Entre memórias de infância e crianças legendárias: gênero, raça e sexualidade dos primeiros anos à cena de ballroom & vogue estadunidense

Autores

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre a infância queer negra, abordando a produção de gênero, raça e sexualidade entre crianças. A partir da imersão em minhas próprias memórias como uma criança queer negra, relembro modos de experimentação e subversão de gênero e sexualidade, interseccionando com dinâmicas raciais entre corpos infantis. Na sequência, exponho brevemente o quadro teórico no qual o conceito de infância surgiu e se desenvolveu no Ocidente. Então, conecto a experiência da infância queer negra com a vivência do papel de “criança” (child) na cena de ballroom & vogue estadunidense, da qual faço parte como membro da House of Lauren. Mostro, assim, maneiras como a comunidade queer negra perturba os paradigmas brancos de infância. Essa última parte foi escrita em parceria com o doutorando, voguer e Overall Prince Don’Té Lauren (Cuauhtémoc Peranda).

Biografia do Autor

Andiara Ramos Pereira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO)

Andiara Ramos Pereira é pesquisadora-ativista e criadora de conteúdo para TV, Cinema e internet. Participou de coletivos autônomos responsáveis pela curadoria de uma série de eventos de pós-pornografia no Rio de Janeiro, como a I Mostra Pós-Pornô (R)Existentes, e em São Paulo, como a Mostra Revolta. Centrada em produzir uma pesquisa acadêmica a partir de seu corpo e vivência negra e sexo-dissidente, escreveu as dissertações “Corpo-memória: pesquisa ativista, escrevivência, ação estético-política” (2018) e “O corpo é o que nos resta: pornoterror e performance, resistência e feminismo” (2017), a primeira defendida no Programa de Pós-graduação em Estudos Contemporâneos das Artes da Universidade Federal Fluminense (UFF) e a segunda no Programa de Pós-graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde é doutoranda. Atualmente, desenvolve parte de seu doutorado na Universidade da Califórnia, Riverside (UCR), com bolsa PDSE da CAPES. No audiovisual, trabalhou em diversas produções, destacando obras exibidas no Canal Futura, no CINEBRASiLTV, na ESPN, e outros canais. Além disso, compôs equipes premiadas no New York Film Festivals, no PromaxBDA Latin America e indicadas ao International Emmy Awards. Desde novembro de 2019, participa da cena de Ballroom & Vogue estadunidense, na qual é conhecida como Pousé Lauren, caminhando nas categorias de Butch Realness e Virgin Performance The Old Way pela Legendary House of Lauren, International.

Referências

ALEXANDRE, B.; SALGADO, R. Memórias de infância na escola pelo avesso do tracejado das normativas de gênero, sexualidade e desenvolvimento. Série-Estudos, Campo Grande, MS, v. 24, n. 52, p. 31-47, set./dez. 2019.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BAILEY, M. The Labor of Diaspora: Ballroom Culture and the Making of a Black Queer Community. Dissertação defendida nos departamentos de African American Studies and the Designated Emphasis & Women, Gender, and Sexuality. Berkeley, 2005.

BEEMYN, G. US History. In: Trans Bodies, Trans Selves: a resource for the transgender community. New York City : Oxford University Press, 2014.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da linguagem. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 2013.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos; GOMES, Jerusa Vieira. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 1998. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador : EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo : Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, M. “Outros espaços”. In: Estética: literature e pintura, música e cinema. org. Manoel Barros da Motta; trad. Inês Autran Dourado Barbosa. – 2.ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. (Ditos e escritos III).

KILOMBA, G. A Máscara. Tradução de Jessica Oliveira de Jesus. Cadernos de Literatura em Tradução, n. 16.

PERANDA, C. The doing of vogue: lgbt black & latina/o ballroom subculture, voguing’s embodied fierceness, and the making of a quare world on stage. Dissertação defendida no Departamento de Comparative Studies in Race and Ethnicity, Stanford University, 2010.

PRECIADO, B. Quem defende a criança queer? Tradução: Fernanda Ferreira Marcondes Nogueira. n. 1 , jan-jun, 2013, ISSN 2317-4722, Viçosa –MG.

REGNAULT, C. Voguing and the house ballroom scene of New York City, 1989-92. London : Soul and Jazz Books, 2011.

WENETZ I, et al. As (des)construções de gênero e sexualidade no recreio escolar. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte, (São Paulo) 2013 Jan-Mar;27(1):117-28.

i

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Dossiê Temático: Tornar-nos Criança: Auto-Etnografias, Cuidados e Reparações