura”?. In: RIOUX, J.P. & SIRINELLI, J. F. (org.). Para uma História Cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

ARRUDA, T. de J.; SIQUEIRA, E.M. Mão-de-obra ao pé-da-obra: a presença do índio no processo produtivo do Brasil Colônia. Porto Alegre. Revista Leo-poldianum, v.XI, 1984, 31.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu. Col. Sociologia. São Paulo, Atica, 1983.

____ L'illusion Biographique, In: Actes de la Recherche en Sciences Sociales, juin, 1986.

CARDOSO de OLIVEIRA, R. Tempo e Tradição: interpretando a Antropologia. In: _____. Sobre o Pensamento Antropológico. Biblioteca Tempo Universitá-rio, 83. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1988.

_____ A categoria da (des) ordem e a pós-modernidade da Antropologia In: ____ Sobre o Pensamento Antropológico. Biblioteca Tempo Universitário, 83. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1988.

CRAPANZANO, V. On the Writing of Ethnography. In:____Dialetical An-thropology, v. 2, n°1, feb. 1977.

_____. The Postmodern crisis: Discourse, Parody, Memory. In:_____Cultural Anthropology, vol. 6, no 4, nov.1991.

DARNTON, R. O beijo de Lamourette. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

_____. Entrevista a Lilia K. Moritz Schwarcz e Pedro Puntoni. Boletim da ABA (Associação Brasileira de Antropologia), no 26. set/1996:7-11.

DUBY, G. A História Cultural. In: RIOUX, J. P. & SIRINELLI, J. F. (org.). Para uma História Cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas, Rio de Janeiro: Ed. Guanaba-ra, 1989.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Col. Antropologia, n° 8. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

HUNT, L. História, Cultura e Texto. Apresentação. In: - (org.). A Nova História Cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LARAIA, R. de B. Cultura: Um conceito antropológico. 10 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

MACHADO, M.F.R. Indios de Rondon. Rondon e as Linhas Telegráficas na visão dos sobreviventes Waimare e Caxíniti, grupos Paresi. Tese de doutorado apresentada ao PPGAS do Museu Nacional, UFRJ, Rio de Janeiro, 1994.

_____. Identificação e Delimitação da Área Indígena Estação Parecis. In: MALDI, D. (org.). Direitos Indígenas é Antropologia: Laudos Periciais em Ma-to Grosso. Cuiabá: EdUFMT, 1994.

_____. Rondon e os Paresi: as representações indígenas sobre o amure etnó-grafo. In: PINA de BARROS, E. (org.). Modelos e Processos: Ensaios de Etno-logia Indígena. Cuiabá: EdUFMT, 1998.

_____. Memórias portuguesas sobre os selvagens: cultura e história nas rela-ções étnicas em Mato Grosso no século XIX. In: Actas do Congresso Luso-Brasileiro "Portugal: Memórias e Imaginários". v. II.

Lisboa, 2000.

MALDI, D. Populações indígenas e a ocupação histórica de Rondônia. Cuia-bá: EDUFMT, 1984.

_____. Guardiães da Fronteira. Rio Guaporé, século XVIII. Rio de Janeiro: Vozes, 1989.

_____. A Teia da Memória. Proposta teórica para a construção de uma et-nohistória. Cadernos de Antropologia. Série Antropologia no1. Cuiabá: EdUFMT, 1993.

_____. De confederados a bárbaros: a representação da territorialidade e da fronteira indígenas nos séculos XVIII e XIX. Revista de Antropologia/ USP, v. 40, no 2, São Paulo, 1997.

_____. Território, Movimento e Fronteira: Dinâmica e estratégia cultural en-tre os Pakaas-Novos. In: PINA de BARROS, E. (org.). Modelos e Processos. Ensaios de Etnologia Indígena. Cuiabá: EDUFMT, 1998.

MARCUS, G. E. That Damn Book: Ten Years After Writing Culture. Lisboa: Revista Etnográfica, v. II, no 1, 1998.

MARCUS, G. & FISHER, M. M. J. Anthropology as Cultural critique. An experimental moment in the Human Sciences. Chicago: The University of Chicago Press, 1986.

PACHECO de OLIVEIRA, J. O nosso governo. Os Ticuna e o regime tutelar. São Paulo: Marco Zero, 1988.

_____. Ensaios em Antropologia Histórica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1999.

RIOUX, J.P. Um domínio e um olhar. In: RIOUX, J. P. & SIRINELLI, J. F. (org.). Para uma História Cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

SAHLINS, M. Historical metaphors and mytical realities. Structure in the early history of the Sandwich Island Kingdom. Oceania/Michigan: Association for Social Anthropology/The University of Michigan Press.

_____. Ilhas de história. Antropologia Social. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

SIMMEL, G. The Stranger. In: WOLF, K. H. (org.). The Sociology of George Simmel. The Free Press, 1950.

SIRINELLI, J.F. Elogio da Complexidade. In: RIOUX, J. P. & SIRINELLI, J. F. (org.). Para uma História Cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

THOMPSON, E.P. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popu-lar tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Edição

Seção

Memória: Série Antropologia