Os artefatos laminares da coleção Indaiazinho e sua contribuição para a compreensão das ocupações Jê na história de Mato Grosso do Sul, Brasil.

Autores

  • Rodrigo Luiz Simas de Aguiar Universidade Federal da Grande Dourados
  • Renan Silva Martins Universidade Federal da Grande Dourados
  • Luiz Fernando de Almeida Silva Universidade Federal da Grande Dourados
  • Giovanni Radaelli Cenci Universidade Federal da Grande Dourados

Resumo

O artigo traz as considerações e os resultados provenientes da análise da coleção de artefatos líticos “PCH Indaiazinho”, que compõe a reserva técnica do Laboratório de Arqueologia da Universidade Federal da Grande Dourados. As peças da coleção foram analisadas em busca de vestígios que comprovassem sua utilização, para isso empregamos técnicas de reconhecimento dos possíveis estigmas. A partir da cerâmica pré-histórica da tradição Una, à qual o material lítico estava associado, sabemos que os remanescentes arqueológicos são produtos dos Jê pré-históricos. A análise demonstrou que a produção de artefatos laminares era um elemento importante no modo de produção, relacionandos não com a abertura de grandes áreas de cultivo, mas sim ao desbaste de arbustos e pequenas árvores que, provavelmente, serviriam para alimentar grandes fogueiras.

Biografia do Autor

Rodrigo Luiz Simas de Aguiar, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutor em Antropologia pela Universidad de Salamanca com pós-doutoramento em Arqueologia Pré-histórica na Universidade de Coimbra. Coordenador do Laboratório de Arqueologia da Universidade Federal da Grande Dourados.

Referências

AGUIAR, R. L. S. (2009). Proposições para uma interpretação da Arte Rupestre na Ilha de Santa Catarina e Adjacências, Brasil. CLIO. Série Arqueológica (UFPE), v. 24, p. 100-110.

AGUIAR, R. L. S. (2017). Petroglyphs of Footprints in the Brazilian State of Mato Grosso do Sul: Genesis and Stylistic Diffusion. Acta Archaeologica, v. 88, p. 205-216

AGUIAR, R. L. S. (2016). Templo dos Pilares, Alcinópolis. Dourados: Laboratório de Arqueologia da UFGD.

AGUIAR, R. L. S.; REGONATO, D. K.; LOPES, A. P. & RAINERI OLIVEIRA, C. A. (2019). Os grupos Jê na pré-história de Mato Grosso do Sul. In: Raquel Vilaça e Rodrigo Simas Aguiar (org.) (I)mobilidades na Pré-história. Pessoas, recursos, objetos, sítios e territórios. Coimbra: Editora da Universidade de Coimbra (no prelo).

AGUIAR, R. L. S.; SOUZA, J. C. (2017). A Escavação no Sítio Arqueológico Templo dos Pilares e sua relação com a ocupação humana e a produção de arte rupestre em Mato Grosso do Sul. CLIO. Série Arqueológica (UFPE), v. 32, p. 118-138

ALVES, C. C. (2011). Relatório: Resultado do Monitoramento do Patrimônio Arqueológico da Área sob Intervenção da PCH INDAIAZINHO, Município de Cassilândia, Estado de Mato Grosso do Sul. Belo Horizonte: Ambiento Consultoria e Assessoria LTDA.

BUENO, L.; DIAS, A. S. (2015). “Povoamento inicial da América do Sul: contribuições do contexto brasileiro”. Estudos Avançados, Vol. 29, No. 83, pp. 119-147.

FERNANDES, L. A. (2014). Possibilidades da análise tecnomorfológica das lâminas de machado lascadas de sítios da tradição Aratu na Bahia. In: Lourdeau A., Viana S. A., Rodet M. J. Indústrias líticas na América do Sul - abordagens teóricas e metodológicas. Recife: Ed. UFPE, v. 1, p. 91-122.

IGREJA, M. A.; MORENO GARCÍA, M. & PIMENTA, C. M. (2007). Um exemplo de abordagem experimental da interface Traceologia lítica/Arqueozoologia - esquartejamento e tratamento da pele de um corço (Capreolus capreolus) com artefactos de pedra lascada. Revista Portuguesa de Arqueologia, vol 10, n° 2, pp. 17-34.

LAMING-EMPERAIRE, A. (1967). Guia para o estudo das indústrias líticas da América do Sul. Manuais de Arqueologia nº 2. Curitiba: CEPA

Lasheras Corruchaga, J. A.; Fatás, P.; Montes, R. & Muñoz, E. (2014). Itaguy Guasú: un abrigo del arcaico en Amambay (Paraguay) con útiles planoconvexos y puntas bifaciales y con grabados abstractos y de pisadas. Cuadernos del Instituto Nacional de Antropología y Pensamiento Latinoamericano–Series Especiales 1, 2. 234-252.

MARTINS, G. R.; KASHIMOTO, E. M. (2012). 12.000 anos: Arqueologia do povoamento humano no nordeste de Mato Grosso do Sul. Campo Grande (MS): Life Editora.

MORALES, W. F. (2008). Brasil Central, 12.000 anos de ocupação humana no médio curso do Rio Tocantins, TO. São Paulo: Annablume.

PROUS, A. (1992). Arqueologia Brasileira. Brasília: UNB.

SCHMITZ, P. I. (1987). Prehistoric Hunters and Gatherers of Brazil. Journal of world Prehistory, vol 1, n° 1, pp. 53-126.

SCHMITZ, P. I. Arqueologia do Estado do Mato Grosso do Sul. Palestra de abertura do XIII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira. São Leopoldo: IAP/Unisinos, 2005. Disponível em: http://www.anchietano.com.br.

SCHMITZ, P. I.; ROGGE, J. H. (2013). “Pesquisando a trajetória do Jê meridional”. Pesquisas, Série Antropologia No. 70, pp. 07-33.

SEMENOV, S. A. (1973). Prehistoric Technology. Bath: Adams & Dart.

URBAN, G. (1998). A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: Manuela Carneiro da Cunha, História dos Índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, pp. 87-102.

VERONEZE, E. (1992). A ocupação do Planalto Central Brasileiro: o nordeste do Mato Grosso do Sul. Dissertação de Mestrado. São Leopoldo: Unisinos.

WÜST, I. (1990). Continuidade e mudança: para uma interpretação dos grupos ceramistas pré-coloniais da bacia do rio Vermelho, Mato Grosso. Tese de Doutorado em Antropologia Social. São Paulo: USP.

Downloads

Publicado

2020-06-04

Edição

Seção

Artigos Livres