O Corpo Insone (C.I.): do sono como dispositivo, da insônia como gestus

Potyguara Alencar dos Santos, Carolline Rocha Parente de Pinho, Mônica da Silva Araújo

Resumo


No artigo, entremeamos o assunto dos “distúrbios do sono” entre dois paradigmas: aquele que escrutina as épistêmes médicas e suas ansiedades de época inspirado nas formulações foucaultianas e aquele de uma “antropologia subtrativa” que pense os gestus volitivos de “desparecer de si” dos Corpos Insones (C. I.). Quem são os formuladores contemporâneos das intervenções prático-concietuais contra o “problema da insônia”, e comos os próprios insones, desde seus mundos da vida em claro refletidos, leem a insistência noturna dos seus estados de vigília? O contraponto entre conhecimento médico e experiências sócio-subjetivas significadas é feito pela aproximação dos conteúdos técnicos produzidos pelos corpos clínicos do Laboratório do Sono da Universidade de São Paulo (Incor/USP) e do Instituto do Sono de um lado e, do outro, as expressões de três biografias que tentaram sigfnicar suas vivências de noites em claro ante o nosso coletivo de pesquisadores.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Notas sobre o gesto [Tradução: Vinícius Nicastro Honesko]. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 4, jan. (1996), p. 09-14, 2008.

______. O que é o contemporâneo? E outros ensaios [Tradução: Vinícius Nicastro Honesko]. Chapecó, SC: Argos, p. 77-92, 2009.

ALENCAR, A. M. et ali. Dynamics of snoring sounds and its connection with obstructive sleep apnea. Physica, A 392, p. 271–277, 2013.

DUARTE, Luiz F. D. Da vida nervosa (nas classes trabalhadoras urbanas). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor/CNPq, 1986.

FOUCAULT, Michel. “Les techniques de soi”. In. Dits et Ecrits, tome IV, texte n° 363, 1982.

____________. Les mots et le choses: une Archéologie des Sciences Humaines. Paris: Éditions Gallimard. Paris, 1966.

___________. L’herméneutique du sujet: cours au Collège de France (1981-1982). Paris: Gallimard le Seuil, 2001 [Tradução para o português: A hermenêutica do sujeito: curso no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 2006].

__________. O governo de si e dos outros: curso no Collège de France (1982-1983). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FREUD, Sigmmund. A interpretação dos sonhos [Tradução: Walderedo Ismael de Oliveira]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.

GAUCHET, M. Un monde désechanté? Ivry-sur-Seine: Édition D’Atelier, 2004.

GUATARRI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis/RJ: Vozes, 1996.

HAN, Byung-Chul. A sociedade do cansaço. Teresópolis/RJ: Vozes, 2015.

HENRY, Michel. “Souffrance et vie”. In Phénoménologie de la vie I: de la phénoménologie. Paris: Presses Universitaires de France, 2003, p. 143-156.

IETO, Vanessa et ali. Effects of oropharyngeal exercises on snoring. Chest (American College of Chest Physicians), v. 148, p. 683-691, 2015.

KHALDȖN, Ibn. Muqadimah (Prolegômenos, ou Filosofia Social) [Tradução: José Hhoury]. São Paulo: Safady, 1958 [1377].

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

LE BRETON, David. LE BRETON, David. Desaparecer de si: uma tentação contemporânea [Tradução: Francisco Morás]. Petrópolis/RJ: Vozes, 2018.

MARTINS, José de Souza. “A peleja da vida cotidiana em nosso imaginário onírico”. In (Des)figurações: a vida cotidiana no imaginário onírico da metrópole. São Paulo: Editora Hucitec, 1996, p. 11-46.

MATEUS, Samuel. O indivíduo pensado como forma de individuação. Estudos em Comunicação, nº 10, 93-1, 2011.

MAUSS, Marcel. “As técnicas do corpo”. In Sociologia e antropologia [Tradução: Paulo Neves]. São Paulo: Cosac & Naify, 2013, p. 329-422.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém [Tradução: Paulo César de Souza]. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

PEREC, Georges. Um homme qui dort. Paris: Denoël, 1967.

PESSOA, Fernando. Poesie di Álvaro de Campos [Tradução: Antonio Tabucchi]. Milano: Adelphe Edizioni, 2007.

PLATÃO, 428-347 a.C. O banquete (edição bilíngue grego-português). São Paulo: Editora 34, 2016.

POYARES, Dalva et ali. Sleep promoters and insomnia. Revista Brasileira de Psiquiatria, n. 27, p. 2-7, 2005.

RIBEIRO, J. P. Do self e da ipseidade: uma proposta conceitual em Gestalt-terapia. São Paulo: Summus Editorial, 2005.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. São Paulo: Cosac & Naif, 2005.

__________. “Introdução. Em direção a um novo modelo de crítica: as possibilidades de recuperação contemporânea do conceito de patologia social”. In SAFATLE, Vladimir et al. Patologias do social: arqueologias do sofrimento psíquico. São Paulo: Autêntica, 2018, p. 7-31.

SCHÜTZ, Alfred. Fenomenologia e relações sociais: textos escolhidos [Tradução: Ângela Melin]. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1979.

SCHÜTZ, Alfred; LUCKMANN, Thomas. The structures of the life-world (Tomo 1) [Traduzido: Richard M. Zaner]. Heinemman e Londres: Northwestern University Press, 1973.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade [Tradução: Pedro Caldas]. Rio de Janeiro/RJ: Jorge Zahar Ed., 2006.

STOLLER, Paul. Embodying colonial memories: spirit possessions, power and the Hauka in the West Africa. New York and London: Routledge, 1995.

VAZ, Paulo Bernardo Ferreira; COSTA, Débaora Veríssimo. O choque e as províncias de significado finito de Alfred Schütz. Vozes & Diálogo, Itajaí, v. 12, n. 2, jul./dez. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: