A inserção da psicologia no Centro de Referência de Direitos Humanos (CRDH): um relato de experiência com pessoas transexuais

Autores

DOI:

10.31560/2595-3206.2020.12.10767

Resumo

A Psicologia, por muitos anos, atuou como mantenedora da ordem vigente. Por meio da psicopatologização dos indivíduos, ela os enquadrava num padrão normativo que era proposto pela sociedade. Com a ampliação dos campos de atuação, essa postura passou a ser questionada e veio à tona a necessidade de se romper com essa lógica enraizada nos preceitos da profissão. Dessa forma, temas como Direitos Humanos e relações de gênero e sexualidade passam a fazer parte das esferas de discussões, principalmente na área da Psicologia Social Comunitária. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo relatar a experiência de um estágio em Psicologia, numa instituição de Direitos Humanos, a partir da execução do Projeto Transformar, voltado para atendimento médico e psicológico da população trans e travesti. Esta experiência contribuiu para potencializar maiores conhecimentos a respeito da temática de relações de gênero e sua conexão com a Psicologia, além de colaborar com a ampliação de espaços e profissionais que estejam dispostos a atender essa demanda. Contudo, ainda observamos desafios como a falta de preparação e fundamentação teórica sobre o assunto e sobre o trabalho em grupos e também a necessidade de criação de mais políticas públicas que acolham e assegurem direitos à população trans e travestis.

Biografia do Autor

Fernando Santana de Paiva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor de graduação e pós-graduação (mestrado) do Departamento de Psicologia da UFJF. Psicologia Social Comunitária.

Referências

ARÁN, Márcia; MURTA, Daniela; LIONÇO, Tatiana. Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciência & saúde coletiva, v. 14, p. 1141-1149, 2009.

ARÁN, Márcia; ZAIDHAFT, Sérgio; MURTA, Daniela. Transexualidade: corpo, subjetividade e saúde coletiva. Psicologia & Sociedade, v. 20, n. 1, p. 70-79, 2008.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Editora Garamond, 2006.

BENTO, Berenice. O que é transexualidade?. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cadernos pagu, n. 42, p. 249-274, 2014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAPUTO, Ubirajara de None. Geni e os direitos humanos: um retrato da violência contra pessoas trans no Brasil do século XXI. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

CAVALCANTE, Alexandre Soares. Transgenitalização–saberes e poderes envolvidos na política de saúde do SUS. 2016.

DE MORAES FREIRE, Silene. Direitos humanos no Brasil: aportes para compreensão das ambiguidades e armadilhas persistentes. Revista Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, v. 12, n. 34, 2014.

GONÇALVES, Camila de Jesus Mello. A transexualidade sob a ótica dos direitos humanos: uma perspectiva de inclusão. 2012. Tese de Doutorado. Tese de Doutorado, 262 p., Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo.

LIONÇO, Tatiana. Que direito à saúde para a população GLBT? Considerando direitos humanos, sexuais e reprodutivos em busca da integralidade e da eqüidade. Saúde e sociedade, v. 17, p. 11-21, 2008.

LONGARAY, Deise Azevedo; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Travestis e transexuais: corpos (trans) formados e produção da feminilidade. Revista Estudos Feministas, v. 24, n. 3, p. 761-784, 2016.

RODRIGUES, Érica Gomes et al. Gênero e produção científica: um panorama sobre pessoas transgêneras. 2017.

RODRIGUES, Fernanda Deotti. (Des)caminhos em busca de cuidado: uma análise da rede de assistência à saúde para pessoas transexuais e travestis em Juiz de Fora/MG. 2018. 269 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018.

ROSATO, Cássia Maria. Psicologia e Direitos Humanos: cursos e percursos comuns. Psicologia Revista, v. 20, n. 1, p. 9-27, 2011.

SCHWEDE, Gisele; BARBOSA, Nasser Haidar; SCHRUBER JUNIOR, Julio. Psicologia nos direitos humanos: possibilidades de mediações semióticas. Psicologia & Sociedade, v. 20, n. 2, p. 306-312, 2008.

_________. Transexualidade não é transtorno mental, oficializa OMS. Disponível em 27 de outubro de 2019, https://site.cfp.org.br/transexualidade-nao-e-transtorno-mental-oficializa-oms/.

_________. Instituto de Educação e Cidadania. Disponível em 28 de outubro de 2019, http://www.iecjf.com.br/index.php.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Edição

Seção

Relatos de Experiências