Parentalidades wapichana: formas de nominação pessoal

Autores

  • Fabio de Sousa Lima Instituto Federal de Roraima (IFRR)/Professor de História
  • Danielle dos Santos Pereira Lima
  • Olendina de Carvalho Cavalcante Universidade Federal de Roraima/Professora adjunta do mestrado em Antropologia Social

DOI:

10.48074/aceno.v5i9.6511

Resumo

Este artigo discute alguns traços da complexa rede de relações parentais Wapichana. Nesse sentido, engloba a influência que as preocupações parentais exercem sobre as relações conjugais nativas, tomando como polo das discussões a atribuição de nomes culturais indígenas que reforçam a influência da residência matrilocal nas relações conjugais. Trata-se de uma pesquisa etnográfica cujos resultados demonstram que a satisfação conjugal relaciona-se diretamente com as preocupações parentais.

Biografia do Autor

Fabio de Sousa Lima, Instituto Federal de Roraima (IFRR)/Professor de História

Professor de História do Instituto Federal de Roraima (IFRR), mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Roraima (UFRR).

Danielle dos Santos Pereira Lima

Mestre em Letras Literatura pela Universidade Federal de Roraima

Olendina de Carvalho Cavalcante, Universidade Federal de Roraima/Professora adjunta do mestrado em Antropologia Social

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), coordenadora do mestrado em Antropologia Social da Universidade Federal de Roraima.

Referências

ANDRELLO, Geraldo. Cidade do índio: transformações e cotidiano em Iauaretê. São Paulo: editora UNESP, 2006.

______. Falas, objetos e corpos Autores indígenas no alto rio Negro. RBCS, São Paulo, n. 73, 2010, p. 5-26.

CALAVIA SÁEZ, Oscar. Nada menos que penas nomes: os etnônimos seriais no sudoeste amazônico. Ilha, Florianópolis, UFSC/ PPGAS, n. 2, 2016, p. 149-176.

CAMILO, Maurício; OLIVEIRA, Kimi da Silva; SILVA, Maria Shirlene de Sousa. Wapichan paradan idia’na aichapkary pabinak na’ik kadyzyi kid. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2015.

CARNEIRO, João Paulo Jeannine Andrade. A morada dos Wapixana: atlas toponímico da região da Serra da Lua-RR. Dissertação de Mestrado, Linguística, USP, 2008.

CAVALCANTI-SCHIEL, Ricardo. Para além de terras altas e terras baixas: modelos e tipologias na etnologia sul-americana. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, n. 2, 2014, p. 251-290.

CAVALCANTE, Olendina de Carvalho, CIRINO, Carlos Alberto Marinho, FRANK, Erwin Heinrich. Nossa terra: as relações etnoambientais dos Wapishana da terra indígena da Malacacheta/Roraima. Revista do Núcleo Histórico Socioambiental – NUHSA, n. 2, 2008, p. 37-46.

CIRINO, Carlos Alberto Marinho. A “Boa Nova” na Língua Indígena: contornos da Evangelização dos Wapischana no século XX. Tese de Doutorado, Antropologia Social, PUC, 2000.

CRUZ, O. S., & HULSMAN, L. A Brief History of the Guianas: From Tordesillas to Vienna. Boa Vista: Editora da Universidade Federal de Roraima, 2014.

DAMATTA, Roberto; SEEGER, Anthony; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. Sociedades indígenas e indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1987, p. 11-30.

DESCOLA, Philippe. Les affinités sélectives: alliance, guerre et prédation dans l’ensemble jivaro. L’Homme, Paris, n. 33, 1993, p.126-128.

FARAGE, Nádia. As flores da fala: práticas retóricas entre os Wapishana. Tese de Doutorado, Literaturas de Língua Portuguesa, USP, 1997.

FLORIDO, Marcelo Pedro. As parentológicas Arawá e Arawak: um estudo sobre parentesco e aliança. 2008. 223f. Tese de Doutorado, Antropologia Social, USP, 2008.

FRANCHETTO, Bruna. Levantamento sócio-linguístico nas malocas Napoleão (Makuxi) e Taba Lascada (Wapichana). Boa Vista: [S.ed.], 1988.

FREIRE, José Ribamar Bessa. Rio Babel: a história das línguas amazônicas. Rio de janeiro: EdUERJ, 2011.

GALLOIS, Doninique Tilkin. Introdução: Percursos de uma pesquisa temática. In: GALLOIS, Doninique Tilkin. (org.). Redes de relações nas Guianas. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005, p. 7-22.

GUERREIRO, Antonio. Do que é Feita uma Sociedade Regional? Lugares, Donos e Nomes no Alto Xingu. Ilha, Florianópolis, UFSC/ PPGAS, n. 2, 2016, p. 23-56.

HUGH-JONES, Stephen. Nomes secretos e riqueza visível: nominação no noroeste amazônico. Mana, Rio de Janeiro, UFRJ, n. 8, 2002, p. 45-68.

GAMEIRO, José. Voando sobre a psiquiatria. Análise epistemológica da psiquiatria contemporânea. Porto: Edições Afrontamento, 1992.

LOUKOTKA, Čestmír. Classification of South American Indian Languages. Los Angeles: UCLA Latin American Center, 1968.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003 [1938].

MCCALLUM, Cecilia. Aquisição de gênero e habilidades produtivas: o caso Kaxinawá. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n. 1, 1999, p. 157-175.

MENGET, Patrick. Em Nome dos Outros. Classificação das Relações Sociais entre os Txicáo do Alto Xingu. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia, Assírio & Alvim, 2001.

MIGLIAZZA, Ernesto. Grupos linguísticos do Território Federal de Roraima. Atas do Simpósio sobre a Biota Amazônica. [s.l], n. 2, 1985. p. 82-102.

OLIVEIRA, Odamir; SILVA, Bazilio da; SILVA, Nilzimara de Souza. Paradakary urudnaa: dicionário Wapichana/português, português/Wapichana. Boa Vista: EDUFRR, 2013.

RAMIREZ, Henri. Línguas Arawak da Amazônia Setentrional: comparação e descrição. Manaus: EDUA, 2001.

Relvas, Ana Paula. O ciclo vital da família – perspectiva sistémica. Porto: Edições Afrontamento, 1996.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Biodiversidade e diversidade etnolinguística na Amazônia. In: SIMÕES, M.S. (Org.). Cultura e biodiversidade entre o rio e a floresta. Belém: UFPA, 2001, p. 269-278.

SANTOS, Manoel Gomes dos. Uma gramática do Wapixana (Aruák) – aspectos da fonologia, da morfologia e da sintaxe. Tese de Doutorado, Linguística, UNICAMP, 2006.

VICENTE, Ana Luísa Cordeiro. Conjugalidade e Parentalidade: estudo sobre a influência das preocupações parentais na satisfação conjugal em pais de crianças com 1 a 5 anos de idade em educação pré-escolar. Dissertação de Mestrado, Psicologia Clínica, Instituto Superior Miguel Torga, 2010.

URBAN, Greg. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 87-102.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. Os pronomes cosmológicos e perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, UFRJ, n. 2, 1996, p. 115-144.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Downloads

Publicado

2018-12-22

Edição

Seção

Dossiê Temático: Parentalidades, conjugalidades e gênero