Nanaa: o corpo como lugar de nominação pessoal

Fabio de Sousa Lima, Danielle dos Santos Pereira Lima, Olendina de Carvalho Cavalcante

Resumo


Este artigo discute alguns traços da complexa rede de nominação pessoal Wapichana, a qual assenta-se no processo de construção social do corpo. Nesse sentido, toma-se como polo das discussões a atribuição de nomes designativos e autodesignativos indígenas, processo comum nas terras baixas amazônicas, que repercute na noção de corpo e pessoa. Trata-se de uma pesquisa etnográfica cujos resultados demonstram que a o nome cultural que o Wapichana porta presume a existência de uma alma-nome ou um segundo corpo.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRELLO, Geraldo. Cidade do índio: transformações e cotidiano em Iauaretê. São Paulo: editora UNESP, 2006.

¬

______. Falas, objetos e corpos Autores indígenas no alto rio Negro. RBCS, São Paulo, n. 73, 2010, p. 5-26.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 2010.

CARNEIRO, João Paulo Jeannine Andrade. A morada dos Wapixana: atlas toponímico da região da Serra da Lua-RR. 2008. 189p. Dissertação de Mestrado, Linguística,USP, São Paulo, 2008.

CAVALCANTI-SCHIEL, Ricardo. Para além de terras altas e terras baixas: modelos e tipologias na etnologia sul-americana. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, n. 2, 2014, p. 251-290.

DAMATTA, Roberto. Um mundo dividido: estrutura social dos índios Apinayé. Petrópolis, RJ: Vozes, 1976.

DESCOLA, Philippe. Estrutura ou sentimento: a relação com o animal na Amazônia. Mana, n. 4, v. 1, 1998, p. 23-45.

ERIKSON, Philippe. La Griffe des Aieux. Marquage du corps et démarquage ethnique chez les Matis d' Amazonie. Paris: Editions Peeters, 1996.

FARAGE, Nádia. As flores da fala: práticas retóricas entre os Wapishana. Tese de Doutorado, Literaturas de Língua Portuguesa, USP, 1997.

______. Instruções para o presente: os brancos em práticas retóricas Wapishana. Capítulo 17, In: Albert, B., & Ramos, A.R. (Orgs.) Pacificando o Branco: cosmologias do contato no Norte-Amazônico, São Paulo: Editora UNESP: Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 507-531.

GIL, Laura Pérez. Corporalidade, ética e identidade em dois grupos pano. Ilha – Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 5, n. 1, 2003, p. 23-45.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

HUGH-JONES, Christine. Social organization among South American Indians of the Vaupés Area of Colombia. Cambridge, PHD dissertation, University of Cambridge, 1977.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As Estruturas Elementares do Parentesco. 2. ed. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982.

LIMA, Fabio de Sousa Lima. Formas de nominação pessoal wapichana na aldeia Malacacheta. Dissertação de Mestrado, Antropologia Social, UFRR, 2018.

LÓPEZ, Egleé. Noções de corporalidade e pessoa entre os jodï. Mana. Estudos de Antropologia Social, n.12, v. 2, 2006, p. 359-388.

MALUF, Sônia Weidner. Corpo e corporalidade nas culturas contemporâneas: abordagens antropológicas. Revista Esboços, Florianópolis, v. 9, n. 9, 2001, p. 87-101.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003 [1938].

MCCALLUM, Cecilia. Aquisição de gênero e habilidades produtivas: o caso Kaxinawá. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n. 1, 1999, p. 157-175.

OLIVEIRA, Odamir; SILVA, Bazilio da; SILVA, Nilzimara de Souza. Paradakary urudnaa: dicionário Wapichana/português, português/Wapichana. Boa Vista: EDUFRR, 2013.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Centro de Formação Wapichana: Escola Estadual Indígena Sizenando Diniz, aldeia Malacacheta - RR, 2011.

VELDEN, Felipe Ferreira Vander. Circuitos de sangue: corpo, pessoa e sociabilidade Karitiana. In: Revista Habitus. v. 5. n. 2, 2007, p. 275-300.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. Os pronomes cosmológicos e perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, UFRJ, n. 2, 1996, p. 115-144.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: