“Ideologia de gênero” e “marxismo cultural” nas taras presidenciais: Marxismo e feminismo na “cena” política brasileira

Autores

Resumo

O objetivo do artigo é, a partir da análise do recente processo político que possibilitou a emergência política do neofascismo no Brasil em contraponto com as lutas pela diversidade sexual e de gênero e feministas, refletir sobre o diálogo do marxismo com essas lutas. Para tanto, analisarei o termo “ideologia de gênero” com base na aproximação teórica entre Antonio Gramsci e Judith Butler, o me levou a investigar também Louis Althusser e Michel Foucault. Depois, apresentarei as principais ideias conservadoras que estão por trás da expressão “marxismo cultural”, para então analisar o próprio marxismo e a sua relação com outras lutas sociais. E concluo apontando a atualidade do marxismo, mas também a necessidade de democratizar o marxismo como teoria.

Biografia do Autor

Rafael Toitio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)

Área: Sociologia e Ciência Política.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Sobre a reprodução. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BOITO JR, Armando. Por que caracterizar o bolsonarismo como neofascismo. Crítica Marxista, n. 50, p. 111-119, 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

______. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1; Crocodilo, 2019.

EAGLETON, Terry. Discurso e ideologia. In: _____. Ideologia. São Paulo: Ed. Unesp: Boitempo, 1997. p. 171-192.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 17. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

______. História de sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 1, 2006.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

LÖWY, Michel. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 9. ed. São Paulo, Cortez, 2007.

MARX, Karl. O 18 Brumário e cartas a Kugelmann. Paz e Terra, 1997.

______. O capital: crítica da economia política (Livro I). 24. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e estado, 2017, vol.32, n.3, pp.725-748. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3203008. Acesso em jul. 2020.

SCALA, J. La ideología del género: o El género como herramienta de poder. Rosario: Ed. Logos Ar, 2010.

TOITIO, Rafael. Sobre a hegemonia heterossexista. In: Anais VIII Colóquio Internacional Marx e Engels (Unicamp). Campinas: CEMARX, 2015.

_____. Cores e contradições: a luta pela diversidade sexual e de gênero sob o neoliberalismo brasileiro. Campinas, 2016. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321973.

_____. A luta pela diversidade sexual e de gênero diante do Estado capitalista: o que a atual crise política tem a nos ensinar? Margem esquerda, n. 33, 2. sem., p. 32-37, out. 2019.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

______. Base e superestrutura na teoria da cultura marxista. ______. Cultura e materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011. p. 43-68.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Teoria Social Crítica e LGBTI