Dia de visita: acompanhando familiares em uma penitenciária de Mato Grosso

Autores

  • Maria das Graças de Mendonça Silva Calicchio Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da UFMT
  • Reni Aparecida Barsaglini Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da UFMT

Resumo

Resumo: Este ensaio tem a proposta de trazer em texto as impressões, os indícios, as marcas e as afetações no trabalho de campo em uma penitenciária nos dias de visitas de familiares. São seguidos três momentos não estanques de um certo ritual da visita ao familiar que abrange: o trajeto das mulheres até a penitenciária; a espera para a visita na área externa da penitenciária; os rituais e procedimentos requisitados para a entrada no espaço interno. Diante do olhar, do ouvir e do interagir com o mundo vivido de familiares de pessoas aprisionadas, deixo-me afetar, vejo-me possibilitada a descrever detalhadamente os objetos, as situações, a realidade partilhada nos dias de visitações.

 

 Palavras-chave: Dias de visita; Penitenciária; Familiares; Mulheres

Biografia do Autor

Maria das Graças de Mendonça Silva Calicchio, Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da UFMT

Professora Mestra do Curso de Enfermagem da UFMT, Campus de Sinop. Doutoranda do Programa de Saúde Coletiva da UFMT.

Reni Aparecida Barsaglini, Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da UFMT

Docente e orientadora do Curso de Pós Graduação em Saúde Coletiva  da UFMT

Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil(2006)

Colaboradora da Associação Brasileira de Saúde Coletiva , Brasil

Referências

ALCÂNTARA Jr., José. Sociabilidades em ônibus urbano. São Luís: EDUFMA, 2010. Disponível em: http://www.gepfs.ufma.br/livros/sociabilidades_em_onibus_urbano.pdf. Acesso em: 27 ago. 2019.

CALICCHIO, Maria das Graças de M. S. Além das Celas: experiência de mulheres com familiar em cumprimento de pena em regime fechado, Mato Grosso. Projeto (Tese de doutorado em Saúde Coletiva) – Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2019.

COMFORT, Megan. Partilhamos tudo o que podemos: a dualização do corpo recluso nos romances através das grades. Análise Social, Lisboa, vol. 185, n. 42, p. 1.055-1.079, 2007. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/aso/n185/n185a06.pdf. Acesso em: 27 ago. 2019.

CORBIN, Alain. Saberes e Odores. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

DUARTE, Thais Lemos. Amor, Fidelidade e Compaixão: “sucata” para os presos. Revista Sociologia e Antropologia, Rio de Janeiro, v. 3, p. 621-641, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sant/v3n6/2238-3875-sant-03-06-0621.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013.

GODOI, Rafael. Fluxo em Cadeias: as prisões de São Paulo na virada dos tempos. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Sociologia, USP, São Paulo, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/2015_RafaelGodoi_VOrig.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

GOLDMAN, Márcio; FAVRET-SAADA, Jeanne. Os afetos, a etnografia. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 13, p. 149-153, 2005. Disponível em: file:///C:/Users/Usunario/Downloads/50262-Texto%20do%20artigo-62157-1-10-20130121.pdf. Acesso em: 23 ago. 2019.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução: Mathias Lambert. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1891-2015. 124p. Disponível em: http://www.aberta.senad.gov.br/medias/original/201702/20170214-114707-001.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

KILLINGER, C.L. Além da etnografia: olhares sobre o trabalho dos pesquisadores. Salvador: EDUFBA, 2017. p. 191-202.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2007. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/212944/mod_resource/content/2/Breton.%20Introducao.pdf. Acesso em: 23 ago. 2019.

LERMEN, Helena Salgueiro; MARTINHO, Braga Batista e Silva. Masculinidades no Cárcere: Homens que visitam suas Parceiras Privadas de Liberdade. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 38 (núm. esp. 2), p. 73-87, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v38nspe2/1982-3703-pcp-38-spe2-0073.pdf. Acesso em: 23 ago. 2019.

LIMA, Jacqueline Stefanny Ferraz de. Mulher fiel: as famílias das mulheres dos presos relacionados ao primeiro comando da capital. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

LEVI-STRAUSS Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

LIVRAMENTO, André Mota do; ROSA, Edinete Maria. Homens no cárcere: estratégias de vida na prisão. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del-Rei, v. 11, n. 2, jul.-dez. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ppp/v11n2/11.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

MACIEL, Suely. Comunicação radiofônica e interatividade à luz do dialogismo e da interação verbal. In: SIMIS, A. et al. (org.). Comunicação, cultura e linguagem, São Paulo: Editora UNESP, 2014, p. 79-105. Disponível em http://books.scielo.org. Acesso: 21 de ago. 2019.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, p.14-29, 2002.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 32, v. 15, p. 129-156, 2009.

