Subalternidade nas sociologias brasileira e indiana: um estudo comparativo da obra de Jessé Souza e Gayatri Spivak

Autores

  • Fabio Alves Ferreira Universidade de Pernambuco

Resumo

As sociedades brasileira e indiana são muito desiguais. Ambos países não constroem igualmente uma cidadania para todos. Para Jessé Souza, é preciso criticar a ciência brasileira pois ela foi a responsável por manter este tema invisível na literatura. Spivak também concorda que a desigualdade é mantida epistemologicamente e culturalmente, além do econômico. Assim, emergem grupos e classes sociais subalternizadas. Para ambos é preciso criar condições institucionais que assegurem o reconhecimento e a plena cidadania para todos as classes sociais e/ou grupos subalternos.

Biografia do Autor

Fabio Alves Ferreira, Universidade de Pernambuco

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural de Pernambuco; Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo e Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente, professor adjunto da Universidade de Pernambuco.

Referências

BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

FIGUEIREDO, Carlos Vinícius da Silva. O direito ao grito: a hora do intelectual subalterno em Clarice Lispector. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, 2009.

______. Estudos subalternos: uma introdução. Raído. Dourados, n. 4, v. 7, p.83-92, 2010.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do império. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Multitude, 2005.

PELÚCIO, Larissa. Subalterno quem, cara pálida?: apontamentos às margens sobre póscolonialismos, feminismos e estudos queer. In: Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. n. 2, v. 2, p. 395-418, 2012.

TIRADO, Genara Pulido. Violencia epistémica y descolonización del conocimiento. Sociocriticism, v. 24, n. 1, p. 173-201, 2009.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo, LeYa, 2015.

____. Os batalhadores brasileiros: Nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

____. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

____. A Invisibilidade da Desigualdade Brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2006a.

____. A Construção Social da Subcidadania. Belo Horizonte: UFMG, 2006b.

____. A Modernização Seletiva: Uma Reinterpretação do Dilema Brasileiro. Brasília: UNB, 2000.

EDWARD W. Said. Orientalismo: O Oriente Como Invenção do Ocidente. São Paulo. Edição. Companhia das letras, 2007.

____. Cultura e Imperialismo. São Paulo. Edição. Companhia das Letras, 2011.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

____. A Critique of Postcolonial Reason. Towards a History of the Vanishing Present. Harevard university Press, Cambridge, 1999.

____. Estudios de la Subalternidad. Deconstruyendo la Historiografía. In. Sandro Mezzadra (comp.) Estudios postcoloniales. Ensayos fundamentales. Editora Traficantes de Sueños, Madrid, 2008.

____. Culture Alive. Theory, Culture & Society, v. 23 (2-3), pp. 359-360, 2006.

Downloads

Publicado

2021-03-22

Edição

Seção

Artigos Livres