Colorindo o Marxismo: considerações sobre o materialismo e as lutas LGBTI no capitalismo

Autores

  • Milena Carlos Lacerda Universidade Federal do Tocantins

Resumo

Este artigo visa desenvolver uma discussão a respeito da contribuição teórica e política do materialismo histórico dialético para interpretação da diversidade da classe trabalhadora, através da articulação das dimensões de gênero, sexualidade e raça. O percurso analítico adotado envolve reflexões sobre a escalada neoconservadora no Brasil e a organização de movimentos de resistência, problematizando as estratégias universalistas e particularistas das mobilizações sociais. Tais reflexões aproximativas partem do pressuposto de que gênero e sexualidade são racializados e compõem a diversidade da classe trabalhadora. Se é verdade que não podemos afastar os antagonismos das classes sociais e abstrair as relações materiais das análises de gênero e sexualidades, por outro lado, desconsiderar as dimensões de geração, gênero, raça/etnia e sexualidade poderá incorrer em leituras fragmentadas e homogeneizadas da classe social. Neste debate, partiremos de uma perspectiva materialista da totalidade social e da pluralidade dos estudos de gênero e sexualidade, com vistas à emancipação política e humana.

Biografia do Autor

Milena Carlos Lacerda, Universidade Federal do Tocantins

Assistente Social. Mestre e Doutoranda em Serviço Social pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora do Curso de Serviço Social da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Pesquisadora do Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Sexualidade, Corporalidades e Direitos (UFT).

Referências

ALVES, Douglas Santos. Da fragmentação à totalidade: sistemas de opressão no interior do capitalismo. In: ALVES, Douglas Santos (Org.). Gênero e diversidade sexual: teoria, política e educação em perspectiva. Tubarão: Copiart, 2016, v. 1, p. 15-38.

ALVES, Douglas Santos. In: Marxismo e Sexualidade. Canal da Esquerda On line no YouTube, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=h_mCTSelc3c Acesso em 25 de abr de 2020.

ARRUZZA, Cinzia.; BHATTACHARYA, Tithi.; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BARROCO, Maria Lúcia. Serviço social e pesquisa: implicações éticas e enfrentamentos políticos. In: Estágio, ética e pesquisa: desafios para a formação profissional. Revista Temporalis. Brasília, ABEPSS,ano IX, n. 17, 2009.

BUTLER, Judith. Entrevista. Revista Margem Esquerda.São Paulo, n. 33, Boitempo, 2019, p. 11-21.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019, p. 313-321

CORRÊA, Sonia. Eleições brasileiras de 2018: a catástrofe perfeita? Sexuality Policy Watch, Rio de Janeiro, 12 nov. 2018. Disponível em: https://sxpolitics.org/ptbr/wp-content/uploads/sites/2/2018/11/Cata%CC%81strofe-perfeita-mesclado.pdf Acesso em: 10 Jun 2019.

ENGELS, Frederic. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. São Paulo: Boitempo, 2019.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

GOUVÊA, Marina Machado; MASTROPAOLO, Maria Josefina. Capitalismo, racismo, patriarcado, dependência: por uma teoria unitária materialista, histórico-dialética. In: Marx e o marxismo 2019: marxismo sem tabus - Enfrentando opressões, 2019, Niterói, RJ. Anais do Seminário Internacional Marx e o Marxismo 2019: Marxismo sem tabus - Enfrentando opressões, 2019.

Disponível em: http://www.niepmarx.blog.br/MM2019/Trabalhos%20aprovados/MC27/MC271.pdf Acesso 09 Mai 2020.

IASI, Mauro. De onde vem o conservadorismo?. Blog da Boitempo, 2015. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2015/04/15/de-onde-vem-o-conservadorismo/ Acesso 10 Abr 2020.

LACERDA, Milena. Entre - lugares do nome social e do uso autorreferido dos banheiros: um itinerário de assujeitamentos e resistências na Universidade Federal do Tocantins. Rio de Janeiro, 2018. 196 f. Dissertação [Mestrado em Serviço Social], Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Serviço Social, Programa de Pós-Graduação, 2018.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política: livro I. São Paulo, Boitempo, 2013.

MARX, Karl. Para a questão judaica. Tradução de José Barata-Moura. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Tradução de Álvaro Pina. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: a história de um conceito. In: ALMEIDA, Heloisa Buarque de; SZWAKO, José (Orgs.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009, p. 116-146

NETTO, José Paulo. Introdução. In: NETTO. José Paulo (Org). O leitor de Marx. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012, p. 07-35.

OLIVEIRA, Mariana. Diversidade Sexual e Centralidade do Trabalho: as múltiplas determinações do processo de exploração. In: NOGUEIRA, L.; HILÁRIO, E.; PAZ, T.; MARRO, K. (Orgs). Hasteeemos a bandeira colorida: diversidade sexual e de gênero no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2018, p.111-136.

QUINALHA, Renan. Marxismo e sexualidade no Brasil: recompondo um histórico. Revista Margem Esquerda, n° 33, São Paulo: Boitempo, 2019.

TOITIO, Rafael. A luta pela diversidade sexual e de gênero diante do Estado Capitalista: o que a atual crise política tem a nos ensinar? Revista Margem Esquerda, n° 33, São Paulo: Boitempo, 2019, p. 32-37.

TONET. Ivo. Introdução. In. MARX, K; ENGELS, F. A ideologia Alemã. Tradução de Álvaro Pina. São Paulo: Expressão Popular, 2009, p. 9-15.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Teoria Social Crítica e LGBTI