MALINOWSKI, Bronisław. Os argonautas do pacífico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MATO GROSSO. Notícias. Forças de segurança são acionadas para conter rebelião em presídio em Sinop. Segurança Pública. 11 abr. 2017. Disponível em: http://www.mt.gov.br/-/6100208-forcas-de-seguranca-sao-acionadas-para-conter-rebeliao-em-presidio-em-sinop. Acesso em: 27 ago. 2019.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos. Normas de visitas conforme o POP- Procedimento Operacional Padrão do Sistema Penitenciário de Mato Grosso. Cuiabá: Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária, 2014. Disponível em: http://www.sejudh.mt.gov.br/documents/412021/2659804/POP+-+Normas+de+Visita.pdf/061078b5-9a5b-4ccd-b48b-d2ac6b7d7b94. Acesso em: 23 ago. 2019.

MATO GROSSO. Poder Executivo. Decreto nº 103, de 06 de maio 2019. Dispõe sobre a prestação de assistência material referente a produtos permitidos e não fornecidos pelos estabelecimentos penais do Sistema Penitenciário. Diário oficial do Estado. Ano CXXVII, N. 27497, 2019. Disponível em: http://www.iomat.mt.gov.br. Acesso 23 ago. 2019. Acesso em: 23 ago. 2019.

MIURA, Paula Orchiucci; SILVA, Ana Caroline dos Santos; PEDROSA, Maria Marques Marinho Perônio; COSTA, Marianne Lemos; FILHO, José Nilson Nobre. Violência Doméstica ou Violência Intrafamiliar: análise dos termos. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 30, dez. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v30/1807-0310-psoc-30-e179670.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

NASCIMENTO, Christiane Moura; SILVA, Luiz Carlos Avelino da. Sujeito mulher: a imagem da beleza. Revista Subjetividades, Fortaleza, v.14, n.2, p. 343-357, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rs/v14n2/16.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

PEIRANO, Mariza. Temas ou Teorias? O estatuto das noções de ritual e de performance. Cadernos de Campos. São Paulo, v. 7, n. 2, p. 9-16, 2006. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/campos/article/view/7321/5248. Acesso em: 23 ago. 2019.

PIMENTA, Victor Martins. Por Trás das Grades: o encarceramento em massa no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2018.

RECONDO, Felipe. Cantinas de presídios financiam o PCC- Em MS, quem não é de facção paga mais; lucro banca melhorias. Brasília, O Estado de S.Paulo, 16 out. 2009. Disponível em https://www.estadao.com.br/noticias/geral,cantinas-de-presidios-financiam-o pcc,451290. Acesso em 20 de agosto de 2019.

SALLA, Fernando. A Pesquisa na prisão: Labirintos. In: LOURENÇO, Luís Claudio; GOMES, Gerder Luiz Rocha (org.). Prisões e Punição no Brasil Contemporâneo, Salvador: EDUFBA, 2013. p. 11-28.

SANTOS, Andréa Marília Vieira. Pais Encarcerados: Filhos Invisíveis. Revista Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 26, n. 4, p. 594-603, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v26n4/v26n4a07.pdf. Último acesso em: 18 set. 2019.

SARTI, Cíntia. A Família como Ordem Simbólica. Revista de Psicologia da USP, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 11-28, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusp/v15n3/24603.pdf. Último acesso em: 18 set. 2019.

SINHORETTO, J.; SILVESTRE, G., MELO, F. A. L. de. O encarceramento em massa em São Paulo. Tempo Social, São Paulo, vol. 15, n. 1, p. 83-106, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ts/v25n1/05.pdf. Último acesso em: 17 set. 2019.

SILVA, Martinho Braga e. Saúde Penitenciária no Brasil: plano e política. Brasília: Verbena, 2015.

VARELLA, Dráuzio. Prisioneiras. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2017.

VELHO, Gilberto. Projeto e Metamorfose: Antropologia das Sociedades Complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

ZALUAR, Alba. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Downloads

Publicado

2020-09-21

Edição

Seção

Artigos Livres