O "veneno" e a adrenalina na "vida do crime": corpo, emoções e subjetivação

Autores

  • Danielli Vieira Instituto Federal de Santa Catarina

Resumo

O artigo apresenta dois conjuntos de sensações, emoções que perpassam a experiência na “vida do crime” a partir de duas pesquisas de campo centradas em narrativas de adolescentes que cumpriam medidas socioeducativas. Trata-se de uma aproximação a uma experiência em que se vive, ao mesmo tempo, “no veneno” – com sensações que misturam angústia, sofrimento, raiva e tristeza – e na intensidade de uma “vida loka” marcada por adrenalina, presenteísmo, “alterações” via uso de drogas. Discute-se, ainda, a função terapêutica da narrativa como forma de desabafo, bem como a elaboração do “veneno”, dos castigos e torturas sofridos, em termos de “fortalecimento”. O aspecto da medicalização compulsória dos adolescentes também é apresentado. Corpos, vidas, que têm um destino certo: “hospital, cadeia e caixão”, mas que são constituídas – via processos de subjetivação e de uma série de resistências - como vidas que valem a pena ser vividas.

Biografia do Autor

Danielli Vieira, Instituto Federal de Santa Catarina

Professora do Instituto Federal de Santa Catarina. Doutora em Antropologia Social pelo PPGAS da Universidade Federal de Santa Catarina. Estágio doutoral na Université de Strasbourg. Mestre em Antropologia Social pela UFSC. Bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela UFSC. Pesquisadora do Laboratório de Estudos das Violências (LEVIS) e do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Educação (NUIPE). Principais campos de pesquisa e atuação: violências; juventude e criminalidade;"adolescentes em conflito com a lei" e medidas socioeducativas; educação em/para os direitos humanos

Referências

Referências

BRIONES, Claudia; TOMÁS, Marcela. Sentidos y territorios vivenciales de violencias y violentamientos en situaciones de encierro. Apresentação trabalho X RAM. GT 64: Muertes, violencias y territorio: sentidos y escenarios en América Latina. CD-ROM, ISBN: 987-24680-2-8. Córdoba, 2013.

BUTLER, Judith. Vida precaria: el poder del duelo y la violencia. Front Cover.Editorial Paidós, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA – CNJ. Panorama Nacional. A Execução das Medidas Socioeducativas de Internação. Programa Justiça ao Jovem. CNJ, 2012. Disponívelem:<http://www.cnj.jus.br/images/programas/justicaaojovem/panorama_nacional_justica_ao_jovem.pdf>. Acesso em: 31-07- 2013.

FASSIN,Didier.La raison humanitaire: une historie morale du temps présent. Paris:Seuil/Gallimard, 2010.

FEFFERMANN, Marisa. Vidas arriscadas. O cotidiano dos jovens trabalhadores do tráfico. Petrópolis: Editora Vozes, 2006.

KATZ, Jack. Seductions of crime. Moral and sensual attractions in doing evil. New York: Basic Books, 1988.

LANGDON, Esther Jean. DAU. In: Religião, Magia ou Feitiçaria. O Pensamento Antropológico sobre o Xamanismo. Trabalho apresentado para o Concurso de Professor Adjunto na Universidade Federal de Santa Catarina (cópia de versão impressa), 1988.

LE BRETON, David. Les conduites à risque des jeunes : des violences sur soi à celles sur les autres. In : Bull. Acad. Natle Méd., 2004, 188, nº8, 1313-1322, séance du 25 novembre 2004.

____. En souffrance. Adolescence et entreé dans la vie. Paris: Éditions Métailié, 2007.

____. As paixões ordinárias: antropologia das emoções. Petrópolis: Vozes, 2009

_____. Expériences de la douleur: entre destruction et renaissance. Paris : Éditions Métailié, 2010.

MALUF, Sônia W. Antropologia, Narrativas e a busca de sentido. In: Horizontes Antropológicos. Ano 5, No. 12. pp. 13-37, 1999.

_____. Réflexion sur les expériences sociales et les politiquespubliquesdans ledomaine de la santémentale au Brésil.In:Antropologia emprimeira mão/ PPGAS,Universidade Federal de Santa Catarina, vol.133,Florianópolis: UFSC, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OCHS, Elinor. Narrativa. In: El discurso como estrutura y proceso. Estudios del discurso: introduction multidisciplinaria. Gedisa, 2000.

RIBEIRO, Fernanda Bittencourt.Governo dos adultos, governo das crianças:Atores,práticas e discursos a partir da lei da palmada.Dossiê Infâncias e Crianças: saberes,tecnologias e práticas.In:Civitas-Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre,v. 13,n.2, 2013.

RIFIOTIS, Theophilos. Alice do outro lado do espelho: revisitando as matrizes das violências e dos conflitos sociais. Revista de Ciências Sociais. v.37 n.2, 2006.

VARGAS, Eduardo Viana. Uso de drogas: a alter-ação como evento. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, 2006, v. 49 nº 2.

VICENTIN, Maria Cristina G. A vida em rebelião: jovens em conflito com a lei. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2005.

AUTOR. Vivendo “no veneno”: Análise de narrativas contadas por jovens sobre homicídios em Santa Catarina. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

_____.“Vivendo no veneno”: narrativas contadas por jovens sobre homicídios em Santa Catarina. In: RIFIOTIS, Theophilos; AUTOR(orgs.). Um olhar antropológico sobre violência e justiça: etnografias, ensaios e estudos de narrativas. Florianópolis: Ed.da UFSC, 2012.

_____.Correndo pelo certo, vivendo no crime: moral, subjetivação e comensurabilidade na experiência de adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

ZALUAR, Alba. Condomínio do Diabo: as classes populares urbanas e a lógica do ferro e do fumo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1995.

Downloads

Publicado

2020-06-04

Edição

Seção

Dossiê Temático: Nos contornos do corpo e da saúde