A violência no desenvolvimento capitalista e um giro de resistência: “Arrasou, BlayBlayds!”

Autores

  • Jean Paulo Silva Gabriel Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Resumo

O artigo propõe refletir sobre a violência dentro do desenvolvimento da cultura capitalista ao longo dos anos. E as possibilidades de resistência e subversão abertas nessas dinâmicas, observando a trajetória de um grupo de drag queens, As BlayBlayds organizadas dentro do FESTIVALE, um festival de cultura popular do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. O trato metodológico e científico se dá por meio de estudo bibliográfico e entrevista com o presidente e drag membro do grupo mencionado. O artigo faz uso das contribuições marxistas sobre a dominação capitalista, a acumulação primitiva e estudos sobre o Rural brasileiro e Jequitinhonha, para observar como o festival se torna aglutinador de resistências a essas dominações violentas, contribuições da Antropologia para estudar o corpo-rural, que caracteriza os corpos do Jequitinhonha, e os estudos do Gênero e Sexualidade para conceder outra narrativa a esses corpos. Os resultados, ainda parciais, vão apontar para o pioneirismo assumido pelas BlayBlayds, e para a necessidade de outras formas de concepção de desenvolvimento e relação com a terra e com as pessoas. Também dizem das amplas possibilidades de alargamento de fronteiras que a arte torna possível, através da Drag Queen. O estudo inédito pretende abrir caminhos e possibilidades para discussões futuras vinculadas aos Estudos da Homocultura, aos Estudos Rurais e aos Estudos Sociais, em um esforço interdisciplinar.

 

Biografia do Autor

Jean Paulo Silva Gabriel, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Estudante do curso de Licenciatura em História, e Mestrando do Programa de Pós Graduação em Estudos Rurais, ambos da Faculdade Interdisciplinar em Humanidades, da UFVJM

Referências

ALENTEJANO, Paulo Roberto R. Questão agrária no Brasil do século XXI: uma abordagem a partir da Geografia. Revista Terra Livre, São Paulo, ano 27, v. 1, n. 36, p. 69-95, 2011.

ALVES, Rubem A. Livro sem fim. Edicoes Loyola, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2003

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 2009, 2015.

DA BAHIA, GGB–Grupo Gay. Relatório Anual de Assassinato de Homossexuais no Brasil (LGBT) relativo a 2017.

DE CARVALHO, José Murilo. O pecado original da República: debates, personagens e eventos para compreender o Brasil. Bazar do Tempo Produções e Empreendimentos Culturais LTDA, 2017.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

_________, Silvia. O ponto zero da revolução. Coletivo Sycorax, São Paulo. 2018

FERREIRA, Paulo Rogers da Silva. Os afectos mal-ditos: o indizível das sexualidades camponesas. Tese UNB. 2006.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. 12. Edição. São Paulo: L&PM, 1999.

GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 1997.

HARVEY, David. O segredo da acumulação primitiva. D. HARVEY, Para Entender o Capital-Livro I. São Paulo, Editora Boitempo, p. 277-299, 2013.

LIMA, Joselia Barroso de Queiroz. Políticas e mulheres na construção de sujeitos de direito. X Congreso ALASRU. Montevideo. 2018

LOURO, Guacira Lopes. "Pedagogias da sexualidade. O corpo educado:” pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica. 1999.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.

______, Karl. Capital: A critique of political economy, Volume I. Trans. Ben Fowkes. New York: Penguin, 1976.

MBEMBE, Achille. Necropolitics. Duke University Press, 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” – Escola sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. 2016., apud, MISKOLCI, Richard. Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à “ideologia de gênero”. cadernos pagu, n. 53, 2018.

MORENO, Cezar. A colonização e o povoamento do baixo e médio Jequitinhonha no século XIX: A “guerra justa” contra os índios. Belo Horizonte. Canoa das letras, 2001.

MOURA, Margarida Maria. Os deserdados da terra: a lógica costumeira e judicial dos processos de expulsão e invasão da terra camponesa no sertão de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

PORTO GONÇALVES - Bye bye Brasil, aqui estamos: a reinvenção da questão agrária no Brasil. In: Relatório CPT 2015.

RUGGIERO, Romano. Os Mecanismos da conquista colonial: os conquistadores. 1973.

SERVILHA, M. DE M. ; DOULA, S. M. . O Vale (En)Cantado: música, identidade e espaço no Jequitinhonha. In: Visões do Vale: origem e movimentos, 2009, Belo Horizonte. 2009.

WACQUANT, Loïq JD. O legado sociológico de Pierre Bourdieu: duas dimensões e uma nota pessoal. Revista de Sociologia e Política, n. 19, 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Teoria Social Crítica e LGBTI