Visibilidade compulsória e moralidade feminina: Reflexões sobre gênero a partir das práticas de revenge porn

Autores

Resumo

Este ensaio se insere no cenário das preocupações teóricas acerca do consumo, criação e compartilhamento de conteúdos disponibilizados nas mídias digitais. Analisamos o conteúdo de publicações e comentários em redes sociais e de matérias e reportagens online sobre as práticas de revenge porn (divulgação não autorizada de imagens e vídeos íntimos), buscando compreender as associações simbólicas construídas em torno do comportamento feminino. Nossos resultados demonstram a importância das mídias digitais enquanto campo de estudo das relações generificadas de poder e seus efeitos na corporeidade feminina.

Biografia do Autor

Roberta De Sousa Mélo, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco, mestrado e doutorado em Sociologia pela mesma instituição. Atualmente é professora adjunta 1 da Universidade Federal do Vale do São Francisco. Faz parte do corpo docente do Programa de Pós Graduação em Educação Física da UNIVASF (PPGEF). Tem experiência na área da Sociologia do Corpo; Estudos de Gênero; Aspectos Sócio-Antropológicos das Práticas Corporais; Sociologia do Esporte; Tecnologias, Cultura e Sociedade. Autora do livro "Da visibilidade dos corpos disformes: um estudo sobre cirurgias cosméticas mal sucedidas" (Editora Universitária/ UFPE).

Rafael De Oliveira Rodrigues, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Professor Adjunto I na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Doutor em Antropologia pelo programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS/UFSC). Mestre em Antropologia Social pelo mesmo Programa de Pós-Graduação (PPGAS/UFSC). Cientista Social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Bolsista pelo Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE/CAPES) na Sapienza Università di Roma. Tem experiência nas áreas de Etnologia dos povos indígenas do Nordeste do Brasil, Antropologia Urbana, Patrimônio Cultural, Ambiental e Museus.

Alvaro Rego Millen Neto, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Doutorado em Educação Física na Universidade Gama Filho em 2013. Atualmente é Professor Adjunto do Colegiado Acadêmico de Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco - Univasf (ministra as disciplinas Fundamentos da Educação I e II e Produção de Textos Acadêmicos), professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Univasf (ministra a disciplina Políticas Curriculares para a Educação Física e Análise de Dados Qualitativos), líder do Laboratório de Cultura e Escolarização do Corpo no Sertão Nordestino, membro do Comitê Científico do GTT Escola do CBCE e revisor dos seguintes periódicos: Journal of Physical Education - UEM, Pensar a Prática e Motriz. Publicou 18 artigos completos em periódicos nacionais e internacionais. Orientou 3 dissertações de mestrado, 4 trabalhos de iniciação científica, 27 monografias de cursos de especialização e 28 trabalhos de conclusão de curso de graduação. Recebeu 4 prêmios e/ou homenagens. Desde 2004 participou de 5 projetos de pesquisa, dentre os quais é coordenador de 2. Atualmente coordena um projeto de pesquisa com fomento da FACEPE. Atua na área de educação física, especialmente com os seguintes temas: políticas curriculares, didática, lutas, educação especial e história das práticas corporais. Foi professor da educação básica do município de Angra dos Reis, professor do Centro Universitário de Barra Mansa e professor substituto da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro; foi secretário do estado do Rio de Janeiro do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte; foi membro da equipe colaboradora Programa Segundo Tempo do Ministério do Esporte; foi professor da Escola de Gestores, curso de pós-graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro; foi coordenador de dois Comitês de Ética em Pesquisa (da Univasf e da UBM).

Referências

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011

GIONGO, Marina Grandi. Madalenas modernas e um caso de pornografia de vingança: reflexões sobre gênero, sexualidade e cidadania na educação. UFRGS, 2015.

LINS, Beatriz Accioly. A Internet não gosta de mulheres? Gênero, sexualidade, e Violência nos debates sobre pornografa de vingança. Anais da V Reunião Equatorial de Antropologia; XIV Reunião de Antropólogos Norte e Nordeste, 2015.

MATOS, Maria Izilda. Outras histórias: as mulheres e estudos dos gêneros – percursos e possibilidades. In: SAMARA, Eni de Mesquita; SOHIET, Raquel; MATOS, M. Izilda S. (orgs.). Gênero em Debate: trajetória e perspectiva da historiografia contemporânea. São Paulo: EDUC, 1997, pp. 83-114.

MEDEIROS, Marcela; TAVARES, Marcelo. Construção e validação de checklist de avaliação de risco de violência contra mulher nas relações de intimidade. In: STEVENS, C.; OLIVEIRA, S.; ZANELLO, V.; SILVA, E.; PORTELA, C. (orgs.). Mulheres e violências: interseccionalidades. Brasília: Technopolitik, 2017.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. The Internet: An Ethnographic Approach. Paris: Berg, 2001.

MISKOLCI, Richard. Sociologia digital: notas sobre pesquisa na era da conectividade. Contemporânea, v. 6, n. 2, 2016, p. 275-297, Jul.–Dez.

RIGONI, Ana; NUNES, Felipe; FONSECA, Katia. O culto ao corpo e suas formas de propagação na rede social facebook: implicações para a educação física escolar. Motrivivência, v.29, n. esp., 2017, p.126-143.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero Patriarcado Violência. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, v. 16, n. 2, 1990, p. 5-22.

TRINDADE, Lorena. Como agir em caso de Revenge Porn? Os processos de judicialização e as alternativas para alvos do Revenge Porn na ausência de uma lei específica. Anais do IX ENADIR – Encontro Nacional de Antropologia do Direito, 2015.

Downloads

Publicado

2021-03-22

Edição

Seção

Artigos Livres