Nem só de hormônio vive o homem: representações e resistências de homens transexuais (1984-2018)

Autores

  • Júlio Ferro Silva da Cunha Nascimento Universidade Federal do Pará

Resumo

Em 1984 é publicada a autobiografia Erro de pessoa, escrita por um homem trans chamado João W. Nery, por anos a única referência brasileira sobre transmasculinidade. Hoje em dia, além do livro, existem as redes sociais e sites de compartilhamento de informação, que podem abordar as transmasculinidades plurais. O intuito do presente artigo é analisar as representações e resistências de homens trans em jornais da década de oitenta, entrevistas, site de compartilhamento de vídeos Youtube e redes sociais, analisando permanências e descontinuidades de 1984 a 2018.

Referências

ALMEIDA, Guilherme. “Homens trans”: novos matizes na aquarela das masculinidades?. Revista Estudos Feministas, v. 20, n. 2, p. 513-523, 2012.

BENJAMIN, W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: ADORNO, T. et al. Teoria da cultura de massa. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 221-254.

BUTLER, Judith. Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. Routledge, 2011.

ARAÚJO, George Zeidan. Ler, pesquisar e escrever história em tempos de internet: desafios e possibilidades. Tempo e Argumento, v. 6, n. 12, p. 151-164, 2014.

CARVALHO, Bruno Leal Pastor. “Faça aqui o seu login: os historiadores, os computadores as redes sociais online.” Revista História Hoje, v. 3, nº 5, p. 165-188, 2014.

CASTEL, Pierre-Henri. Algumas reflexões para estabelecer a cronologia do "fenômeno transexual" (1910-1995). Rev. bras. Hist., São Paulo, v. 21, n. 41, p. 77-111, 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882001000200005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2019.

COSTA, Iracy Rúbia Vaz da. Holofotes sobre carnes: transhomens nas artes.Dissertação de Mestrado, Artes. - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Arte, 2013. Disponível em: <http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/7935>. Acesso em: 13/06/2019.

DAVANÇO, Ricardo Augusto Santana et al. Qualidade de vida e auto-estima no tratamento cirúrgico da ginecomastia. 2004.

DE ALMEIDA, Fábio Chang. O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. AEDOS, v. 3, n. 8, 2011.

EIGA, Ana Maria; GUZZO, Morgani. “Trans-historizar” o espaço público dentro e fora da academia: Desafios para a historiografia e para o feminismo?. Esboços - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC, Florianópolis, v. 23, n. 35, p. 182-209, set. 2016. ISSN 2175-7976. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/2175-7976.2016v23n35p182.

VERAS, Elias Ferreira; ANDREU, Oscar Guasch. A invenção do estigma travesti no Brasil (1970-1980). História, histórias, v. 3, n. 5, p. 39-52, 2015.

GUASCH, Oscar. A invenção do estigma travesti no Brasil (1970-1980). História, Histórias. Brasília: Unb, 2015.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. TupyKurumin, 2006.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos [Online]. Goiânia: Ser-Tão/UFG, 2012a. Disponível em: https://www.sertao.ufg.br/up/16/o/ORIENTAÇÕES_POPULAÇÃO_TRANS.pdf?1334065989.

LEITE JR, Jorge. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. São Paulo: Annablume, 2011.

LOPES, Fábio Henrique. Escritas de si e artes de viver transgênero: as insubordinações de uma escrita trans?. Poéticas da Masculinidade em Ruínas. Anselmo Peres Alós (org.). – Santa Maria : UFSM, PPGL., p. 127, 2017.

IGGERS, Georg G. Historiography in the twentieth century: From scientific objectivity to the postmodern challenge. Wesleyan University Press, 2005.

MACHADO, Paula Sandrine. Intersexualidade e o" Consenso de Chicago". As vicissitudes da nomenclatura e suas implicações regulatórias. Revista brasileira de ciências sociais, v. 23, n. 68, p. 109-124, 2008.

MESQUITA, André Luiz. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva (1990-2000). 2008. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, p. 725-747, 2017.

MULLER, Magnor Ido; KNAUTH, Daniela Riva. Desigualdades no SUS: o caso do atendimento às travestis é ‘babado’!. Cadernos Ebape. br, v. 6, n. 2, p. 1-14, 2008.

NAPHY, William. Born to be Gay: História da Homossexualidade. Lisboa: Edições 70. 2006.

NASCIMENTO, Júlio Ferro Silva da Cunha Nascimento. Violência, militância e protagonismo: a trajetória da historiografia brasileira na produção de textos trans. Canoa do Tempo. Amazonas, UFAM. V 10, n 1, 2018, p 52-66.

NERY, João W. Viagem solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. Leya, 2012.

__________; MARANHÃO Fº; Eduardo Meinberg de Albuquerque . Transhomens no ciberespaço: micropolíticas das resistências. História Ágora, v. 2, p. 60-80, 2013.

PIMENTEL, Adelma do Socorro Gonçalves; DE CASTRO, Ewerton Helder Bentes; MIRANDA, Davi Miranda. Compreensão fenomenológica existencial da identidade de homens trans. ECOS-Estudos Contemporâneos da Subjetividade, v. 8, n. 2, p. 228-239, 2018.

OLIVEIRA, Marcelo José. O Lugar do Travesti em Desterro. Dissertação de Mestrado – PPGAS/Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: dezembro, 1997.

TUSSI, Fernanda Pivato. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Horizontes Antropológicos, v. 12, n. 26, p. 323-327, 2006.

TOOMEY, Russell B.; SYVERTSEN, Amy K.; SHRAMKO, Maura. Transgender adolescent suicide behavior. Pediatrics, v. 142, n. 4, p. e20174218, 2018.

RAYMOND, Janice G.; NEVILLE, J. The transsexual empire: The making of the she-male. Boston: Beacon Press, 1979.

ROHDEN, Fabíola. " O homem é mesmo a sua testosterona": promoção da andropausa e representações sobre sexualidade e envelhecimento no cenário brasileiro. Horizontes Antropológicos, v. 17, n. 35, p. 161-196, 2011.

SERANO, Julia. Whipping girl: A transsexual woman on sexism and the scapegoating of femininity. Hachette UK, 2016.

SILVA, H. Travesti, a invenção do feminino. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

Downloads

Publicado

2020-06-04

Edição

Seção

Dossiê Temático: Nos contornos do corpo e da saúde