O "veneno" e a adrenalina na "vida do crime": corpo, emoções e subjetivação

Danielli Vieira

Resumo


O artigo apresenta dois conjuntos de sensações, emoções que perpassam a experiência na “vida do crime” a partir de duas pesquisas de campo centradas em narrativas de adolescentes que cumpriam medidas socioeducativas. Trata-se de uma aproximação a uma experiência em que se vive, ao mesmo tempo, “no veneno” – com sensações que misturam angústia, sofrimento, raiva e tristeza – e na intensidade de uma “vida loka” marcada por adrenalina, presenteísmo, “alterações” via uso de drogas. Discute-se, ainda, a função terapêutica da narrativa como forma de desabafo, bem como a elaboração do “veneno”, dos castigos e torturas sofridos, em termos de “fortalecimento”. O aspecto da medicalização compulsória dos adolescentes também é apresentado. Corpos, vidas, que têm um destino certo: “hospital, cadeia e caixão”, mas que são constituídas – via processos de subjetivação e de uma série de resistências - como vidas que valem a pena ser vividas.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

BRIONES, Claudia; TOMÁS, Marcela. Sentidos y territorios vivenciales de violencias y violentamientos en situaciones de encierro. Apresentação trabalho X RAM. GT 64: Muertes, violencias y territorio: sentidos y escenarios en América Latina. CD-ROM, ISBN: 987-24680-2-8. Córdoba, 2013.

BUTLER, Judith. Vida precaria: el poder del duelo y la violencia. Front Cover.Editorial Paidós, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA – CNJ. Panorama Nacional. A Execução das Medidas Socioeducativas de Internação. Programa Justiça ao Jovem. CNJ, 2012. Disponívelem:. Acesso em: 31-07- 2013.

FASSIN,Didier.La raison humanitaire: une historie morale du temps présent. Paris:Seuil/Gallimard, 2010.

FEFFERMANN, Marisa. Vidas arriscadas. O cotidiano dos jovens trabalhadores do tráfico. Petrópolis: Editora Vozes, 2006.

KATZ, Jack. Seductions of crime. Moral and sensual attractions in doing evil. New York: Basic Books, 1988.

LANGDON, Esther Jean. DAU. In: Religião, Magia ou Feitiçaria. O Pensamento Antropológico sobre o Xamanismo. Trabalho apresentado para o Concurso de Professor Adjunto na Universidade Federal de Santa Catarina (cópia de versão impressa), 1988.

LE BRETON, David. Les conduites à risque des jeunes : des violences sur soi à celles sur les autres. In : Bull. Acad. Natle Méd., 2004, 188, nº8, 1313-1322, séance du 25 novembre 2004.

____. En souffrance. Adolescence et entreé dans la vie. Paris: Éditions Métailié, 2007.

____. As paixões ordinárias: antropologia das emoções. Petrópolis: Vozes, 2009

_____. Expériences de la douleur: entre destruction et renaissance. Paris : Éditions Métailié, 2010.

MALUF, Sônia W. Antropologia, Narrativas e a busca de sentido. In: Horizontes Antropológicos. Ano 5, No. 12. pp. 13-37, 1999.

_____. Réflexion sur les expériences sociales et les politiquespubliquesdans ledomaine de la santémentale au Brésil.In:Antropologia emprimeira mão/ PPGAS,Universidade Federal de Santa Catarina, vol.133,Florianópolis: UFSC, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OCHS, Elinor. Narrativa. In: El discurso como estrutura y proceso. Estudios del discurso: introduction multidisciplinaria. Gedisa, 2000.

RIBEIRO, Fernanda Bittencourt.Governo dos adultos, governo das crianças:Atores,práticas e discursos a partir da lei da palmada.Dossiê Infâncias e Crianças: saberes,tecnologias e práticas.In:Civitas-Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre,v. 13,n.2, 2013.

RIFIOTIS, Theophilos. Alice do outro lado do espelho: revisitando as matrizes das violências e dos conflitos sociais. Revista de Ciências Sociais. v.37 n.2, 2006.

VARGAS, Eduardo Viana. Uso de drogas: a alter-ação como evento. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, 2006, v. 49 nº 2.

VICENTIN, Maria Cristina G. A vida em rebelião: jovens em conflito com a lei. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2005.

AUTOR. Vivendo “no veneno”: Análise de narrativas contadas por jovens sobre homicídios em Santa Catarina. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

_____.“Vivendo no veneno”: narrativas contadas por jovens sobre homicídios em Santa Catarina. In: RIFIOTIS, Theophilos; AUTOR(orgs.). Um olhar antropológico sobre violência e justiça: etnografias, ensaios e estudos de narrativas. Florianópolis: Ed.da UFSC, 2012.

_____.Correndo pelo certo, vivendo no crime: moral, subjetivação e comensurabilidade na experiência de adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

ZALUAR, Alba. Condomínio do Diabo: as classes populares urbanas e a lógica do ferro e do fumo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: